Aci­den­tes de trân­si­to fi­ze­ram Bra­sil per­der R$ 56 bi­lhões, diz pes­qui­sa

Correio da Bahia - - Brasil -

OB­SER­VA­TÓ­RIO O Bra­sil per­deu R$ 56 bi­lhões com a vi­o­lên­cia no trân­si­to em 2014, quan­do 43.780 pes­so­as mor­re­ram – 2% a mais que o nú­me­ro de ví­ti­mas fa­tais do ano an­te­ri­or. Cer­ca de 600 mil pes­so­as fi­ca­ram com se­que­las per­ma­nen­tes em ra­zão dos aci­den­tes. Os da­dos são de le­van­ta­men­to do Ob­ser­va­tó­rio Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça Viá­ria, di­vul­ga­do on­tem. De acor­do com a pes­qui­sa, to­do o va­lor usa­do pa­ra pa­gar os cus­tos com as mor­tes e tra­ta­men­to das ví­ti­mas de aci­den­te de trân­si­to cor­res­pon­de ao to­tal de re­pas­ses do go­ver­no fe­de­ral pa­ra to­dos os Es­ta­dos da re­gião nor­te do País mais os Es­ta­dos do Ma­to Gros­so, Ma­to Gros­so do Sul e Goiás no pe­río­do de um ano. O pro­fes­sor de se­gu­ran­ça viá­ria Jo­sé Ti­a­go Bas­tos, da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Pa­ra­ná (UFPR), res­pon­sá­vel pe­la pes­qui­sa do Ob­ser­va­tó­rio, diz que o va­lor de R$ 56 bi­lhões con­ta­bi­li­za to­do o cus­to so­ci­al com os aci­den­tes de trân­si­to, con­si­de­ran­do des­de o gas­to com o aten­di­men­to mé­di­co (res­ga­te, tra­ta­men­to hos­pi­ta­lar, re­a­bi­li­ta­ção), in­fra­es­tru­tu­ra (con­ser­to de equi­pa­men­tos de trân­si­to da­ni­fi­ca­dos com o aci­den­te e cus­tos do aten­di­men­to da po­lí­cia e bom­bei­ros) até per­das de pro­du­ção (cus­to pre­vi­den­ciá­rio e a im­pos­si­bi­li­da­de do aci­den­ta­do de tra­ba­lhar).

Das 43,7 mor­tes re­gis­tra­das no trân­si­to bra­si­lei­ro em

2014, 7 032 ocor­re­ram em São Paulo, 4.396 em Mi­nas Ge­rais e 3076 no Pa­ra­ná – que são os Es­ta­dos bra­si­lei­ros com mai­or fro­ta de veí­cu­los. Os três Es­ta­dos con­cen­tra­ram em 2014 um ter­ço das mor­tes de trân­si­to. To­das as re­giões do país ti­ve­ram au­men­to nas mor­tes de trân­si­to em 2014. O mai­or foi na re­gião Su­des­te, com au­men­to de 4%, em re­la­ção ao ano an­te­ri­or.

Hou­ve que­da no nú­me­ro de ví­ti­mas fa­tais ape­nas en­tre os pe­des­tres e ci­clis­tas, de 4,5% e 2,6% a me­nos que em 2013. En­tre os au­to­mó­veis, mo­to­ci­cle­tas e ôni­bus hou­ve au­men­to de 1,3% , 2,3% e 32,4%, res­pec­ti­va­men­te no mes­mo pe­río­do.

Pa­ra Jo­sé Au­ré­lio Ra­ma­lho, pre­si­den­te do Ob­ser­va­tó­rio, o au­men­to do nú­me­ro de aci­den­tes de trân­si­to no Bra­sil é pre­o­cu­pan­te. Em dez anos, o País re­gis­trou um au­men­to de 23% de óbi­tos. Em 2004, fo­ram 35 mil mor­tes no trân­si­to. “E nes­se pe­río­do não foi fei­to pra­ti­ca­men­te na­da em ca­rá­ter edu­ca­ci­o­nal pa­ra mu­dar es­sa re­a­li­da­de. Hou­ve au­men­to de fis­ca­li­za­ção e no va­lor da pe­na­li­za­ção, mas is­so não faz mu­dar a per­cep­ção de ris­co dos mo­to­ris­tas”, dis­se Ra­ma­lho.

Pa­ra ele, é pre­ci­so cons­ci­en­ti­zar os mo­to­ris­tas. “As pes­so­as ho­je têm me­do da pe­na­li­za­ção, não das con­sequên­ci­as de um aci­den­te. Is­so tem de mu­dar”, acre­di­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.