24h Ad­vo­ga­dos são pre­sos por aju­dar o PCC

Correio da Bahia - - Brasil -

SÃO PAU­LO Uma ope­ra­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Es­ta­du­al e da Po­lí­cia Ci­vil pren­deu 33 ad­vo­ga­dos sus­pei­tos de co­la­bo­rar com o Pri­mei­ro Co­man­do da Ca­pi­tal (PCC) pa­ra os cri­mes de trá­fi­co de dro­gas, la­va­gem de di­nhei­ro e cor­rup­ção. A ope­ra­ção de­te­ve tam­bém o vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho Es­ta­du­al de De­fe­sa dos Di­rei­tos da Pes­soa Hu­ma­na do Es­ta­do de São Pau­lo (Con­de­pe), Luiz Car­los dos San­tos, acu­sa­do de re­ce­ber pro­pi­na pa­ra fa­zer su­pos­tas de­nún­ci­as fal­sas con­tra a po­lí­cia e o sis­te­ma car­ce­rá­rio pau­lis­ta, e ou­tras du­as pes­so­as.

Dos 36 pre­sos, ape­nas uma ad­vo­ga­da foi sol­ta ain­da on­tem, por meio de um ha­be­as cor­pus. Na ação fo­ram mo­bi­li­za­dos 703 ser­vi­do­res, en­tre po­li­ci­ais e mem­bros do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, além de 167 vi­a­tu­ras da Po­lí­cia Ci­vil. A in­ves­ti­ga­ção co­me­çou há um ano e meio e iden­ti­fi­cou 55 pes­so­as – 41 es­ta­vam em li­ber­da­de – que con­tri­buí­ram pa­ra prá­ti­ca cri­mi­no­sa. Ou­tras 14 pes­so­as são, se­gun­do a Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, lí­de­res do PCC.

Eram ao to­do 41 man­da­dos de pri­são pa­ra se­rem cum­pri­dos. Se­te ad­vo­ga­dos não fo­ram lo­ca­li­za­dos e são con­si­de­ra­dos fo­ra­gi­dos. Ou­tras du­as pes­so­as fo­ram pre­sas em fla­gran­te na ope­ra­ção – o pai de uma ad­vo­ga­da e o ma­ri­do de ou­tra, am­bos por por­te ile­gal de ar­mas. A pri­são do vi­ce-pre­si­den­te do Con­de­pe ocor­reu na sua ca­sa, em Co­tia, re­gião me­tro­po­li­ta­na. Ele se­rá trans­fe­ri­do pa­ra Pre­si­den­te Pru­den­te.

As bus­cas e as pri­sões acon­te­ce­ram em re­giões com al­ta con­cen­tra­ção de pe­ni­ten­ciá­ri­as, co­mo o oes­te pau­lis­ta, on­de exis­tem pre­sí­di­os de se­gu­ran­ça má­xi­ma. Nas ca­sas dos sus­pei­tos fo­ram apre­en­di­dos no­te­bo­oks, ce­lu­la­res e do­cu­men­tos. De acor­do com a in­ves­ti­ga­ção, os ad­vo­ga­dos fa­zi­am par­te da cha­ma­da “sin­to­nia dos gra­va­tas”, em uma re­fe­rên­cia ao ter­no usa­do pe­los ad­vo­ga­dos que da­vam as­sis­tên­cia ju­rí­di­ca aos pre­sos da fac­ção. Es­se aten­di­men­to era ex­clu­si­vo dos in­te­gran­tes da “sin­to­nia fi­na ge­ral”, uma es­pé­cie de cú­pu­la do PCC.

De acor­do com o MPE, os ad­vo­ga­dos se dei­xa­ram co­op­tar e se des­vi­a­ram das prer­ro­ga­ti­vas ju­rí­di­cas pa­ra co­la­bo­rar com a fac­ção em tro­ca de pa­ga­men­tos. Eles si­mu­la­vam vi­si­tas ju­rí­di­cas e ser­vi­am de elo en­tre os pre­sos e os in­te­gran­tes em li­ber­da­de. Em­bo­ra não fos­sem os ad­vo­ga­dos ca­das­tra­dos no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça co­mo de­fen­so­res dos 14 pre­sos, eles afir­ma­vam ser re­pre­sen­tan­tes da­que­les de­ten­tos e as­sim ti­nham aces­so a eles. “Des­sa for­ma, fa­zi­am o ‘le­va e traz’ pa­ra a fac­ção, o que é uma coi­sa ex­tre­ma­men­te gra­ve”, dis­se o se­cre­tá­rio da Se­gu­ran­ça, Má­gi­no Al­ves Fi­lho. A Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil, Se­ção São Pau­lo (OAB-SP), in­for­mou em no­ta que, tão lo­go to­mou co­nhe­ci­men­to da ope­ra­ção, de­ter­mi­nou o acom­pa­nha­men­to pe­la Co­mis­são de Di­rei­tos Hu­ma­nos e Prer­ro­ga­ti­vas Pro­fis­si­o­nais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.