O Ba-Vi na Sé­rie A es­tá pró­xi­mo

Correio da Bahia - - Esporte -

De um la­do, tri­co­lo­res a um pon­to de ga­ran­tir a pre­sen­ça na Sé­rie A de 2017. Do ou­tro, ru­bro-ne­gros tam­bém pró­xi­mos do mes­mo ob­je­ti­vo. O ce­ná­rio dos so­nhos, com a dupla Ba-Vi jun­ta na eli­te do fu­te­bol na­ci­o­nal, es­tá bem per­to de ser con­fir­ma­do. Pa­ra is­so acon­te­cer, no en­tan­to, é pre­ci­so ter mui­to mais con­cen­tra­ção e se­ri­e­da­de com a bo­la nos pés nes­ses mo­men­tos de­ci­si­vos.

Sá­ba­do, con­tra o cam­peão Atlético Goi­a­ni­en­se, a equi­pe co­man­da­da por Gu­to Fer­rei­ra pre­ci­sa jo­gar com in­te­li­gên­cia do pri­mei­ro ao úl­ti­mo mi­nu­to, afi­nal, ape­sar de já ter ga­ran­ti­do o aces­so com an­te­ce­dên­cia, os goi­a­nos es­tão lou­cos pa­ra es­tra­gar a fes­ta azul, ver­me­lha e bran­ca. Co­mo man­dan­te, o Atlético tem 77% de apro­vei­ta­men­to, com 13 vi­tó­ri­as, três em­pa­tes e ape­nas du­as der­ro­tas em 18 jo­gos.

Se lem­brar­mos do pri­mei­ro tur­no, quan­do o Bahia ter­mi­nou na 10ª co­lo­ca­ção, com 25 pon­tos, che­gar na úl­ti­ma ro­da­da pre­ci­san­do de um em­pa­te não é um ne­gó­cio ruim. Na­que­la oca­sião, por exem­plo, a di­fe­ren­ça pa­ra o en­tão lí­der Vas­co era de 14 pon­tos. Ho­je, o tri­co­lor es­tá um à fren­te do al­vi­ne­gro ca­ri­o­ca.

E es­sa é a prin­ci­pal van­ta­gem do Bahia em re­la­ção aos seus dois con­cor­ren­tes. Vas­co e Náu­ti­co te­rão uma car­ga psi­co­ló­gi­ca mui­to pe­sa­da pa­ra as par­ti­das con­tra Ce­a­rá e Oes­te, res­pec­ti­va­men­te. As­sis­ti­mos a is­so re­cen­te­men­te em Sal­va­dor nos jo­gos do pró­prio Es­qua­drão, con­tra Sam­paio Cor­rêa e Bra­gan­ti­no. A bo­la fi­ca mais pe­sa­da e os ad­ver­sá­ri­os pa­re­cem cor­rer do­bra­do. De­pois de tan­to so­fri­men­to e ago­nia, che­gou a ho­ra do Bahia usar a ca­be­ça. Da mes­ma for­ma se­rá com o Vi­tó­ria. As­sis­ti a al­guns jo­gos do In­ter­na­ci­o­nal e, a ca­da dia, me con­ven­ço de que o Leão es­tá à fren­te do ri­val gaú­cho tan­to tec­ni­ca­men­te, qu­an­to psi­co­lo­gi­ca­men­te. Na úl­ti­ma ro­da­da, o co­lo­ra­do não con­se­guiu se­quer che­gar ao gol do Co­rinthi­ans com pe­ri­go. O ní­vel de atu­a­ção pés­si­mo, ali­a­do ao pe­so de es­tar nu­ma si­tu­a­ção de­ses­pe­ra­do­ra em uma equi­pe com uma ca­mi­sa tão pe­sa­da, me faz acre­di­tar que o Vi­tó­ria já po­de se li­vrar da de­go­la na pró­xi­ma ro­da­da. Um ti­me co­mo o In­ter, que pas­sou 14 jo­gos sem ven­cer e te­ve qua­tro tro­cas de trei­na­do­res, não me­re­ce per­ma­ne­cer na Sé­rie A.

Ven­cer o Co­ri­ti­ba fo­ra de ca­sa não é ne­nhum de­sa­fio de ou­tro mun­do pa­ra o Vi­tó­ria, ain­da mais quan­do o ad­ver­sá­rio já não tem pre­ten­sões no cam­pe­o­na­to. Além dis­so, o mo­men­to do ata­can­te Ma­ri­nho ser­ve de mo­ti­va­ção pa­ra os ru­bro-ne­gros. Quan­do a bo­la che­ga ne­le, al­gum lan­ce de pe­ri­go é cri­a­do. Lo­go, a es­tra­té­gia não po­de­rá ser di­fe­ren­te. Nos mo­men­tos de di­fi­cul­da­de, os gran­des jo­ga­do­res cos­tu­mam de­ci­dir e o ca­mi­sa 7 já deu pro­vas su­fi­ci­en­tes de que o Vi­tó­ria po­de con­fi­ar ne­le. Com três pon­tos de van­ta­gem e cin­co gols a mais de sal­do, só en­xer­go o Leão na Sé­rie A do ano que vem. Vai ro­lar Ba-Vi!

O Bahia tem que jo­gar com a ca­be­ça. O Vi­tó­ria, com Ma­ri­nho. Vai ro­lar Ba-Vi na Sé­rie A 2017

PALMEIRAS

O Palmeiras es­tá mui­to per­to de con­fir­mar o tí­tu­lo bra­si­lei­ro. Um em­pa­te di­an­te da Cha­pe­co­en­se, em ca­sa, no do­min­go, já ga­ran­te a con­quis­ta. San­tos e Fla­men­go até lu­ta­ram e che­ga­ram a ame­a­çar o lí­der em al­gu­mas oca­siões, mas, na ho­ra em que mais pre­ci­sa­vam do triun­fo, tro­pe­ça­ram. O Por­co, por sua vez, man­te­ve a re­gu­la­ri­da­de du­ran­te to­da a com­pe­ti­ção, prin­ci­pal­men­te na ho­ra de pon­tu­ar. Mes­mo quan­do o ní­vel de atu­a­ção era bai­xo, o Palmeiras sou­be usar a ca­be­ça pa­ra ga­nhar os três pon­tos. A equi­pe, mui­to bem trei­na­da por Cu­ca, apre­sen­tou ao Bra­sil al­guns bons jo­ga­do­res. Gabriel Je­sus, des­ta­que do ti­me e da Se­le­ção Bra­si­lei­ra, me­re­ce ir pa­ra a Eu­ro­pa com es­sa ta­ça no cur­rí­cu­lo. Até o mo­men­to, o ga­ro­to já fez 12 gols no Bra­si­lei­rão. Além de­le, no­mes co­mo o go­lei­ro Jail­son, o meia Moi­sés e o ata­can­te Ró­ger Gu­e­des tam­bém se des­ta­ca­ram. Is­so sem fa­lar no fenô­me­no Zé Ro­ber­to que, aos 42 anos, nos fez mu­dar o pen­sa­men­to que um atle­ta aci­ma dos 30 anos já po­de ser con­si­de­ra­do ve­lho.

mi­ro.pal­ma@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.