Re­cla­ma­ções

Correio da Bahia - - Esporte - Moy­sés Su­zart moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

Va­ci­lo de­fen­si­vo é al­vo de crí­ti­cas do ata­can­te Ma­ri­nho; Ar­gel ame­ni­za

6h Judô - Grand Prix de

Qing­dao (Chi­na): Fi­nais

20h30 Vôlei - Su­per­li­ga fe­mi­ni­na: Rio de Ja­nei­ro x São Caetano No ter­cei­ro gol do San­tos, Ma­ri­nho, que já ba­teu bo­ca com Vic­tor Ra­mos con­tra o Atlé­ti­co Pa­ra­na­en­se, pa­re­cia re­vol­ta­do com mais um va­ci­lo do ca­mi­sa 3. Gri­tou, xin­gou e re­cla­mou. No fi­nal da der­ro­ta por 3x2 di­an­te do San­tos, on­tem, Ma­ri­nho che­gou a fa­zer si­nal de que não que­ria fa­lar com a im­pren­sa. Vol­tou atrás, mas res­pi­rou fun­do pa­ra não ser tão po­lê­mi­co quan­to que­ria.

“Nós jo­ga­mos co­mo se fos­se o jo­go das nos­sas vi­das, mas... (pau­sa). Mas va­ci­la­mos da­que­le jei­to, né? Não po­de­mos jo­gar o du­e­lo co­mo se fos­se uma fi­nal e con­ti­nu­ar va­ci­lan­do des­te jei­to. O jei­to ago­ra é pen­sar no Fi­guei­ren­se e ten­tar ven­cer no­va­men­te”, afir­mou o ata­can­te após o jo­go.

Já o técnico Ar­gel Fucks pre­fe­riu ver um jo­go di­fe­ren­te. Pa­ra ele, o Vi­tó­ria foi bri­lhan­te e a de­fe­sa não te­ve cul­pa em ne­nhum gol do San­tos. Na ver­da­de, o cul­pa­do, se­gun­do o trei­na­dor, foi no­va­men­te trio de ar­bi­tra­gem.

“Não ve­jo fa­lhas da de­fe­sa. No pri­mei­ro gol do San­tos, Co­pe­te es­ta­va im­pe­di­do. No se­gun­do, achei pê­nal­ti, mas al­go que po­de acon­te­cer du­ran­te o jo­go. No ter­cei­ro, não vi Vic­tor Ra­mos fa­lhar. Co­pe­te ajei­tou a bo­la com a mão e o juiz não viu. Ti­ve­mos um jo­go bri­lhan­te e fo­mos me­lho­res que o San­tos”, ga­ran­tiu Ar­gel, que gos­tou da exi­bi­ção de to­dos.

Pa­ra o trei­na­dor, o Leão se tor­nou com­pe­ti­ti­vo e a fu­ga do re­bai­xa­men­to é ques­tão de

o tem­po. “Fo­mos me­lho­res que o ad­ver­sá­rio. Dei­xa­mos o San­tos con­fu­so e, se não fos­sem os er­ros de ar­bi­tra­gem, o des­ti­no te­ria si­do di­fe­ren­te. Fo­mos bem e equi­li­bra­dos. Pro­va­mos que po­de­mos en­fren­tar qual­quer ti­me de igual pa­ra igual”, dis­se, con­fi­an­te.

Mes­mo con­ten­te com a exi­bi­ção, Ar­gel pa­re­cia ir­ri­ta­do du­ran­te a en­tre­vis­ta co­le­ti­va. Dis­tri­buiu res­pos­tas rís­pi­das, prin­ci­pal­men­te quan­do per­gun­ta­do so­bre o jo­go con­tra o Pal­mei­ras, na úl­ti­ma ro­da­da. “Não vou fa­lar”, re­su­miu.

As­sis­tên­cia pa­ra o gol de Co­pe­te 3,5

mes­mo

que mar­ca

O me­ni­no es­ta­va per­di­do em cam­po 5

Foi bem, mas não me­re­ce a 10 6

Fi­cou per­di­do no meio-cam­po 5

uns clo­nes?

gol?

Cor­reu mui­to, pro­du­ziu pou­co 5

Só en­trou pa­ra co­me­ter o pê­nal­ti. 4

no fi­nal

5

7Mais do

Dá pa­ra fa­zer

8

On­de es­tá o fa­ro de 6

Fez um gol­zi­nho 6

Mu­dou de­mais, im­pro­vi­sou e viu a equi­pe mais li­mi­ta­da de­fen­si­va­men­te que o ha­bi­tu­al 5

Di­o­go Ma­teus co­me­te pê­nal­ti bo­bo no ata­can­te Co­pe­te, do San­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.