Um pe­di­do de paz

Correio da Bahia - - Vida - PRIS­CI­LA NATIVIDADE

Com pom­bas bran­cas e uma sau­da­ção a Oxa­lá, nem mes­mo a chu­va des­te do­min­go im­pe­diu que os fa­mi­li­a­res e ami­gos de Val­dir Ma­cá­rio ca­mi­nhas­sem dan­do a vol­ta no Di­que do To­ro­ró pa­ra pe­dir paz no Dia da Cons­ci­ên­cia Ne­gra, con­tra a mor­te vi­o­len­ta do ca­be­lei­rei­ro. Val­dir foi mor­to com oito ti­ros den­tro do seu pró­prio sa­lão, no úl­ti­mo sá­ba­do. A ví­ti­ma era co­nhe­ci­da por ser es­pe­ci­a­li­za­do em ca­be­los cres­pos e por ter cons­truí­do sua his­tó­ria no En­ge­nho Ve­lho de Bro­tas.

Se­gun­do in­for­ma­ções da Su­pe­rin­ten­dên­cia de Trân­si­to de Sal­va­dor (Tran­sal­va­dor), cer­ca de 100 pes­so­as par­ti­ci­pam do ato. Elas saí­ram por vol­ta das 11h do sa­lão de Val­dir em di­re­ção ao Di­que. “A pas­se­a­ta é con­tra o que es­tá acon­te­cen­do em Sal­va­dor e no gue­to, com as pes­so­as ne­gras. A gen­te quer cha­mar aten­ção das au­to­ri­da­des pa­ra que fa­tos co­mo es­te, que acon­te­ce­ram com Val­dir não fi­quem im­pu­nes”, afir­mou o ami­go e mo­ra­dor do En­ge­nho Ve­lho, Paulo Cé­sar Sil­va.

“Ele, com cer­te­za, es­tá co­man­dan­do es­ta pas­se­a­ta”, com­ple­tou.

Fun­ci­o­ná­ria do sa­lão, a ca­be­lei­rei­ra Sui­a­ra Bar­re­to foi mais uma que en­gros­sou o co­ro por jus­ti­ça. “Cor­ri atrás do car­ro de­le e pe­di pa­ra ele me aju­dar a con­se­guir um em­pre­go por­que ti­nha uma fi­lha pa­ra cri­ar. Vim pa­ra o sa­lão, ele me deu for­ça e ho­je eu es­tou aqui a mais de cin­co anos cri­an­do mi­nha fi­lha”, con­tou. No mo­men­to, o que fi­ca é sau­da­de, co­mo afir­mou a es­pe­ci­a­lis­ta em me­ga hair do sa­lão e ir­mã de Val­dir, Ara­ni Ma­cá­rio: “Ele pa­gou meu cur­so, ar­ran­jou mui­tos cli­en­tes pa­ra mim. Meu ir­mão foi tu­do”.

Mui­tos ami­gos tam­bém lem­bra­ram com ca­ri­nho de Val­dir, co­mo Si­na­ra Pai­xão. “Ele cor­ta­va meu ca­be­lo de gra­ça lá na por­ta da ca­sa de­le. Ele nun­ca dei­xou eu ali­sar o ca­be­lo da mi­nha fi­lha. Vo­cê não vai achar nin­guém nes­se mun­do que fa­le mal de­le”, lem­bra.

Se­gun­do in­for­ma­ções da Po­lí­cia Mi­li­tar, o cri­me ocor­reu por vol­ta das 19h30, quan­do dois ho­mens ar­ma­dos en­tra­ram com me­tra­lha­do­ras no sa­lão de Val­dir, lo­ca­li­za­do no pri­mei­ro an­dar de um pré­dio, e fo­ram em di­re­ção à ví­ti­ma, de 45 anos. Após os dis­pa­ros, os cri­mi­no­sos fu­gi­ram sem le­var na­da do lo­cal. Dois ou­tros sus­pei­tos aguar­da­vam do la­do de fo­ra em um car­ro. O ca­be­lei­rei­ro aten­dia cli­en­tes no mo­men­to em que foi al­ve­ja­do.

A de­le­ga­da An­dréa Ribeiro, da De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os e Pro­te­ção à Pes­soa (DHPP), con­fir­mou nes­ta na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra (17) que a prin­ci­pal li­nha de in­ves­ti­ga­ção da Po­lí­cia Ci­vil so­bre a mor­te de Val­dir Ca­be­lei­rei­ro é que o cri­me te­nha li­ga­ção com o ir­mão da ví­ti­ma, Re­gi­nal­do, que so­freu um aten­ta­do um mês an­tes. Re­gi­nal­do ain­da es­tá in­ter­na­do e re­la­tou que so­freu ame­a­ças. So­bre o as­sun­to, a fa­mí­lia de Val­dir não quis se ma­ni­fes­tar. “Nos­so pa­pel ho­je é só le­var paz. Quan­to às in­ves­ti­ga­ções, dei­xa­mos pa­ra que o po­der pú­bli­co, que é a quem com­pe­te re­sol­ver”, dis­se uma das ir­mãs de Val­dir, Ide Ma­cá­rio. “To­dos os pro­je­tos de Val­dir vão con­ti­nu­ar”, com­ple­tou.

Ca­mi­nha­da no Di­que mar­cou pe­di­do de jus­ti­ça pe­la mor­te do ca­be­lei­rei­ro Val­dir Ma­cá­rio, mor­to den­tro do seu

sa­lão, no úl­ti­mo sá­ba­do

Ami­gos, cli­en­tes e fa­mi­li­a­res ofer­ta­ram flo­res pa­ra o ca­be­lei­rei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.