Pac­to Fe­de­ral

Correio da Bahia - - Economia -

O go­ver­no fe­de­ral vai con­ce­der aos es­ta­dos o que te­ria mes­mo que con­ce­der. A in­ter­pre­ta­ção que ha­via fei­to de que a mul­ta da re­pa­tri­a­ção era só da União es­ta­va er­ra­da, e o go­ver­no sa­be dis­so. O fun­do a ser cri­a­do com con­tri­bui­ções das em­pre­sas que re­ce­bem in­cen­ti­vo fis­cal vai ape­nas re­du­zir um pou­co os be­ne­fí­ci­os que es­sas em­pre­sas re­ce­bem. Com me­di­das as­sim, es­tá sen­do fir­ma­do o Pac­to de Austeridade.

Na ver­da­de, os go­ver­na­do­res não fo­ram a Bra­sí­lia pe­dir par­te da mul­ta pa­ga por quem le­ga­li­zou o di­nhei­ro pe­la lei da re­pa­tri­a­ção. Foi apre­sen­ta­do co­mo se fos­se a con­ces­são pa­ra que os es­ta­dos, co­mo con­tra­par­ti­da, fi­zes­sem o ajus­te. Mas não foi bem is­so. Os es­ta­dos já vi­nham ga­nhan­do na Jus­ti­ça, e a Fa­zen­da sa­bia que ha­via per­di­do a briga. Pe­la ma­nei­ra co­mo foi apre­sen­ta­do, fi­cou pa­re­cen­do uma bar­ga­nha que, nes­te ca­so, não hou­ve.

Há um fó­rum per­ma­nen­te de go­ver­na­do­res e era por is­so que es­ta­vam qua­se to­dos on­tem de ma­nhã em Bra­sí­lia. Lo­go no iní­cio do en­con­tro eles ad­mi­ti­ram que era pre­ci­so unir es­for­ços pe­lo ajus­te fis­cal, por­que to­dos es­tão en­fren­tan­do re­sis­tên­cia dos seus fun­ci­o­ná­ri­os às me­di­das de re­du­ção de des­pe­sas. Con­cluí­ram tam­bém que era ne­ces­sá­ria uma pro­pos­ta con­jun­ta com o apoio do go­ver­no fe­de­ral. Os 20 go­ver­na­do­res e re­pre­sen­tan­tes de to­dos os es­ta­dos fi­ze­ram en­tão reu­nião com o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer pa­ra ali­nha­var o acor­do pa­ra o ajus­te es­ta­du­al. To­dos, em mai­or ou me­nor grau, têm di­fi­cul­da­de nas su­as con­tas. Al­guns em me­lhor si­tu­a­ção con­se­gui­rão pa­gar o

13º sa­lá­rio, mas vá­ri­os não têm nem te­rão di­nhei­ro pa­ra re­gu­la­ri­zar a si­tu­a­ção com os seus fun­ci­o­ná­ri­os.

Por is­so, co­me­ça­ram a dis­cu­tir um acor­do que im­po­nha um li­mi­te aos gas­tos es­ta­du­ais. Co­mo não po­dem fa­zer uma emen­da à PEC do te­to de gas­tos — por­que is­so, co­mo ex­pli­cou o mi­nis­tro Hen­ri­que Mei­rel­les, obri­ga­ria a PEC a vol­tar pa­ra a Câ­ma­ra — os li­mi­tes pa­ra des­pe­sas es­ta­du­ais se­rá par­te do Pro­je­to de Lei da re­ne­go­ci­a­ção das dí­vi­das. Es­se PL es­tá com seu subs­ti­tu­ti­vo qua­se pron­to, fei­to pe­lo se­na­dor Armando Mon­tei­ro, e a ele se­rão acres­ci­das as me­di­das de ajus­te das con­tas es­ta­du­ais.

Não hou­ve acor­do en­tre os go­ver­na­do­res so­bre o cor­te dos car­gos em co­mis­são por­que há es­ta­dos que já cor­ta­ram até mais de 20%, ou­tros que não que­rem cor­tar. Por is­so, a ne­go­ci­a­ção so­bre es­se pon­to con­ti­nu­a­rá nos pró­xi­mos di­as. A ideia é es­ta­be­le­cer te­to pa­ra gas­tos de acor­do com a in­fla­ção, exa­ta­men­te co­mo foi fei­to pa­ra o go­ver­no fe­de­ral.

O fun­do es­ta­du­al que se­rá cri­a­do pa­ra re­ce­ber con­tri­bui­ção dos be­ne­fi­ciá­ri­os de isen­ção fis­cal é uma es­pé­cie de des­con­to do des­con­to. Fun­ci­o­na­rá as­sim: em­pre­sa que re­ce­beu re­du­ção de im­pos­to co­mo for­ma de o es­ta­do atrair in­ves­ti­men­to vai ter que con­tri­buir com um mí­ni­mo de 10% do va­lor re­ce­bi­do de re­du­ção de im­pos­tos pa­ra es­se fun­do. O que se ten­ta com es­sa ini­ci­a­ti­va é cor­ri­gir os ex­ces­sos de in­cen­ti­vos con­ce­di­dos du­ran­te a guer­ra fis­cal. Pa­ra atrair in­ves­ti­men­tos, os es­ta­dos de­ram des­con­tos enor­mes e por tem­po pro­lon­ga­do pa­ra mui­tas em­pre­sas. Co­mo es­sas isen­ções não po­dem ser sim­ples­men­te can­ce­la­das, o go­ver­no propôs que se re­ti­ras­se par­te des­se be­ne­fí­cio, obri­gan­do as em­pre­sas a re­co­lher ao fun­do. A so­lu­ção en­con­tra­da pa­ra a Pre­vi­dên­cia é os es­ta­dos apre­sen­ta­rem uma emen­da à PEC do go­ver­no fe­de­ral so­bre es­sa re­for­ma. Um de­ta­lhe: a PEC ain­da não foi vis­ta à luz do dia. Fa­la-se de­la, ago­ra fi­ca-se sa­ben­do que ha­ve­rá até uma emen­da a ela, mas o go­ver­no não a en­ca­mi­nhou ain­da ao Con­gres­so. O pon­to mais im­por­tan­te des­se pac­to de austeridade foi a mu­dan­ça de pos­tu­ra e de dis­cur­so em re­la­ção ao ajus­te fis­cal. Na con­ver­sa, on­tem, en­tre os go­ver­na­do­res, ha­via bem mais con­cor­dân­cia. Não che­gou a ha­ver um con­sen­so, por­que sem­pre há os go­ver­na­do­res da opo­si­ção, com ou­tros ti­pos de vi­são, mas acre­di­ta-se que a mai­o­ria de­ve as­si­nar o acor­do. Mes­mo quem tem que man­ter um dis­cur­so con­tra o ajus­te, por ra­zões par­ti­dá­ri­as, sa­be que as con­tas não es­tão fe­chan­do, que é me­lhor ter es­sa vi­são em con­jun­to do que se­pa­ra­do, por­que o pro­ble­ma é sis­tê­mi­co. O go­ver­no fe­de­ral saiu, on­tem, da sua le­tar­gia e as­su­miu a li­de­ran­ça da bus­ca de uma so­lu­ção pa­ra a gra­ve cri­se dos es­ta­dos.

Os pon­tos-cha­ve

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.