Quan­do a te­o­ria en­con­tra a prá­ti­ca

Correio da Bahia - - Esporte -

É in­va­riá­vel que quan­do co­me­ça­mos a as­sis­tir a uma par­ti­da de qual­quer es­por­te, da­mos opi­niões téc­ni­cas so­bre o de­sem­pe­nho de atle­tas. Por ver­mos bas­tan­te de­ter­mi­na­da mo­da­li­da­de, já nos acha­mos bons o su­fi­ci­en­te pa­ra cri­ti­car um pro­fis­si­o­nal por não ter re­a­li­za­do cer­tos mo­vi­men­tos de ma­nei­ra ‘cor­re­ta’. Uma cor­ne­ta que, mui­tas ve­zes, é des­me­di­da. Quan­do re­sol­ve­mos pra­ti­car o es­por­te...

On­tem, pe­la pri­mei­ra vez, ti­ve uma au­la de tê­nis prá­ti­ca. Ra­que­te na mão, pro­fes­so­ra com vas­to co­nhe­ci­men­to e to­me co­nhe­cer de per­to: po­si­ci­o­na­men­to do cor­po, for­ma de se­gu­rar a ra­que­te, for­ma de re­a­li­zar mo­vi­men­tos e ba­ter na bo­li­nha. Vem pra di­rei­ta, uma mão, abre o bra­ço e ba­te. Er­rou? Re­pe­te. E de no­vo.

A qua­dra que pa­re­ce pe­que­na na TV é bem mai­or do que eu pen­sa­va quan­do pre­ci­so cor­rer de um la­do pro ou­tro, pra fren­te e pa­ra trás, pa­ra al­can­çar a bo­la. As­sim co­mo o can­sa­ço após uns 10 mi­nu­tos ba­ten­do bo­la com o co­le­ga Bru­no Qu­ei­roz de­bai­xo do sol das 10h. Dar um sli­ce de ca­nho­ta? Uns dez anos pa­ra apren­der de for­ma cor­re­ta. Acer­tar um bom sa­que? Nem me ar­ris­quei.

Aos pou­cos, vou ten­do no­ções do quan­to um pro­fis­si­o­nal é um es­pe­ci­a­lis­ta só por vi­ver do tê­nis. E ou­tros de­ta­lhes. É im­pres­si­o­nan­te o quan­to é ne­ces­sá­rio an­te­ver os mo­vi­men­tos do seu ri­val pa­ra que vo­cê pos­sa che­gar in­tei­ro na de­vo­lu­ção. E is­so não é pa­ra qual­quer um.

Es­se ti­po de ex­pe­ri­ên­cia é fun­da­men­tal pa­ra ter­mos um pou­co mais de no­ção do que o es­por­tis­ta pas­sa e de co­mo é com­pli­ca­do so­bre­vi­ver em al­to ní­vel. Qu­em pu­der, ex­pe­ri­men­te. As­sim, no pró­xi­mo jo­go de tê­nis que ca­da um de nós acom­pa­nhar na TV, te­re­mos al­go fun­da­men­tal: em­pa­tia.

A qua­dra que pa­re­ce pe­que­na na TV é bem mai­or do que eu pen­sa­va quan­do pre­ci­so cor­rer de um la­do pro ou­tro, pra fren­te e pa­ra trás, pa­ra

al­can­çar a bo­la

BAS­QUE­TE

Não há pa­la­vras pa­ra des­cre­ver a in­dig­na­ção após a sus­pen­são da Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Bas­ket­ball (CBB) pe­la Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal de Bas­que­te (Fi­ba). Aqui nes­sa co­lu­na, já fa­lei di­ver­sas ve­zes dos pro­ble­mas da CBB, fru­to de in­ves­ti­ga­ção do jor­na­lis­ta Fá­bio Ba­las­si­a­no, do Uol.

Até pa­ra qu­em sa­bia da si­tu­a­ção de­plo­rá­vel e de fa­lên­cia imi­nen­te da en­ti­da­de, a car­ta en­vi­a­da pe­la Fi­ba im­pres­si­o­nou. A in­ter­ven­ção já era pa­ra ter acon­te­ci­do há anos e a fe­de­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal tem si­do mais be­ne­vo­len­te que mãe nos úl­ti­mos tem­pos. In­fe­liz­men­te, a ban­da­lhei­ra da CBB res­pin­gou nos clu­bes, prin­ci­pal­men­te, Fla­men­go e Bau­ru, sus­pen­sos da Li­ga das Amé­ri­cas.

Por um la­do, ruim. Por ou­tro, é fru­to da pró­pria au­sên­cia de ati­tu­de de fe­de­ra­ções, clu­bes e atle­tas que dei­xa­ram a si­tu­a­ção che­gar a es­se pon­to mes­mo com to­da a fal­ta de trans­pa­rên­cia e es­tru­tu­ra da CBB. Re­e­le­ge­ram Car­los Nu­nes e apro­va­ram su­as con­tas se­gui­da­men­te (à ex­ce­ção, no úl­ti­mo ano, das fe­de­ra­ções do Ma­ra­nhão, Goiás e Pa­rá). Ou se­ja, a Fe­de­ra­ção Bahi­a­na de Bas­ket­ball, que tam­bém en­fren­ta mons­tru­o­sa di­fi­cul­da­de e vê o es­por­te ser sus­ten­ta­do - pra­ti­ca­men­te - pe­las li­gas lo­cais e as­so­ci­a­ções, ba­teu pal­ma pra tu­do is­so.

Ah, ape­sar do au­men­to subs­tan­ci­al de re­cei­tas da CBB, a dí­vi­da da en­ti­da­de só au­men­tou e, ho­je, é de, por bai­xo, R$ 17,5 mi­lhões. Pa­ra­béns aos en­vol­vi­dos.

FIM DE SE­MA­NA

Meu apren­di­za­do de uma ho­ra de tê­nis se­rá pos­to à pro­va ama­nhã no Pe­ri­ni Chal­len­ger, torneio da mo­da­li­da­de que acon­te­ce no Clu­be Bahi­a­no de Tê­nis, das 9h às 19h. São qua­tro ca­te­go­ri­as e o dia to­do unin­do es­por­te e gas­tro­no­mia. In­gres­sos a R$ 100, all in­clu­si­ve. Cri­an­ças de 6 a 12, que têm pro­gra­ma­ção es­pe­ci­al, pa­gam R$ 70. Abai­xo dis­so, é grátis.

ivan.mar­ques@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.