Gen­ti­le­za ge­ra trans­for­ma­ção

Correio da Bahia - - Front Page -

Bus­ca­mos ca­da vez mais a in­te­ra­ti­vi­da­de e pas­sa­mos o dia in­tei­ro co­nec­ta­dos a pes­so­as das mais va­ri­a­das localidades. So­mos ca­pa­zes de es­ta­be­le­cer con­ta­to com pra­ti­ca­men­te to­dos os can­tos do pla­ne­ta, a ho­ra que qui­ser­mos. Po­rém, as re­la­ções in­ter­pes­so­ais pró­xi­mas pa­re­cem ca­da vez mais su­per­fi­ci­ais, e, se­guin­do por es­te ca­mi­nho, da dis­tân­cia e in­di­fe­ren­ça, pa­la­vras co­mo cor­te­sia, em­pa­tia e ama­bi­li­da­de pa­re­cem mais além da nos­sa re­a­li­da­de, dia após dia.

Afi­nal, se­rá que a vi­da mo­der­na di­fi­cul­ta re­la­ções com gen­ti­le­za, ou é pos­sí­vel ser uma pes­soa ocu­pa­da, sem abrir mão da de­li­ca­de­za no tra­to com o ou­tro? Co­mo ser gen­til en­quan­to en­fren­ta­mos o trân­si­to caó­ti­co das grandes ci­da­des e o dia a dia tão cheio de ta­re­fas e obri­ga­ções? São tan­tos os mo­ti­vos que po­de­mos fa­cil­men­te nos con­ven­cer de que a fal­ta de cui­da­do com o pró­xi­mo não é nos­sa cul­pa, as­sim co­mo a for­ma co­mo so­mos tra­ta­dos.

Es­ta­mos acos­tu­ma­dos a ver a agres­si­vi­da­de exal­ta­da, con­si­de­ra­da um meio in­dis­pen­sá­vel pa­ra o su­ces­so. É elo­gi­a­do o ho­mem for­te, o exe­cu­ti­vo agres­si­vo, du­ro e ar­ro­gan­te. Se­rá que es­sas ati­tu­des con­quis­tam a con­fi­an­ça alheia e o su­ces­so du­ra­dou­ro?

O que aca­ba­mos es­que­cen­do é que, an­tes de tu­do, o ato de ser gen­til be­ne­fi­cia, mais do que a qual­quer ou­tro, a nós mes­mos. Uma te­o­ria pu­bli­ca­da pe­lo pro­fes­sor Sam Bo­wles, do Ins­ti­tu­to Santa Fé (EUA), cha­ma­da de “so­bre­vi­vên­cia do mais gen­til”, afir­ma que a es­pé­cie hu­ma­na so­bre­vi­veu gra­ças à gen­ti­le­za. Se­gun­do Bo­wles, os gru­pos al­truís­tas co­o­pe­ram e co­la­bo­ram mais pa­ra o bem-es­tar do pró­xi­mo e da co­mu­ni­da­de, a fim de ga­ran­tir a so­bre­vi­vên­cia.

Ou­tro es­tu­do, re­a­li­za­do pe­la pro­fes­so­ra Son­ja Lyu­bo­mirsky, da Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, de­mons­trou tam­bém que a gen­ti­le­za po­de nos dei­xar mais fe­li­zes. Ela pe­diu a um gru­po que pra­ti­cas­se ati­tu­des gen­tis du­ran­te dez se­ma­nas, e ve­ri­fi­cou que a fe­li­ci­da­de au­men­tou con­si­de­ra­vel­men­te no pe­río­do do es­tu­do.

Gen­ti­le­za sig­ni­fi­ca uma boa edu­ca­ção emo­ci­o­nal, apren­di­da e de­sen­vol­vi­da em to­dos os am­bi­en­tes que con­vi­ve­mos. É o bom tra­ta­men­to, uma qua­li­da­de ou ca­rá­ter de al­guém nobre, ge­ne­ro­so, que aju­da a man­ter e for­ta­le­cer os la­ços en­tre as pes­so­as. As pes­qui­sas nos mos­tram que ser gen­til tem uma fi­na­li­da­de pes­so­al e co­le­ti­va, é a pro­va de que quan­do to­ma­mos ati­tu­des em prol do ou­tro, au­to­ma­ti­ca­men­te, e mui­tas ve­zes sem per­ce­ber, re­ce­be­mos de vol­ta o bem que fi­ze­mos.

A te­o­ria do pro­fes­sor Sam Bo­wles po­de ser de­mons­tra­da por bri­gas no trân­si­to, por exem­plo, em lu­ga­res com uma con­cen­tra­ção gran­de de pes­so­as, on­de vi­das se per­dem pe­la sim­ples fal­ta de com­pre­en­são com as ati­tu­des alhei­as. Vi­ve­mos na de­fen­si­va, te­men­do que os ou­tros pos­sam nos ma­chu­car. Mas há di­ver­sas for­mas de se com­pro­var que ati­tu­des mais so­lí­ci­tas e gen­tis só ten­dem a me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da e as re­la­ções in­ter­pes­so­ais. Sa­be­mos, tam­bém, que só te­mos a ga­nhar quan­do pri­vi­le­gi­a­mos a gen­ti­le­za, em vez da bru­ta­li­da­de e ig­no­rân­cia.

A gran­de ca­rac­te­rís­ti­ca da gen­ti­le­za é que ela es­tá pre­sen­te, na mai­o­ria das ve­zes, nas ati­tu­des co­ti­di­a­nas e sim­ples. Ou­vir mais, por exem­plo, ser pa­ci­en­te, justo e so­li­dá­rio, são ati­tu­des sim­ples, mas im­por­tan­tes pa­ra tor­nar uma pes­soa mais pró­xi­ma pe­ran­te a ou­tra. Es­ti­mu­lar a ami­za­de po­de ser uma for­ma de exer­cer a ge­ne­ro­si­da­de e a gen­ti­le­za.

O que nun­ca de­ve­mos es­que­cer é que o po­der de mo­di­fi­car aqui­lo que nos cer­ca es­tá den­tro de nós. Pre­ci­sa­mos ter a cons­ci­ên­cia de que so­men­te nós mes­mos trans­for­ma­re­mos nos­sas vi­das em exis­tên­ci­as mais dig­nas, ver­da­dei­ras e ple­nas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.