For­tes na Bar­ra já ti­ve­ram mais de 10 mil vi­si­tan­tes

Correio da Bahia - - Mais - HILZA COR­DEI­RO

An­tes do For­te São Mar­ce­lo, re­cu­pe­ra­do com re­cur­sos fe­de­rais, ou­tros dois for­tes fo­ram re­vi­ta­li­za­dos e en­tre­gues es­te ano à po­pu­la­ção, com in­ves­ti­men­to do mu­ni­cí­pio. Os for­tes San­ta Ma­ria e São Di­o­go, na Bar­ra, fo­ram trans­for­ma­dos em es­pa­ços ar­tís­ti­cos com ex­po­si­ções per­ma­nen­tes do fo­tó­gra­fo Pi­er­re Ver­ger e do ar­tis­ta plás­ti­co Cary­bé, res­pec­ti­va­men­te. Des­de en­tão, mais de 10,4 mil pes­so­as já os vi­si­ta­ram.

No For­te de São Di­o­go, o pú­bli­co po­de con­fe­rir um acer­vo vir­tu­al com obras de Cary­bé exi­bi­das so­bre to­tens e pa­re­des. To­da tec­no­ló­gi­ca, a ex­po­si­ção ain­da tem uma TV que per­mi­te fa­zer pin­tu­ra vir­tu­al e ex­plo­rar am­bi­en­tes com ócu­los de re­a­li­da­de vir­tu­al. O vi­si­tan­te ain­da po­de se di­ver­tir com os fa­mo­sos per­so­na­gens do ar­tis­ta ar­gen­ti­no ra­di­ca­do na Bahia que, mo­de­la­dos em 3D, po­dem ser con­tro­la­dos com o pró­prio cor­po.

Mais vi­si­ta­do, com um pú­bli­co de 6,7 mil pes­so­as, o For­te de San­ta Ma­ria é ago­ra um es­pa­ço em ho­me­na­gem ao fo­tó­gra­fo Pi­er­re Fa­tum­bi Ver­ger. Tam­bém com o uso de tec­no­lo­gia, o lu­gar dis­po­ni­bi­li­za cer­ca de três mil obras do fran­cês que es­co­lheu a Bahia pa­ra vi­ver, com fotos de per­so­na­li­da­des, pai­sa­gens ur­ba­nas, cul­tos afro-bra­si­lei­ros, ci­da­des do in­te­ri­or do es­ta­do, ce­nas co­ti­di­a­nas, en­tre ou­tros. As­sim co­mo no For­te de São Di­o­go, uma par­te des­sas ima­gens po­de ser apre­ci­a­da atra­vés de ócu­los de re­a­li­da­de vir­tu­al. O ar­qui­te­to e pes­qui­sa­dor Chi­co Senna acre­di­ta que a aber­tu­ra à vi­si­ta­ção aju­da a pre­ser­var os es­pa­ços. “Em de­su­so, eles vão à ruí­na. Hoje te­mos um im­por­tan­te acer­vo de ar­qui­te­tu­ra mi­li­tar e is­so é um pa­trimô­nio his­tó­ri­co e ar­qui­tetô­ni­co do Bra­sil”, pon­tu­ou.

Am­bos fun­ci­o­nam to­dos os di­as, ex­ce­to às ter­ças, das 11h às 19h. O in­gres­so cus­ta R$ 20 (in­tei­ra) e R$ 10 (meia) e va­le pa­ra vi­si­ta­ção nos dois for­tes, que fi­cam a cer­ca de 300 me­tros um do ou­tro. Nas quar­tas-fei­ras, a vi­si­ta é gra­tui­ta. Quem não qui­ser vi­si­tar os dois num dia, po­de uti­li­zar o tí­que­te pa­ra vi­si­ta­ção do se­gun­do em um ou­tro dia.

Após ser re­for­ma­do, For­te São Di­o­go exi­be par­te do acer­vo de Cary­bé

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.