O pre­si­den­te ao te­le­fo­ne

Correio da Bahia - - Esporte -

Quin­ta-fei­ra, fal­tam pou­cas ho­ras pa­ra o Vi­tó­ria en­fren­tar o San­tos na Vi­la Bel­mi­ro. To­ca o te­le­fo­ne. A te­la in­di­ca quem li­ga: Rai­mun­do Vi­a­na. O pre­si­den­te do Vi­tó­ria sa­be que, nos úl­ti­mos me­ses, es­ta co­lu­na foi pou­co elo­gi­o­sa so­bre sua ges­tão ou sua con­du­ção do pro­ces­so (na­ti­mor­to) de de­mo­cra­ti­za­ção do Vi­tó­ria. Mas Vi­a­na quer con­ver­sar. Con­ver­sa­mos.

O man­da­tá­rio ru­bro-ne­gro, can­di­da­to à re­e­lei­ção, foi lo­go di­zen­do que não bus­ca­va pa­lan­que elei­to­ral, mas se aqui to­mou tan­ta por­ra­da (in­clu­si­ve na co­lu­na an­te­ri­or), é jus­to que eu lhe dê voz. Ao lon­go de 54 mi­nu­tos, Rai­mun­do Vi­a­na di­re­ci­o­nou sua mi­ra in­con­tá­veis ve­zes pa­ra o an­te­ces­sor no car­go, Car­los Fal­cão. “Um dos ar­re­pen­di­men­tos que te­nho é que, quan­do as­su­mi, dei con­ti­nui­da­de com mem­bros de uma di­re­to­ria for­ma­da por Fal­cão. Di­re­to­res de tu­do que é área. Hoje es­tão to­dos na cha­pa de­le. Fui apu­nha­la­do pe­las cos­tas”, afir­ma.

A “cha­pa de­le”, co­mo se re­fe­re, é a do can­di­da­to à pre­si­dên­cia Ri­car­do Da­vid, que efe­ti­va­men­te é com­pos­ta por mui­tos con­se­lhei­ros que ga­nha­ram es­pa­ço no Vi­tó­ria com Fal­cão na pre­si­dên­cia. Dois des­tes con­se­lhei­ros, va­le lem­brar, fo­ram os res­pon­sá­veis por pe­dir na Jus­ti­ça a anu­la­ção da as­sem­bleia re­a­li­za­da na Are­na Fon­te No­va em de­zem­bro de 2015, quan­do os só­ci­os apro­va­ram a elei­ção di­re­ta no Vi­tó­ria.

Pa­ra Rai­mun­do Vi­a­na, “é um ab­sur­do ao qua­dra­do” que o ru­bro-ne­gro te­nha hoje con­se­lhei­ros que não são só­ci­os (nis­so es­ta­mos em to­tal acor­do). En­tão, ele diz que seu de­se­jo é dei­xar no clu­be o le­ga­do de um Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo for­ma­do por só­ci­os “de to­do ti­po” e “sem fac­ção”. Por is­so - pros­se­gue -, es­tá con­vi­dan­do mui­tos só­ci­os pa­ra sua cha­pa, “mes­mo que nun­ca te­nha to­ma­do um cho­pe ou um ca­fe­zi­nho co­mi­go”. Qu­es­ti­o­no en­tão por que, na pro­pos­ta de re­for­ma es­ta­tu­tá­ria apre­sen­ta­da por ele mes­mo, não es­ta­va pre­vis­ta nem a re­gra de o con­se­lhei­ro ter que obri­ga­to­ri­a­men­te ser só­cio e mui­to me­nos a com­po­si­ção pro­por­ci­o­nal do Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo? “Por­que não ia pas­sar na vo­ta­ção. Eu ten­tei fa­zer uma com­po­si­ção mais pa­la­tá­vel pa­ra con­se­guir apro­var a elei­ção di­re­ta, na do­ce ilu­são de que o gru­po de Fal­cão ia acei­tar, mas ele bar­rou”, res­pon­de o pre­si­den­te, mi­ran­do mais uma vez o an­te­ces­sor.

Ago­ra, Rai­mun­do Vi­a­na ates­ta ser a fa­vor de um Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo pro­por­ci­o­nal, com­pos­to de acor­do com o per­cen­tu­al de vo­tos re­ce­bi­do por ca­da cha­pa, coi­sa que não vai ocor­rer es­te ano. No­ta do co­lu­nis­ta, di­ta a ele: Inês é morta e fi­cou tar­de de­mais pa­ra de­fen­der is­so.

“Fa­ria al­go di­fe­ren­te?”, in­da­go. “Sim”, ele diz. In­de­ci­so en­tre “foi meio pre­ma­tu­ro” e “foi con­tun­den­te de­mais”, Vi­a­na ad­mi­te que as ques­tões en­vol­ven­do a cha­ma­da Are­na Bar­ra­dão po­de­ri­am ter si­do tra­ta­das com mais par­cimô­nia, ain­da que de­fen­da com ên­fa­se a ini­ci­a­ti­va. “Vi­e­ram pra ci­ma por­que ge­rou uma in­ve­ja do ta­ma­nho do Bar­ra­dão”, in­sis­te. So­bre os re­cur­sos já gas­tos, cer­ca de

R$ 1 mi­lhão, ele ar­gu­men­ta que fo­ram ser­vi­ços ne­ces­sá­ri­os pa­ra o pro­je­to pré­vio e que, an­tes do pró­xi­mo pas­so, tu­do se­ria sub­me­ti­do ao Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo. Tam­bém pas­sou da ho­ra.

E den­tro de cam­po? “Atra­sa­mos mui­to na formação do gru­po pa­ra dis­pu­tar a Sé­rie A. Quan­do a gen­te partiu pra is­so, o mer­ca­do já es­ta­va sa­tu­ra­do. Não deu pra re­qua­li­fi­car o elen­co”, en­fim re­co­nhe­ce.

Nes­te pon­to, per­gun­to: ar­re­pen­de-se de ter di­to tan­tas ve­zes que o Vi­tó­ria ti­nha equi­pe pa­ra ser pro­ta­go­nis­ta na pri­mei­ra di­vi­são? Vi­a­na re­fle­te um pou­co an­tes de res­pon­der. “Mi­nha si­tu­a­ção é mui­to di­fí­cil. Sou mui­to pró­xi­mo dos jo­ga­do­res. Ima­gi­ne eu di­zer que o elen­co não é bom, é li­mi­ta­do, e de­pois ir jan­tar com eles? É di­fí­cil”, de­cla­ra o pre­si­den­te ru­bro-ne­gro, que des­li­gou o te­le­fo­ne pa­ra acom­pa­nhar a pre­le­ção do trei­na­dor Ar­gel jun­to ao elen­co. Co­mo se sa­be, o Vi­tó­ria per­deu do San­tos e, gra­ças à in­com­pe­tên­cia do In­ter, es­tá fo­ra da zo­na de re­bai­xa­men­to.

Vi­a­na ates­ta ser a fa­vor de um Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo pro­por­ci­o­nal, com­pos­to de acor­do com o per­cen­tu­al de vo­tos re­ce­bi­do por ca­da cha­pa, coi­sa que não vai ocor­rer es­te ano

vu­fir­mo@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.