Pro­sa so­bre a Se­le­ção, cor­rup­ção e o Vi­tó­ria

Correio da Bahia - - Esporte - Her­bem Gra­ma­cho

Ti­te é o no­me da vez. Qu­e­ri­do pe­la im­pren­sa, no­me gri­ta­do em co­ro pe­la tor­ci­da no Mi­nei­rão, Se­le­ção jo­gan­do bo­ni­to e ven­cen­do com o me­lhor que o fu­te­bol bra­si­lei­ro tem: ve­lo­ci­da­de e ha­bi­li­da­de, que apa­re­cem com efi­ci­ên­cia quan­do a equi­pe mos­tra or­ga­ni­za­ção tá­ti­ca e um sis­te­ma de­fen­si­vo só­li­do.

A com­pa­ra­ção com Dun­ga é ine­vi­tá­vel, po­rém cru­el com o tor­ce­dor bra­si­lei­ro. Cru­el por­que in­duz ao en­ga­no. Faz pa­re­cer que as vitórias con­tra Ar­gen­ti­na, Colôm­bia e Bo­lí­via em ca­sa e con­tra Pe­ru, Ve­ne­zu­e­la e Equa­dor fo­ra são fa­tos ex­tra­or­di­ná­ri­os. Ul­ti­ma­men­te eram, mas his­to­ri­ca­men­te não.

A ma­nei­ra com que o Bra­sil ob­te­ve os re­sul­ta­dos, com go­le­a­das so­bre ar­gen­ti­nos (3x0), bo­li­vi­a­nos (5x0) e equa­to­ri­a­nos (3x0), foi re­al­men­te ex­tra­or­di­ná­ria. Mas, ex­ce­to o clás­si­co im­pre­vi­sí­vel com a Ar­gen­ti­na, o nor­mal em to­dos os ou­tros jo­gos se­ria o Bra­sil ven­cer. Ou de­ve­ria ser. Ti­te faz um iní­cio de tra­ba­lho bri­lhan­te? Sim. Só que a se­le­ção de Dun­ga foi um ca­so tão fo­ra da cur­va que ele­va­mos o no­vo trei­na­dor ao pe­des­tal com ta­ma­nha ale­gria e ra­pi­dez, num en­can­ta­men­to co­le­ti­vo por­que a Se­le­ção vol­tou a me­re­cer a le­tra maiús­cu­la que lhe da­mos. É ape­li­do: Se­le­ção. As­sim co­mo o Vi­tó­ria é Leão e o Bahia, Es­qua­drão. Em nú­me­ros, a com­pa­ra­ção se tor­na mais cru­el. Ca­da trei­na­dor co­man­dou a Se­le­ção em seis ro­da­das das Eli­mi­na­tó­ri­as. Com Dun­ga, o Bra­sil so­mou no­ve pon­tos. Com Ti­te, o do­bro, 18. Com Dun­ga, 11 gols. Com Ti­te, 17. Com Dun­ga, oi­to gols so­fri­dos. Com Ti­te, um. Ti­te che­gou ao car­go com mé­ri­tos por­que é re­al­men­te o me­lhor téc­ni­co do Bra­sil na atu­a­li­da­de. Dun­ga vi­rou téc­ni­co por­que a CBF que­ria uma dis­ci­pli­na rí­gi­da após o man­gue que foi a con­cen­tra­ção pa­ra a Co­pa 2006. Tra­ba­lhar com o me­lhor faz a di­fe­ren­ça. Só a CBF não

“sa­bia”.

A exis­tên­cia de qua­tro cha­pas pré-ins­cri­tas re­ve­la o ta­ma­nho da in­sa­tis­fa­ção, mas ain­da não sur­giu uma

no­va li­de­ran­ça no Vi­tó­ria

É GRA­VE

Mar­co Po­lo Del Ne­ro, pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Fu­te­bol: in­di­ci­a­do nos Es­ta­dos Uni­dos por cor­rup­ção.

Co­a­racy Nu­nes, pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Des­por­tos Aquá­ti­cos: in­ves­ti­ga­do por su­per­fa­tu­rar li­ci­ta­ção de ma­te­ri­ais es­por­ti­vos. No en­de­re­ço do for­ne­ce­dor, em São Pau­lo, cons­ta um petshop. Car­los Nu­nes, pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Bas­ket­ball: o ho­mem que ban­ca­va a es­po­sa em vi­a­gens pa­ra Can­cún e Pa­ris com con­tas al­tís­si­mas em res­tau­ran­tes, tu­do pa­go no car­tão cor­po­ra­ti­vo. En­quan­to is­so, a CBB aca­ba de ser sus­pen­sa pe­la Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal com “gra­ves di­fi­cul­da­des ins­ti­tu­ci­o­nais, des­por­ti­vas e fi­nan­cei­ras”.

VI­TÓ­RIA EM CAM­PO

Lou­vá­vel a sin­ce­ri­da­de de Ar­gel ao ad­mi­tir que o Vi­tó­ria é de­pen­den­te de Ma­ri­nho. Em uma épo­ca com tan­to “me­dia trai­ning”, em que mui­tos trei­na­do­res evi­tam dar de­cla­ra­ções tão di­re­tas, o trei­na­dor re­co­nhe­ceu o que to­do tor­ce­dor ru­bro-ne­gro cer­ta­men­te sen­te pa­ra o jo­go de ho­je à noi­te, con­tra o San­tos: ou Ma­ri­nho re­sol­ve ou vai dar Pei­xe. Aliás, não só pa­ra o jo­go con­tra o San­tos. Va­le tam­bém pa­ra as par­ti­das con­tra o Fi­guei­ren­se, o Co­ri­ti­ba e o Pal­mei­ras.

VI­TÓ­RIA NA PO­LÍ­TI­CA

Uma al­ter­na­ti­va é re­e­le­ger o pre­si­den­te que tem se des­ta­ca­do mais pe­las pa­la­vras do que pe­las ações. Ou­tra é ele­ger o can­di­da­to de Ale­xi e Fal­cão, em­bo­ra a du­pla não de­cla­re o apoio. O gru­po que te­o­ri­ca­men­te se­ria o da re­no­va­ção par­te de só­ci­os que his­to­ri­ca­men­te lu­tam por di­re­tas-já e tem co­mo apoi­a­do­res Jo­sé Rocha e ou­tros ex-pre­si­den­tes co­mo Ade­mar Le­mos e Jor­gi­nho Sam­paio. E, pa­ra quem can­sou do mes­mo mo­de­lo de ad­mi­nis­tra­ção, a op­ção é a vol­ta de Pau­lo Car­nei­ro. A exis­tên­cia de qua­tro cha­pas pré-ins­cri­tas re­ve­la o ta­ma­nho da in­sa­tis­fa­ção, mas, in­fe­liz­men­te, a cons­ta­ta­ção é que ain­da não sur­giu uma no­va li­de­ran­ça no Vi­tó­ria.

her­bem.gra­ma­cho@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.