O res­to é pai­sa­gem

Correio da Bahia - - Front Page - Moy­sés Su­zart

Va­le brin­car de qua­se tu­do com o tor­ce­dor ru­bro-ne­gro. Me­nos xin­gar a mãe e fa­lar mal de Ma­ri­nho. Não se po­de pro­nun­ci­ar a pa­la­vra Ma­ri­nho em vão. On­tem, na go­le­a­da di­an­te do Fi­guei­ren­se, por 4x0, o ca­mi­sa 7 fez cho­ver. Mul­ti­pli­cou gols pa­ra os ne­ces­si­ta­dos. Deu pas­se pa­ra Willian Fa­ri­as, que não mar­ca­va des­de agos­to. Mul­ti­pli­cou a as­sis­tên­cia pa­ra Ki­e­za tam­bém fa­zer o de­le e aca­bar com o je­jum que o se­guia des­de ou­tu­bro. E, lo­gi­ca­men­te, fez o de­le no­va­men­te. Ele tam­bém é oni­pre­sen­te. On­tem, ele foi quem mais deu pas­se aos com­pa­nhei­ros, com 20, além de do­no das fi­na­li­za­ções, com seis.

Es­te as­tro que ves­te a ca­mi­sa 7 pa­re­ce sal­tar de uma crônica de Nelson Rodrigues, nu­ma afir­ma­ção de que o ti­me, quan­do tem um Ma­ri­nho en­tre os on­ze, os de­mais jo­ga­do­res são ape­nas pai­sa­gens. “Em fu­te­bol, co­mo em tu­do o mais, o cra­que é de­ci­si­vo. Evi­den­te que os on­ze são in­dis­pen­sá­veis. Mas o que le­va pú­bli­co e faz bi­lhe­te­ria é o cra­que”, es­cre­veu o cro­nis­ta e dra­ma­tur­go so­bre a fi­gu­ra do cra­que. E cra­que não é ape­nas com a bo­la nos pés. Ele tem o de­ver mo­ral de ins­pi­rar, de bri­gar, de fa­lar o que não de­via e elo­gi­ar quan­do pre­ci­so. É um che­que em bran­co em su­as mãos. De­pois de al­fi­ne­tar a fal­ta de com­pro­me­ti­men­to de­fen­si­vo no úl­ti­mo jo­go con­tra o San­tos, on­tem o cra­que elo­gi­ou a be­la exi­bi­ção co­le­ti­va. “Não é um 4x0 que nos dei­xa fe­liz, mas a en­tre­ga. Es­se com­pro­me­ti­men­to que a gen­te gos­ta de ver. No jo­go pas­sa­do, er­rou to­do mun­do, foi fa­lha co­le­ti­va. Te­mos que elo­gi­ar e fa­lar quan­do tá er­ra­do. Ho­je, a equi­pe en­trou aqui de­ter­mi­na­da em fa­zer o re­sul­ta­do. Ho­je, es­ta­mos fe­li­zes por es­sa vi­tó­ria”, de­cre­tou Ma­ri­nho. Nes­ta al­tu­ra, ele se tor­nou o ho­mem de con­fi­an­ça de to­do ru­bro-ne­gro. Com ele em cam­po, pa­re­ce que o tor­ce­dor acre­di­ta que a fa­se ruim já pas­sou. Sua pre­sen­ça é ne­ces­sá­ria. Não à toa, Ma­ri­nho aca­bou subs­ti­tuí­do on­tem, no se­gun­do tem­po. Não pe­lo seu de­sem­pe­nho, mas pe­lo fa­to do atle­ta es­tar pen­du­ra­do com dois car­tões ama­re­los.

Ma­ri­nho tam­bém é Car­na­val. No gol de on­tem, fez dan­ci­nha de uma no­va mú­si­ca de Léo San­ta­na. “Bo­tei os me­ni­nos pa­ra en­sai­a­rem uma mú­si­ca no­va de Ma­rio Bra­sil e Léo San­ta­na. É as­sim: ‘ca­be­ça, cin­tu­ra, jo­e­lho e om­bri­nho, qu­e­ro ver to­do no pas­si­nho...”, can­tou o cra­que. De­em um trio elé­tri­co pa­ra es­te ra­paz!

Ma­ri­nho ce­le­bra seu gol

abra­ça­do por Di­e­go Re­nan e

Cár­de­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.