Ab­sol­vi­ção his­tó­ri­ca

Correio da Bahia - - Front Page - AMAN­DA PAL­MA

Acu­sa­da de cons­pi­ra­ção con­tra a Co­roa por­tu­gue­sa em 1835, Lui­za Mahin te­ve voz on­tem e pô­de se de­fen­der e ser ab­sol­vi­da das acu­sa­ções. A he­roí­na que tem des­ti­no in­cer­to te­ve a opor­tu­ni­da­de de fa­lar so­bre sua lu­ta e en­fren­tar os ar­gu­men­tos da acu­sa­ção que usou o dis­cur­so do ódio con­tra o po­vo ne­gro pa­ra pe­dir a pe­na de mor­te de­la. “Eu não sei do que me acu­sam, mas sei que não po­dem me acu­sar de ra­cis­mo, de Apartheid, de in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa. Eu não te­nho que pro­var a minha ino­cên­cia. Qu­em acu­sa é qu­em de­ve pro­var”, dis­se ela. A fala, que traz ele­men­tos do que po­de­ria ter si­do di­to pe­la he­roí­na, 181 anos atrás, foi pro­fe­ri­da pe­la atriz Val­di­neia So­ri­a­no, do Ban­do de Te­a­tro Olo­dum, du­ran­te um jú­ri si­mu­la­do no Te­a­tro da Uneb, pro­mo­vi­do pe­la De­fen­so­ria Pú­bli­ca.

A ini­ci­a­ti­va é a pri­mei­ra de uma sé­rie pro­mo­vi­da pe­lo ór­gão, com in­tui­to de res­ga­tar per­so­na­gens im­por­tan­tes da história bai­a­na. Lui­za Mahin foi uma das lí­de­res da Re­vol­ta dos Ma­lês, um mo­vi­men­to que acon­te­ce­ria no dia 25 de ja­nei­ro de 1835, mas que foi des­co­ber­to pe­la po­lí­cia. O gru­po te­ve que en­trar em com­ba­te e aca­bou der­ro­ta­do.

Lui­za e ou­tros lí­de­res con­se­gui­ram es­ca­par. Ela fu­giu pa­ra o Rio de Ja­nei­ro e de­pois de­sa­pa­re­ceu. Por cau­sa da or­ga­ni­za­ção da re­vol­ta, ela foi acu­sa­da de in­sur­rei­ção con­tra a Co­roa, cri­me pre­vis­to na Cons­ti­tui­ção de 1830, já que as reu­niões do gru­po acon­te­ci­am em sua casa. “O que po­de­ria ter na casa de ne­gros, se­não ne­gros?”, dis­se a he­roí­na da re­sis­tên­cia, in­ter­pre­ta­da por Val­di­neia.

En­car­nan­do o pa­pel de acu­sa­ção, a de­fen­so­ra So­raia Ra­mos lem­brou os ar­gu­men­tos que eram usa­dos con­tra os ne­gros que lu­ta­vam pe­la li­ber­ta­ção. “Ela se as­so­ci­ou a es­cra­vos pa­ra pro­mo­ver a li­ber­ta­ção dos ne­gros por meio da for­ça, co­mo for­ma de ex­ter­mi­nar to­dos os bran­cos”, dis­se a de­fen­so­ra, en­quan­to lia seus ar­gu­men­tos. “Os se­nho­res mui­to bons dei­xa­vam que ela, ne­gra li­ber­ta, tra­ba­lhas­se em su­as casas e de­pois ela foi in­gra­ta. Usou de tu­do is­so pa­ra cons­pi­rar”, com­ple­tou o dis­cur­so acu­sa­tó­rio.

Pa­ra a ba­cha­re­la em Di­rei­to Ca­ro­li­na Di­as, 22 anos, que foi as­sis­tir ao jú­ri, os ar­gu­men­tos usa­dos pe­la acu­sa­ção re­pre­sen­tam o pen­sa­men­to ra­cis­ta que ain­da exis­te na so­ci­e­da­de. “Foi cho­can­te a fala da acu­sa­ção, mas in­fe­liz­men­te ain­da é re­a­li­da­de que al­gu­mas pes­so­as pen­sam as­sim. O nos­so sis­te­ma cri­mi­nal é ra­cis­ta tam­bém. Achei es­sen­ci­al es­sa ini­ci­a­ti­va pa­ra que a gen­te co­nhe­ça a nos­sa história”, ana­li­sou.

