Bahia é lí­der no Bra­sil em nú­me­ro de de­sem­pre­ga­dos

Correio da Bahia - - Mundo - Ju­li­a­na Mon­ta­nha e Thiago Freire mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

A Bahia atin­giu no ter­cei­ro tri­mes­tre do ano (ju­lho a se­tem­bro) a mar­ca de 15,9% de de­sem­pre­ga­dos. Com is­to, pas­sou a li­de­rar (mais uma vez) o ran­king de de­so­cu­pa­ção en­tre os es­ta­dos bra­si­lei­ros. Só que des­ta vez atin­gin­do um per­cen­tu­al iné­di­to na sé­rie his­tó­ri­ca da Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­li­os Con­tí­nua (Pnad Con­tí­nua), me­to­do­lo­gia ini­ci­a­da em 2012 pe­lo Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE).

O ór­gão di­vul­gou on­tem os da­dos mais re­cen­tes do es­tu­do. O re­cor­de an­te­ri­or, 15,8%, foi registrado pe­lo Ama­pá. De acor­do com o le­van­ta­men­to, a Bahia pos­sui 1,151 mi­lhão de de­sem­pre­ga­dos – 22 mil a mais do que va­lor registrado no tri­mes­tre an­te­ri­or, en­tre os me­ses de abril a ju­nho.

A Pnad Con­tí­nua tam­bém co­lo­ca a Bahia co­mo o es­ta­do que pos­sui a mai­or ta­xa de su­bu­ti­li­za­ção da for­ça de tra­ba­lho do país, 34,1% da sua po­pu­la­ção. O in­di­ca­dor é com­pos­to pe­lo con­jun­to de pes­so­as de­sem­pre­ga­das, su­bo­cu­pa­das ou ina­ti­vas, mas com po­ten­ci­al pa­ra tra­ba­lhar (a cha­ma­da for­ça de tra­ba­lho po­ten­ci­al).

Se­gun­do o su­per­vi­sor de Disseminação de In­for­ma­ções do IBGE, An­dré Ur­pia, o con­cei­to de su­bo­cu­pa­ção é um de­ta­lha­men­to das pes­so­as que es­tão ocu­pa­das com um viés re­la­ci­o­na­do à car­ga ho­rá­ria.

“Diz res­pei­to às pes­so­as que tra­ba­lham me­nos de 40 ho­ras, gos­ta­ri­am de tra­ba­lhar mais ho­ras e es­tão dis­po­ní­veis pa­ra is­so. Ou se­ja, sig­ni­fi­ca que da­que­le tra­ba­lha­dor não es­tá sen­do apro­vei­ta­da to­da a ca­pa­ci­da­de de ho­ras que ele po­de­ria ofer­tar”. Ur­pia es­cla­re­ce que o in­di­ca­dor de for­ça de tra­ba­lho em po­ten­ci­al diz res­pei­to às pes­so­as que não bus­ca­ram tra­ba­lho no pe­río­do em ques­tão, mas gos­ta­ri­am de en­con­trar em­pre­go e es­ta­vam dis­po­ní­veis pa­ra tra­ba­lhar.

LUZ NO FIM DO TÚ­NEL

Na Bahia, os se­to­res da cons­tru­ção ci­vil e de alo­ja­men­to e ali­men­ta­ção fo­ram os úni­cos que re­gis­tra­ram crescimento no nú­me­ro de pos­tos de tra­ba­lho em re­la­ção ao tri­mes­tre an­te­ri­or, com o au­men­to de 12 mil e 36 mil em­pre­ga­dos res­pec­ti­va­men­te. Mes­mo com o au­men­to, o nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res da cons­tru­ção ain­da é 4,9% me­nor do que no mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do.

De acor­do com o pre­si­den­te do Sin­di­ca­to da In­dús­tria da Cons­tru­ção do Es­ta­do da Bahia (Sin­dus­con-BA), Car­los Hen­ri­que Pas­sos, o se­tor já se acos­tu­mou com o mo­men­to ruim. “Há mais de um ano que a ca­da mês per­de­mos du­as a três mil va­gas for­mais de em­pre­go. Já não nos sur­pre­en­de. As em­pre­sas vão en­cer­ran­do su­as obras e mui­to pou­cas são ini­ci­a­das”, afir­ma.

