O abo­li­ci­o­nis­ta Ser­gio Car­do­zo

Correio da Bahia - - Mais - Nel­son Ca­de­na

Na tar­de de 11 de abril de 1883, uma for­ça po­li­ci­al in­va­diu as ofi­ci­nas da Ga­ze­ta da Tar­de, jor­nal abo­li­ci­o­nis­ta de propriedade de Pân­fi­lo de San­ta Cruz, na Rua das Vas­sou­ras, en­tre a Aju­da e a Chi­le, pa­ra res­ga­tar um mo­le­que es­cra­vo de su­pos­tos 12 anos de ida­de. O ga­ro­to aca­ba­ra de ser “se­ques­tra­do” por mem­bros e sim­pa­ti­zan­tes da re­cém-fun­da­da So­ci­e­da­de Li­ber­ta­do­ra Bai­a­na, ar­ran­ca­do à for­ça das mãos do staff do Ba­rão de Co­te­gi­pe, se­na­dor do Im­pé­rio, no mo­men­to em que em­bar­ca­va no Cais do Ou­ro, ru­mo à ca­pi­tal do país, no pa­que­te in­glês Trent. Um dos mem­bros des­se gru­po era Sér­gio Car­do­zo que re­cé­mes­tre­a­ra no jor­na­lis­mo co­mo re­da­tor prin­ci­pal do “Me­fis­to”, fun­da­do em 17/12/1882, com o le­ma in­cen­diá­rio de Luís Ga­ma: ““To­do es­cra­vo tem o di­rei­to de ma­tar o seu se­nhor e aque­le que não o faz é mi­se­rá­vel”. Nesta se­ma­na em que se co­me­mo­ra a Cons­ci­ên­cia Ne­gra, na­da mais jus­to do que evo­car a me­mó­ria des­te afro­des­cen­den­te nas­ci­do em San­to Ama­ro que não foi ape­nas um mi­li­tan­te abo­li­ci­o­nis­ta ide­o­ló­gi­co, mas um per­so­na­gem atu­an­te, de­sa­fi­an­do, in­clu­si­ve, o sta­tus quo, con­for­me o epi­só­dio aqui re­fe­ri­do. No seu ati­vis­mo ju­ve­nil, Car­do­so an­dou pe­las fa­zen­das do Recôn­ca­vo res­ga­tan­do es­cra­vos, ou in­ter­cep­tan­do o seu em­bar­que.

Li­no Ca­bo­to era o no­me do mo­le­que res­ga­ta­do pe­lo gru­po abo­li­ci­o­nis­ta, es­cra­vo de propriedade de um dos mais in­flu­en­tes po­lí­ti­cos da ter­ra, que pre­ten­dia ofer­tá-lo a um ami­go do Rio de Ja­nei­ro. Pre­sen­te­ar mo­le­ques es­cra­vos era co­mum na­que­le tem­po, a pre­tex­to de for­ta­le­cer la­ços de ami­za­de. No Na­tal e no Ano-No­vo, nes­sas oca­siões, o ”pre­sen­te”, ele pró­prio, por­ta­va uma car­ti­nha de bo­as fes­tas. O fa­to é que Car­do­so, acom­pa­nha­do de Edu­ar­do Ca­ri­gê, Pân­fi­lo de San­ta Cruz, Mar­co­li­no Jo­sé Di­az, Ma­no­el da Cruz e Ma­no­el Ca­ma­rão, im­pe­diu à for­ça o em­bar­que de qua­tro es­cra­vos, den­tre eles, Ca­bo­to. Os ou­tros três eram adul­tos e o des­ti­no de­les

Li­no Ca­bo­to era o no­me do mo­le­que res­ga­ta­do pe­lo

gru­po abo­li­ci­o­nis­ta, es­cra­vo de propriedade de um dos mais in­flu­en­tes

po­lí­ti­cos da ter­ra, que pre­ten­dia ofer­tá-lo a um ami­go do Rio de Ja­nei­ro. Pre­sen­te­ar mo­le­ques es­cra­vos era co­mum na­que­le tem­po, a pre­tex­to

de for­ta­le­cer la­ços de ami­za­de. No Na­tal e no Ano-No­vo, o ”pre­sen­te”, ele pró­prio, por­ta­va uma car­ti­nha de bo­as fes­tas.

era Bel­mon­te.

O epi­só­dio re­per­cu­tiu na im­pren­sa abo­li­ci­o­nis­ta de to­do o país, o Ba­rão de Co­te­gi­pe re­cu­ou de sua in­ten­ção, e Car­do­so ini­ci­a­va as­sim uma bem-su­ce­di­da car­rei­ra de jor­na­lis­ta e ati­vis­ta po­lí­ti­co. Na ca­pi­tal do país foi re­da­tor do Diá­rio de No­tí­ci­as, Jor­nal do Bra­sil, A De­mo­cra­cia, Ci­da­de do Rio (de Jo­sé de Pa­tro­cí­nio) e Diá­rio do Co­mér­cio. Na Bahia foi co­la­bo­ra­dor da Ga­ze­ta da Tar­de; re­da­tor-che­fe de O Pro­pul­sor, de Fei­ra de San­ta­na, na sua fa­se ini­ci­al; fun­dou O Pré­lio, em San­to Ama­ro, e co­la­bo­rou com A Si­ne­ta, tam­bém de San­to Ama­ro, na dé­ca­da de 1910. Vi­veu o bas­tan­te pa­ra se tor­nar um re­pu­bli­ca­no mo­de­ra­do.

Fo­ra a sua ati­vi­da­de jor­na­lís­ti­ca que es­tá a me­re­cer um res­ga­te his­tó­ri­co, Car­do­zo, que era mé­di­co e foi pro­pri­e­tá­rio de uma far­má­cia, es­cre­veu vá­ri­os ro­man­ces, al­guns de­les pu­bli­ca­dos em ca­pí­tu­los nos fo­lhe­tins de ro­da­pé dos jor­nais em que foi as­sí­duo re­da­tor e co­la­bo­ra­dor. Tam­bém exer­ceu o ser­vi­ço pú­bli­co, co­mo juiz fe­de­ral na sua ter­ra na­tal. Mor­reu em 1933, aos 75 anos de ida­de. No ano se­guin­te a seu fa­le­ci­men­to, por ini­ci­a­ti­va da As­so­ci­a­ção Bai­a­na de Im­pren­sa, ABI, uma rua do bair­ro da Li­ber­da­de ga­nhou o seu no­me, ho­je de­no­mi­na­da Ave­ni­da Sér­gio Car­do­zo. Uma justa ho­me­na­gem ao abo­li­ci­o­nis­ta, tí­mi­da, po­rém, di­an­te da im­por­tân­cia do per­so­na­gem.

nca­de­na2006@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.