Já o de­fen­sor pú­bli­co Raul Pal­mei­ra fi­cou res­pon­sá­vel por fa­zer a de­fe­sa de Lui­za Mahin. Ele lem­brou de mo­men­tos do mas­sa­cre que acon­te­ceu du­ran­te a Re­vol­ta, co­mo os 200 ne­gros mor­tos em fren­te ao Quar­tel de Água de Me­ni­nos e as hu­mi­lha­ções às quais os es­cra­vi­za­dos eram sub­me­ti­dos. “Os ne­gros se­quer ti­nham di­rei­to de usar gar­fo e fa­ca nas re­fei­ções. Ti­nham que co­mer de mão pa­ra que os uten­sí­li­os não fos­sem usa­dos co­mo ar­mas con­tra os pa­trões”, des­cre­veu ele, du­ran­te a de­fe­sa.

Após o jú­ri, a se­cre­tá­ria es­ta­du­al de Po­lí­ti­cas pa­ra as Mu­lhe­res (SPM), Olí­via San­ta­na, res­sal­tou a im­por­tân­cia da ini­ci­a­ti­va. “Pre­ci­sa­mos con­tar a história da re­sis­tên­cia. Não dá pa­ra con­ti­nu­ar nos em­pan­tur­ran­do de his­tó­ri­as so­bre os ven­ce­do­res. É pre­ci­so dar voz aos ven­ci­dos, é pre­ci­so que a so­ci­e­da­de te­nha o di­rei­to de sa­ber da tra­je­tó­ria de fi­gu­ras co­mo Luís Ga­ma, Lui­za Mahin, Ze­fe­ri­na, Ma­ria Fe­li­pa”, co­men­tou.

Ela lem­brou ain­da que as mu­lhe­res são ain­da mais ex­cluí­das dos do­cu­men­tos his­tó­ri­cos. “As mu­lhe­res ne­gras são as que fo­ram mais le­sa­das, no que diz res­pei­to ao di­rei­to à me­mó­ria”, des­ta­cou a ti­tu­lar da SPM.

A atriz Val­di­neia So­ri­a­no con­cor­da. “Eu não sei se tem a ver com jus­ti­ça, mas com re­co­nhe­cer es­ses he­róis nos­sos e uma he­roí­na co­mo Lui­za. Os he­róis, os már­ti­res ti­ve­ram ir­mãs, mães, e a gen­te não fala das mu­lhe­res. Eu acho que o pro­je­to res­ga­ta is­so, a va­lo­ri­za­ção da mulher ne­gra”, opi­nou ela.

Se­gun­do Raf­son Xi­me­nes, sub­de­fen­sor pú­bli­co-ge­ral do es­ta­do, a ideia do pro­je­to sur­giu pa­ra dar vi­si­bi­li­da­de a mo­men­tos da história de re­sis­tên­cia bai­a­na. “A gen­te per­ce­beu que a po­pu­la­ção tem pou­co co­nhe­ci­men­to dos lí­de­res po­pu­la­res. En­tão, pen­sa­mos em um even­to que cha­mas­se a po­pu­la­ção pa­ra ter co­nhe­ci­men­to da história do nos­so po­vo, da exis­tên­cia de li­de­ran­ças ne­gras, po­bres, in­dí­ge­nas, e ca­da bai­a­no po­der olhar e se or­gu­lhar”, ex­pli­cou o sub­de­fen­sor.

Pa­ra a se­cre­tá­ria es­ta­du­al de Pro­mo­ção da Igual­da­de Ra­ci­al (Se­pro­mi), Fá­bia Reis, a ini­ci­a­ti­va da De­fen­so­ria con­tri­bui pa­ra di­vul­gar o mo­vi­men­to fe­mi­nis­ta ne­gro. “Pa­ra a gen­te é de uma im­por­tân­cia fan­tás­ti­ca, que mos­tra to­do esforço de mo­vi­men­to ne­gro fe­mi­nis­ta, re­a­fir­man­do a figura de Lui­za Mahin, e que pos­sa des­per­tar na ca­be­ça dos jo­vens o ima­gi­ná­rio des­sa con­tri­bui­ção, pa­ra que ti­vés­se­mos ho­je a de­mo­cra­cia no Bra­sil”, de­cla­rou a ti­tu­lar da Se­pro­mi.

Jú­ri si­mu­la­do de Lui­za Mahin, acu­sa­da de in­sur­rei­ção con­tra a Co­roa por­tu­gue­sa, ocor­re 181 anos de­pois

Val­di­neia So­ri­a­no dá vi­da a Lui­za Mahin, he­roí­na da re­sis­tên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.