Lis­ta dos er­ros

Correio da Bahia - - Economia -

Os er­ros do go­ver­no Te­mer vão mi­nan­do a pou­ca con­fi­an­ça que re­a­pa­re­ceu lo­go após o fim do go­ver­no Dil­ma. O ca­so do mi­nis­tro Ged­del Vi­ei­ra Li­ma mos­tra fal­ta de en­ten­di­men­to bá­si­co. Nin­guém po­de usar um car­go pú­bli­co pa­ra tra­tar de ques­tões de seu in­te­res­se pes­so­al. É sim­ples, não é no­vo, é cri­me ti­pi­fi­ca­do e faz par­te do con­jun­to de com­por­ta­men­tos de au­to­ri­da­des que es­tá ator­men­tan­do a vi­da do país. Um mi­nis­tro que gas­ta mais tem­po se ex­pli­can­do e pe­din­do que o ava­li­zem não tem con­di­ções de con­du­zir a es­pi­nho­sa ar­ti­cu­la­ção com o Con­gres­so. Ele foi apa­nha­do em um ca­so de trá­fi­co de in­fluên­ci­as e de­mons­trou se­quer ter en­ten­di­do o que fez de er­ra­do. Aliás, es­sa di­fi­cul­da­de cog­ni­ti­va foi ge­ral. Pre­si­den­tes da Câ­ma­ra e do Se­na­do saí­ram em so­cor­ro do mi­nis­tro Ged­del com ar­gu­men­tos que zom­bam da nos­sa in­te­li­gên­cia. Um de­les é o de que o ex-mi­nis­tro Mar­ce­lo Ca­le­ro não te­ria en­ten­di­do a con­ver­sa. En­ten­deu sim e ex­pli­cou mui­to bem ao país. Lí­de­res dos par­ti­dos da ba­se as­si­na­ram ma­ni­fes­to em fa­vor de Ged­del. Di­an­te de tan­to pres­tí­gio, o go­ver­no afir­mou que o as­sun­to es­ta­va su­pe­ra­do. Com is­so, de­sau­to­ri­zou a Co­mis­são de Éti­ca Pú­bli­ca. Se es­tá su­pe­ra­do, o que faz a Co­mis­são de Éti­ca? De­põe con­tra o go­ver­no o ar­gu­men­to de que, co­mo a so­lu­ção aca­bou sen­do téc­ni­ca, o pro­ble­ma não exis­te. Se é pre­ci­so ex­pli­car, a es­sa al­tu­ra, que is­so é trá­fi­co de in­fluên­ci­as, fi­ca re­al­men­te com­pli­ca­do.

Ou­tro er­ro co­me­ça a ser en­sai­a­do na pro­pos­ta de no­va lei da re­pa­tri­a­ção. O se­na­dor Ro­me­ro Ju­cá eli­mi­nou a proi­bi­ção de que pa­ren­tes dos po­lí­ti­cos pos­sam fa­zer par­te do pro­gra­ma. A ve­da­ção foi in­cluí­da na lei por mo­ti­vos tão ób­vi­os e cris­ta­li­nos que tam­bém não pre­ci­sam ser ex­pli­ca­dos.

O go­ver­no Te­mer des­pa­chou o mi­nis­tro da In­dús­tria e Comércio Ex­te­ri­or, Mar­cos Pe­rei­ra, pa­ra Ge­ne­bra, pa­ra de­fen­der os in­cen­ti­vos fis­cais apro­va­dos pe­lo go­ver­no Dil­ma pa­ra a in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­ti­ca bra­si­lei­ra. Es­sas isen­ções e be­ne­fí­ci­os fa­zem par­te do con­jun­to de po­lí­ti­cas de­sas­tra­das que exau­riu os co­fres pú­bli­cos. Uma das me­di­das é a que dá ao ex­por­ta­dor 3% do va­lor ex­por­ta­do. O país es­tá cor­tan­do gas­tos es­sen­ci­ais e quer bri­gar na OMC pe­lo di­rei­to de dar di­nhei­ro a ex­por­ta­dor de car­ro? Fran­ca­men­te. Des­de que co­me­çou a fa­se in­te­ri­na do go­ver­no, as au­to­ri­da­des têm fa­la­do que en­vi­a­rão ao Con­gres­so uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, mas a co­mu­ni­ca­ção ofi­ci­al pa­re­ce se­guir o ro­tei­ro so­bre co­mo fa­zer pa­ra ela fra­cas­sar. To­das as más no­tí­ci­as fo­ram an­te­ci­pa­das a con­ta-go­tas, sem qual­quer esforço pa­ra con­ven­cer o país da ne­ces­si­da­de des­sas mu­dan­ças. Com o avi­so pré­vio dos in­te­res­ses que se­rão fe­ri­dos, a co­a­li­zão da re­sis­tên­cia vai au­men­tan­do. Até ago­ra a re­for­ma não foi en­vi­a­da ao Con­gres­so. As au­to­ri­da­des que es­tão no co­man­do des­se pro­ces­so se apo­sen­ta­ram pre­co­ce­men­te. Ged­del acu­mu­la a apo­sen­ta­do­ria de de­pu­ta­do com o sa­lá­rio de mi­nis­tro e ga­nha aci­ma do te­to cons­ti­tu­ci­o­nal, mas dis­se que não abri­rá mão dis­so por­que se­ria “um sim­bo­lis­mo ruim”. Ele in­ver­teu a ló­gi­ca. Sim­bo­lis­mo ruim é um mi­nis­tro que ga­nha aci­ma do te­to cons­ti­tu­ci­o­nal co­man­dar a ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca pa­ra apro­var te­to pa­ra as des­pe­sas públicas. As re­a­ções con­tra a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia sem­pre ocor­rem quan­do o as­sun­to sur­ge, mas a di­nâ­mi­ca po­pu­la­ci­o­nal do país é in­com­pa­tí­vel com a ida­de com que gran­de par­te dos bra­si­lei­ros se apo­sen­tou ou pla­ne­ja se apo­sen­tar. A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia não é de di­rei­ta, nem de es­quer­da, é uma im­po­si­ção da vi­da. As pes­so­as vi­vem mais, há pro­por­ci­o­nal­men­te me­nos jo­vens e cri­an­ças e a equa­ção tem que ser re­fei­ta. Se­rão vá­ri­as re­for­mas nas pró­xi­mas dé­ca­das.

O equi­lí­brio das con­tas públicas exi­ge o com­ba­te às van­ta­gens con­ce­di­das a cer­tas ca­te­go­ri­as ou cor­po­ra­ções pro­fis­si­o­nais. O Bra­sil te­rá que es­co­lher o que fa­zer com o di­nhei­ro pú­bli­co, por is­so pre­ci­sa de ca­da vez mais trans­pa­rên­cia so­bre que des­ti­no se­rá da­do aos im­pos­tos pa­gos pe­los con­tri­buin­tes. Es­sa é uma agen­da ines­ca­pá­vel, mas que fe­re in­te­res­ses. Por is­so é nor­mal que se ques­ti­o­ne a co­e­rên­cia da au­to­ri­da­de que es­tá pro­pon­do a mu­dan­ça. A herança dei­xa­da pe­lo go­ver­no Dil­ma foi pe­sa­da, mas só se­rá en­fren­ta­da se o go­ver­no Te­mer não se per­der no seu pró­prio la­bi­rin­to. E é o que co­me­ça a acon­te­cer.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.