Rio em cha­mas

Correio da Bahia - - Economia -

Dois ex-go­ver­na­do­res pre­sos num pe­río­do de 24 ho­ras. Um ex-go­ver­na­dor que re­ce­be du­as or­dens de pri­são ao mes­mo tem­po: uma do Rio e ou­tra de Cu­ri­ti­ba. Tu­do is­so em um es­ta­do em pe­nú­ria, cu­jos ser­vi­do­res es­tão cer­can­do o Le­gis­la­ti­vo em pro­tes­to con­tra um pa­co­te de ajus­te. O Rio de Ja­nei­ro es­tá vi­ven­do for­tes emo­ções nas úl­ti­mas ho­ras e há mui­to o que re­fle­tir so­bre o mo­men­to do país e do es­ta­do. A obra de de­mo­li­ção das fi­nan­ças do Rio te­ve mui­tas mãos. O ex-go­ver­na­dor Anthony Ga­ro­ti­nho sem­pre usou as po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra cons­truir uma re­de de com­pra de vo­tos. Fo­ram mui­tos os fla­gran­tes em que ele es­te­ve en­vol­vi­do. O ex-go­ver­na­dor Sér­gio Ca­bral au­men­tou as des­pe­sas pú­bli­cas nu­ma épo­ca de cres­ci­men­to da re­cei­ta, co­mo se o bom tem­po fos­se du­rar pa­ra sem­pre. Os dois, ini­mi­gos na vi­da pú­bli­ca, co­me­te­ram er­ros ad­mi­nis­tra­ti­vos que le­va­ram o es­ta­do ao des­con­tro­le das su­as con­tas. Ca­bral pro­ta­go­ni­zou ce­nas de pro­mis­cui­da­de ex­plí­ci­ta en­tre a mai­or au­to­ri­da­de do exe­cu­ti­vo lo­cal com um dos prin­ci­pais for­ne­ce­do­res do es­ta­do. A Del­ta, de Fer­nan­do Ca­ven­dish, te­ve, em de­ter­mi­na­do mo­men­to, 96% do seu fa­tu­ra­men­to em obras do es­ta­do go­ver­na­do pe­lo seu ami­go Ca­bral. Na­da jus­ti­fi­ca as ce­nas ver­go­nho­sas en­vol­ven­do o go­ver­na­dor, sua mu­lher, seus prin­ci­pais as­ses­so­res e o em­prei­tei­ro. Na­da jus­ti­fi­ca aque­las vi­a­gens, aque­le anel, a não ser a fal­ta de qual­quer bar­rei­ra mo­ral.

On­tem fi­cou cla­ro que hou­ve ou­tras ir­re­gu­la­ri­da­des nos contratos com a Ca­ri­o­ca En­ge­nha­ria e An­dra­de Gu­ti­er­rez. E as in­for­ma­ções que os in­ves­ti­ga­do­res pres­ta­ram são im­pres­si­o­nan­tes. Pro­pi­nas pa­gas até nas obras nas fa­ve­las. Me­sa­das ao ex-go­ver­na­dor e seus ope­ra­do­res. Qu­em deu as in­for­ma­ções? Os exe­cu­ti­vos das pró­pri­as em­prei­tei­ras que fi­ze­ram os pa­ga­men­tos e que, em tro­ca, re­ce­be­ram as obras em re­gi­me de car­tel e em li­ci­ta­ções frau­da­das.

Tu­do is­so foi de­pois do men­sa­lão, quan­do já se sa­bia que o país es­ta­va dis­pos­to a lu­tar con­tra a cor­rup­ção, quan­do o pro­ces­so con­tra ex-au­to­ri­da­des do go­ver­no Lu­la es­ta­va no STF. Mes­mo as­sim, Ca­bral le­vou a ex­tre­mos sua re­la­ção com as em­prei­tei­ras. Te­rá mui­to a ex­pli­car nes­se tem­po de pri­são pre­ven­ti­va.

Os dois ex-go­ver­na­do­res ad­mi­nis­tra­ram mal o es­ta­do, am­pli­a­ram as des­pe­sas de for­ma in­con­se­quen­te, não de­sar­ma­ram as bom­bas fis­cais que de­to­na­ram no co­lo do ci­da­dão, mas es­tão sen­do pu­ni­dos por­que, além dis­so, es­tão en­vol­vi­dos em de­nún­ci­as de cri­mes elei­to­rais e de des­vi­os de di­nhei­ro pú­bli­co.

Há vá­ri­os pon­tos a des­ta­car nes­ses epi­só­di­os. No ca­so de Ca­bral, o PMDB fi­cou no fo­co do com­ba­te à cor­rup­ção. Fi­ca com­pro­me­ti­da a te­se de que a La­va- Ja­to é uma cons­pi­ra­ção con­tra o PT. A de­fe­sa de Lu­la ten­ta no ex­te­ri­or es­pa­lhar es­sa ideia en­tre for­ma­do­res de opi­nião. A du­pla or­dem de pri­são con­tra Ca­bral mos­tra du­as va­ras fe­de­rais uni­das atu­an­do con­tra os mes­mos sus­pei­tos e da mes­ma for­ma. Fi­ca com­pro­me­ti­da a ideia de que se o ca­so saís­se das mãos do juiz Sér­gio Mo­ro se­ria mais fá­cil pa­ra os in­ves­ti­ga­dos. Du­ran­te mui­to tem­po a de­fe­sa dos acu­sa­dos tra­ba­lhou pe­la se­pa­ra­ção de par­tes do pro­ces­so pa­ra que fos­sem le­va­das pa­ra fo­ra de Cu­ri­ti­ba.

Is­so de­ve­ria ser si­nal pa­ra qu­em no Con­gres­so ten­ta apro­var pro­je­tos que li­mi­tam o tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­do­res e juí­zes e abrem a pos­si­bi­li­da­de de anis­tia pa­ra qu­em fez cai­xa dois. Olhem em vol­ta se­nho­res. Es­te não é um tem­po de pro­te­ger seus pa­res. É o mo­men­to em que o país de­ci­diu en­fren­tar com im­pres­si­o­nan­te de­sas­som­bro o ve­lho vício da cor­rup­ção na po­lí­ti­ca. Só o de­ses­pe­ro ex­pli­ca a ten­ta­ti­va de pen­du­rar em pro­je­to de com­ba­te à cor­rup­ção me­di­das pa­ra pro­te­ger cor­rup­tos.

No meio de tu­do is­so, uma no­ta to­tal­men­te fo­ra do tom foi a in­va­são da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos por um gru­po tru­cu­len­to que su­biu na me­sa do ple­ná­rio e gri­tou pe­la vol­ta da di­ta­du­ra. O que es­tá acon­te­cen­do no país é a de­mo­cra­cia en­fren­tan­do ve­lhos pro­ble­mas na­ci­o­nais. Se­rá com a li­ber­da­de, du­ra­men­te con­quis­ta­da, e com as ins­ti­tui­ções que o país ven­ce­rá a cri­se econô­mi­ca e os tor­men­tos po­lí­ti­cos. Ao con­trá­rio de ou­tros ma­ni­fes­tan­tes, que às ve­zes se exal­tam na crí­ti­ca a um pro­je­to ou na de­fe­sa de uma te­se, o gru­po que foi a Bra­sí­lia in­va­dir o Le­gis­la­ti­vo fez a apo­lo­gia de cri­me. O pro­je­to era aca­bar com a pró­pria de­mo­cra­cia. A in­ves­ti­ga­ção pre­ci­sa ser pro­fun­da, e a pu­ni­ção, ri­go­ro­sa.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.