Se­tor co­me­mo­ra di­vul­ga­ção fo­ra e au­men­to na ocu­pa­ção

Correio da Bahia - - Mais - HILZA CORDEIRO

Ar­tis­tas tam­bém par­ti­ci­pa­ram do lan­ça­men­to e re­for­ça­ram o con­vi­te da ci­da­de. “Sal­va­dor não se ex­pli­ca, se sen­te. A gen­te es­quen­ta mes­mo nesta épo­ca e qu­e­re­mos tra­zer is­so pa­ra São Paulo e já vai cri­an­do a at­mos­fe­ra da coi­sa”, fi­lo­so­fou o can­tor Sau­lo. “O Car­na­val de Sal­va­dor já é uma ce­le­bra­ção, uma fes­ta mui­to im­por­tan­te e me sin­to mui­to fe­liz em fa­zer par­te de­la”, acres­cen­tou Da­ni­e­la Mer­cury.

ANO-NO­VO

Pa­ra o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal do Tu­ris­mo, Éri­co Men­don­ça, o Ano-No­vo se tor­nou um fru­tí­fe­ro mer­ca­do do tu­ris­mo em Sal­va­dor. “A trans­for­ma­ção do Ré­veil­lon e am­pli­a­ção da fes­ta em cin­co di­as for­ta­le­ceu mui­to o se­tor tu­rís­ti­co”, ci­tou.

Mas a fes­ta tam­bém é pen­sa­da pa­ra os de ca­sa, co­mo lem­bra o pre­si­den­te da Em­pre­sa Sal­va­dor Tu­ris­mo (Sal­tur), Isa­ac Eding­ton. “Qu­e­re­mos que o tu­ris­ta che­gue não só pa­ra pas­sar a noi­te do Ré­veil­lon, mas que fi­que a se­ma­na in­tei­ra e ao mes­mo tem­po, re­tar­dar a saí­da do so­te­ro­po­li­ta­no de Sal­va­dor”.

A fes­ta tam­bém ga­nha no­vi­da­des, co­mo por exem­plo o vo­to po­pu­lar, que irá de­ci­dir a atra­ção da vi­ra­da pa­ra 2017. Além dis­so, no iní­cio de de­zem­bro, o pú­bli­co tam­bém po­de­rá es­co­lher en­tre dez ban­das do ce­ná­rio in­de­pen­den­te lo­cal pa­ra ser a pri­mei­ra atra­ção na Pra­ça Cai­ru, no pri­mei­ro dia de fes­ta - 28 de de­zem­bro.

MAIS NO­VI­DA­DES

O pre­fei­to tam­bém apro­vei­tou pa­ra anun­ci­ar que o te­ma do pró­xi­mo Car­na­val se­rá “Ci­da­de da Música”, em ho­me­na­gem ao tí­tu­lo que a ci­da­de re­ce­beu da Unesco. Ne­to dis­se ain­da que a fo­lia tem se tor­na­do mais de­mo­crá­ti­ca com o acrés­ci­mo de atra­ções sem cor­da e mais di­ver­sa, com mo­vi­men­tos co­mo o Fur­dun­ço.

Du­ran­te o even­to, acon­te­ceu tam­bém o lan­ça­men­to do “Xê­ro – Sin­ta Sal­va­dor”, uma es­sên­cia que pre­ten­de cri­ar a iden­ti­da­de ol­fa­ti­va da ci­da­de. A fra­grân­cia se­rá es­pa­lha­da por ho­téis, ae­ro­por­tos, aviões, even­tos e es­pa­ços pú­bli­cos.

Tam­bém foi anun­ci­a­do um even­to cha­ma­do Fes­te­ja Ve­rão, com di­ver­sas atra­ções, pre­vis­to pa­ra 21 de ja­nei­ro, em lo­cal ain­da a ser di­vul­ga­do. Fal­tan­do pou­co mais de 40 di­as pa­ra o Ré­veil­lon, Sal­va­dor já re­gis­tra 60% de ocu­pa­ção ho­te­lei­ra pa­ra os di­as de fes­ta na ci­da­de. De acor­do com Gli­cé­rio Le­mos, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis (Abih), o nú­me­ro é oti­mis­ta, vis­to que no ano pas­sa­do, nes­se mes­mo pe­río­do, a ci­da­de ti­nha 48% dos es­ta­be­le­ci­men­tos ocu­pa­dos. “Quan­do as fes­tas são di­vul­ga­das com an­te­ce­dên­cia, a ocu­pa­ção aca­ba sen­do mais rá­pi­da”, ex­pli­ca ele que, co­mo ou­tros co­le­gas do se­tor, pre­vê um ano com mais vi­si­tan­tes.

Ain­da se­gun­do Le­mos, com o lan­ça­men­to do Car­na­val bai­a­no em São Paulo, de on­de vem a mai­or par­te dos tu­ris­tas, a re­per­cus­são nos nú­me­ros da ocu­pa­ção po­de au­men­tar ain­da mais. “Es­ses even­tos de apre­sen­ta­ção cha­mam aten­ção da mí­dia por lá. Is­so repercute bem por­que pas­sa a ima­gem de que es­ta­mos vi­vos”, co­me­mo­rou. A ex­pec­ta­ti­va do se­tor pa­ra o Ve­rão é de in­cre­men­to de 12% em re­la­ção a 2015.

E tu­do is­so mes­mo com os pre­ços mais sal­ga­dos da es­ta­ção. Se­gun­do o pre­si­den­te do Con­se­lho Mu­ni­ci­pal do Car­na­val e mem­bro na­ci­o­nal da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Agências de Vi­a­gens (Abav), Pedro Cos­ta, nes­sa épo­ca, as pro­mo­ções cos­tu­mam ser cor­ta­das e ado­ta-se o pre­ço nor­mal. Ele ava­lia, por exem­plo, que fo­ra do pe­río­do, o pre­ço de pas­sa­gens aé­re­as fi­ca en­tre 15% e 40% mais ba­ra­to. Na al­ta es­ta­ção, a ho­te­la­ria che­ga a cus­tar três ve­zes mais. “No ce­ná­rio de cri­se econô­mi­ca, o con­su­mi­dor ten­de a pon­de­rar, mas a di­vul­ga­ção das fes­tas aque­ce as ven­das”, ga­ran­te.

De acor­do com o pre­si­den­te, a pro­mo­ção dos even­tos e as mu­dan­ças na pro­gra­ma­ção do Ré­veil­lon e Car­na­val fi­ze­ram au­men­tar em 40% o flu­xo de tu­ris­tas de 2015 pa­ra 2016, con­for­me le­van­ta­men­to fei­to pe­la Abav-BA.

Pa­ra qu­em pla­ne­ja pas­sar o Ano-No­vo por aqui, a di­ca do tra­de tu­rís­ti­co é pes­qui­sar bas­tan­te os pre­ços e fa­zer as re­ser­vas com má­xi­ma an­te­ce­dên­cia. “O cus­to é al­to, mas a ex­pe­ri­ên­cia é ma­ra­vi­lho­sa. Na­da me­lhor do que pas­sar o Ré­veil­lon na ter­ra da ener­gia e da ale­gria. Is­so só a Bahia tem”, ven­de a pro­pri­e­tá­ria do Ho­tel Mar Azul, Re­na­ta Pro­sé­pio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.