Pós-ver­da­de

Correio da Bahia - - Front Page -

Acom­pa­nhe es­te tex­to até o fi­nal e o se­nhor e a se­nho­ra ve­rão que nes­ses tem­pos mo­der­nos, ca­da ser hu­ma­no, ca­da gru­po po­lí­ti­co, ca­da le­tra­do e ile­tra­do se trans­for­mam num guer­ri­lhei­ro, com sua “Guer­ra de In­for­ma­ções”. Nes­ta era de WhatsApp, Fa­ce­bo­ok, Go­o­gle, tan­tas e ou­tras fer­ra­men­tas de di­vul­ga­ção e ex­pan­são dos fa­tos, a men­ti­ra, a meia ver­da­de vi­ram na es­sên­cia ve­ra­ci­da­de, mes­mo que só pa­ra aque­les que têm in­te­res­se de ou­vir as “ver­da­des” que lhes in­te­res­sam. Con­tra ou­trem. A fa­vor de si.

Pois o di­ci­o­ná­rio de Ox­ford, que to­do ano es­co­lhe uma no­va pa­la­vra pa­ra con­sa­grar, con­sa­grou ago­ra, nes­te fi­nal de 2016 a ex­pres­são “pós-ver­da­de” (post-truth) co­mo a pa­la­vra do ano. Um ad­je­ti­vo que pri­ma pe­lo te­or po­lí­ti­co mar­ca­do pe­lo in­sis­ten­te uso de men­ti­ras com a rou­pa­gem de ver­da­de.

Aque­le que con­se­guiu tra­çar a ca­rac­te­rís­ti­ca da pós-ver­da­de e fa­zer com que ela se des­ta­cas­se e fos­se a gran­de ven­ce­do­ra foi Do­nald Trump com sua cam­pa­nha pa­ra pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, em que a ver­da­de era for­ja­da, des­pe­ja­da e vi­ra­li­za­da de for­ma ab­sur­da. E tam­bém o uso da men­ti­ra por par­te do Uki, par­ti­do bri­tân­ci­co da ex­tre­ma-di­rei­ta, e do prin­ci­pal ar­ti­cu­la­dor Bo­ris John­son quan­do da cam­pa­nha (Bre­xit) da saí­da do Rei­no Uni­do da União Eu­ro­peia.

Mas a pós-ver­da­de ba­te a sua por­ta, na te­li­nha do smartpho­ne, no lap­top, iPho­ne e na me­sa do bar to­da ho­ra. Quem é de es­quer­da no Bra­sil tem su­as ver­da­des ab­so­lu­tas e quem é co­xi­nha tam­bém e a guer­ra de guer­ri­lha de in­for­ma­ções po­de ser vis­ta, por exem­plo, nos gru­pos de jor­na­lis­mos, no­ta­da­men­te nos de fo­ra das re­da­ções. Sem­pre tem al­guém pas­san­do in­for­ma­ções “ve­rí­di­cas” que de­pois se mos­tram co­mo se di­zia no jar­gão jor­na­lís­ti­co ver­da­dei­ras “bar­ri­gas”.

Aí co­e­xis­tem o in­te­res­se po­lí­ti­co e a “cog­ni­ção pre­gui­ço­sa”, co­mo de­tec­tou o psi­có­lo­go e prê­mio No­bel, Da­ni­el Kah­ne­man. Não im­por­ta o que é evi­den­te. Va­le a con­vic­ção. Pa­ra a in­de­fi­ni­da mas­sa me­di­a­na é até acei­tá­vel que ab­sor­vam e re­pas­sem co­mo ver­da­dei­ras o que é pós-ver­da­dei­ro. Mas, quan­do se tra­ta dos pro­fis­si­o­nais da in­for­ma­ção, fi­ca um gos­ti­nho amar­go da fal­ta do bom jor­na­lis­mo, aque­le do in lo­co, do co­te­ja­men­to dos opos­tos, da ve­ri­fi­ca­ção da ori­gem, da sa­cra­li­za­ção da fon­te con­fiá­vel. A pós-ver­da­de é a ver­da­de ins­tan­tâ­nea. Ox­ford de­fi­ne a pa­la­vra co­mo um ad­je­ti­vo em que a re­a­li­da­de per­de pa­ra aqui­lo que a pes­soa acre­di­ta.

No ter­cei­ro quar­to des­te ano, a pa­la­vra ad­qui­riu cor e ca­rá­ter com uma pu­bli­ca­ção da re­vis­ta bri­tâ­ni­ca The Eco­no­mist com o tí­tu­lo: “Ar­te das Men­ti­ras: Po­lí­ti­ca pós-ver­da­de na era das mí­di­as so­ci­ais”. Um exem­plo cla­ro de pós-ver­da­de foi o po­vo ame­ri­ca­no acre­di­tar nas afir­ma­ções de Do­nald Trump que o pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma ti­nha uma cer­ti­dão de nas­ci­men­to fal­sa. Pi­or que a mí­dia ele­trô­ni­ca que é ter­ra de nin­guém, os ta­bloi­des re­pli­ca­ram a “no­tí­cia” sem ve­ri­fi­ca­ção e com­pro­va­ção do fa­to.

É um ca­so tí­pi­co de apli­ca­ção da te­o­ria da “cog­ni­ção pre­gui­ço­sa”, cri­a­da pe­lo psi­có­lo­go e prê­mio No­bel, Da­ni­el Kah­ne­man, pa­ra quem as pes­so­as ten­dem a ig­no­rar fa­tos que de­man­dem es­for­ço men­tal. O na­zis­ta Jo­seph Go­eb­bels re­pe­tia tan­to a men­ti­ra, que vi­ra­va pós-ver­da­de. E ago­ra te­mos mais que men­ti­ra e ver­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.