O dé­fi­cit de ver­da­de de Te­mer

Correio da Bahia - - Mais -

Mi­chel Te­mer foi à reu­nião do Con­se­lhão e dis­se que o go­ver­no de Dil­ma Rous­seff vi­via com um “dé­fi­cit de ver­da­de”, com “ten­ta­ti­vas de dis­far­çar a re­a­li­da­de”. Es­ta­va num ce­ná­cu­lo on­de 96 no­tá­veis en­fei­ta­vam um even­to inú­til. Pe­la sua com­po­si­ção e pe­las nor­mas do seu fun­ci­o­na­men­to, es­se con­se­lho se­ria mais pro­du­ti­vo se fos­se in­cor­po­ra­do à es­co­la de sam­ba Man­guei­ra, des­fi­lan­do lo­go de­pois das bai­a­nas (70 fi­gu­ran­tes). Ele­va­ria a ta­xa de ce­le­bri­da­des do des­fi­le e da­ria mais no­to­ri­e­da­de aos pas­sis­tas. Es­ta­va va­zia a ca­dei­ra do mi­nis­tro Ged­del Vi­ei­ra Li­ma.

Te­mer fez um dis­cur­so pe­des­tre, in­for­man­do que “a co­mu­ni­ca­ção é fun­da­men­tal”. No me­lhor es­ti­lo do ce­ri­mo­ni­al de Bra­sí­lia, ci­tou no­mi­nal­men­te 26 ilus­tres au­to­ri­da­des na­ci­o­nais pre­sen­tes. Uma de­las, o mi­nis­tro Hen­ri­que Mei­rel­les, es­ta­va ao seu la­do, ame­ni­zan­do um des­con­for­to cer­vi­cal com exer­cí­ci­os fi­si­o­te­rá­pi­cos.

Se­ria mais uma ce­rimô­nia tí­pi­ca de Bra­sí­lia se Te­mer não ti­ves­se jo­ga­do um po­te de pi­men­ta na pró­pria la­ran­ja­da, men­ci­o­nan­do o “dé­fi­cit de ver­da­de” do go­ver­no da dou­to­ra Dil­ma Rous­seff, em cu­ja cha­pa se ele­geu du­as ve­zes. Ba­ter em Dil­ma é amas­sar car­ta que já saiu do ba­ra­lho, mas quan­do o pre­si­den­te diz que “en­ca­rar a ver­da­de é di­fí­cil, é de­li­ca­do, é com­pli­ca­do, é de­sa­gra­dá­vel”, de­ve­ria olhar pa­ra seu go­ver­no e pa­ra a au­sên­cia do mi­nis­tro de sua Se­cre­ta­ria de Go­ver­no.

Na ver­da­de de Ged­del es­tá a afor­tu­na­da tran­sa­ção de um apar­ta­men­to no 23º an­dar de um em­pre­en­di­men­to pa­no­râ­mi­co que só tem au­to­ri­za­ção pa­ra su­bir até o 13º pi­so. Se ele e Te­mer acham que já se ex­pli­ca­ram, o mi­nis­tro po­de­ria ela­bo­rar a res­pos­ta que deu pa­ra ex­pli­car seu ape­go aos R$ 20.354 que re­ce­be co­mo par­la­men­tar apo­sen­ta­do, des­de o seu 51º ani­ver­sá­rio. So­ma­dos aos R$ 33.763 que fa­tu­ra co­mo mi­nis­tro, es­tou­ra o te­to cons­ti­tu­ci­o­nal. Ele acha que na­da há de ile­gal nis­so. Con­tu­do, o pro­cu­ra­dor apo­sen­ta­do Mi­chel Te­mer e o mi­nis­tro Eli­seu Pa­di­lha re­du­zi­ram seus con­tra­che­ques pa­ra res­pei­tar o te­to. Co­mo diz Te­mer, en­ca­rar a ver­da­de é di­fí­cil. Ou ele e Pa­di­lha jo­ga­ram di­nhei­ro pe­la ja­ne­la, ou a ver­da­de de Ged­del é ou­tra.

Dil­ma Rous­seff sem­pre te­ve uma re­la­ção agres­te com a ver­da­de. Ho­je, quem tem es­se dé­fi­cit é ele. Seu ex-mi­nis­tro do Pla­ne­ja­men­to e atu­al lí­der no Se­na­do foi gram­pe­a­do por um cor­re­li­gi­o­ná­rio ar­ti­cu­lan­do uma for­ma de es­tan­car “a san­gria” da La­va Ja­to. O mi­nis­tro do Tu­ris­mo foi-se em­bo­ra de­pois de ter si­do apa­nha­do pe­la Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca. Des­de que o dou­tor en­trou no Pla­nal­to, só um fun­ci­o­ná­rio do go­ver­no foi de­mi­ti­do por má con­du­ta ex­pres­sa. Foi o gar­çom Ca­ta­lão. Acu­sa­ram-no de tui­tar in­for­ma­ções si­gi­lo­sas pa­ra Lu­la. Afir­ma­ção fal­sa por­que o ce­lu­lar de Ca­ta­lão não ti­nha apli­ca­ti­vo pa­ra tui­tar.

É pos­sí­vel que Te­mer acre­di­te nos mi­la­gres da co­mu­ni­ca­ção. Afi­nal ela é “fun­da­men­tal”. Es­sa fé le­va go­ver­nan­tes a acre­di­tar que ver­sões in­ve­ros­sí­meis, even­tos co­re­o­gra­fa­dos co­mo o en­con­tro do Con­se­lhão, com a au­sên­cia es­tra­té­gi­ca de Ged­del, pos­sam fa­bri­car uma re­a­li­da­de pró­pria. Às ve­zes is­so fun­ci­o­na. Sér­gio Ca­bral foi um go­ver­na­dor in­dis­cu­ti­vel­men­te fes­te­ja­do.

Foi até re­e­lei­to com dois ter­ços dos vo­tos. Deu no que deu.

Ba­ter em Dil­ma é

amas­sar car­ta que já saiu do ba­ra­lho,

mas quan­do o pre­si­den­te diz que “en­ca­rar a ver­da­de é di­fí­cil, é de­li­ca­do, é com­pli­ca­do, é de­sa­gra­dá­vel”, de­ve­ria

olhar pa­ra seu go­ver­no e pa­ra a au­sên­cia do mi­nis­tro de sua Se­cre­ta­ria

de Go­ver­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.