Pas­sos atri­bui o mo­men­to ruim à si­tu­a­ção econô­mi­ca do país. “Cons­tru­ção ci­vil vem de in­ves­ti­men­to, se­ja pú­bli­co ou pri­va­do, e sen­ti­mos fal­ta dis­so. Os go­ver­nos es­tão em de­se­qui­lí­brio fis­cal, e com es­sa ta­xa de ju­ros tão al­ta, o se­tor pri­va­do não in­ves­te”, diz.

Pa­ra aju­dar a re­ver­ter o qua­dro ne­ga­ti­vo, a Se­cre­ta­ria de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (SDE) afir­ma es­tar atu­an­do em se­to­res pri­o­ri­tá­ri­os pa­ra a ge­ra­ção de em­pre­gos, co­mo o seg­men­to de ener­gi­as re­no­vá­veis. “Na cons­tru­ção e ope­ra­ção dos par­ques, as­sim co­mo na fa­bri­ca­ção das pe­ças pa­ra o se­tor eó­li­co, se­rão ge­ra­dos em tor­no de 86 mil em­pre­gos di­re­tos”, apon­ta o su­pe­rin­ten­den­te de Pro­mo­ção do In­ves­ti­men­to da SDE, Pau­lo Guimarães. Se­gun­do ele, o se­tor de ener­gia so­lar de­ve ge­rar ou­tras 45 mil va­gas di­re­tas, im­pac­tan­do prin­ci­pal­men­te as ci­da­des do in­te­ri­or do es­ta­do.

12 MI­LHÕES SEM EM­PRE­GOS No Bra­sil, o per­cen­tu­al de de­so­cu­pa­ção de 11,8% tam­bém é o mai­or da sé­rie his­tó­ri­ca da Pnad Con­tí­nua. O nú­me­ro equi­va­le a mais de 12 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos em to­do o país, 436 mil pes­so­as a mais do que o que foi cal­cu­la­do no tri­mes­tre de abril a ju­nho. Na re­gião Nor­des­te, o to­tal de de­sem­pre­ga­dos che­ga a qua­se 3,5 mi­lhões. Já a ta­xa de su­bu­ti­li­za­ção da for­ça de tra­ba­lho na­ci­o­nal no ter­cei­ro tri­mes­tre é de 21,2%. O ín­di­ce te­ve um au­men­to ex­pres­si­vo no com­pa­ra­ti­vo com o mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, quan­do a ta­xa re­gis­tra­da era con­si­de­ra­vel­men­te mais bai­xa: 18,0%.

O pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo do Es­ta­do da Bahia (Fe­co­mér­cio-BA), Car­los An­dra­de, acre­di­ta que fal­ta in­te­res­se do po­der pú­bli­co em re­sol­ver a si­tu­a­ção. “Fi­ca uma si­tu­a­ção caó­ti­ca pa­ra o es­ta­do. Es­se nú­me­ro (de desemprego) é as­sus­ta­dor. O pi­or é que es­ta­mos ven­do um qua­dro de pou­co em­pe­nho por par­te dos go­ver­nos em se pre­o­cu­par com o em­pre­go”. Pa­ra ele, não há in­cen­ti­vo ao con­su­mo, que é o que mo­ve o co­mér­cio. “O di­nhei­ro tá di­fí­cil. A car­ga tri­bu­tá­ria so­be, alu­guel, câm­bio, ju­ros do car­tão de cré­di­to, tu­do so­be”, la­men­ta.

Já o pre­si­den­te da se­ção bai­a­na da Cen­tral Úni­ca dos Tra­ba­lha­do­res (CUT), Ce­dro Sil­va, atri­bui à Ope­ra­ção La­va Ja­to par­te da cul­pa pe­lo au­men­to do desemprego. “Co­me­çou a in­ves­ti­gar a cor­rup­ção, o que não so­mos con­tra, mas pa­rou as mai­o­res em­pre­sas do Bra­sil. So­men­te a Pe­tro­bras ti­nha 350 mil em­pre­ga­dos ter­cei­ri­za­dos, caí­ram pe­la me­ta­de”, exem­pli­fi­ca. “É pre­ci­so que as em­pre­sas vol­tem a as­su­mir con­tra­tos e ge­rar mais em­pre­gos”, su­ge­re.

No es­ta­do, mais de 1,15 mi­lhão de pes­so­as es­tão sem em­pre­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.