‘Tra­gé­dia anun­ci­a­da’, diz pai de fun­ci­o­ná­ria

Correio da Bahia - - Mais -

Pa­ra o mes­tre de obras Jo­sé Vi­ei­ra de Ma­tos, o in­cên­dio não foi um aci­den­te. Ele é pai de Cris­ti­a­ne da Sil­va Ma­tos, 30 anos, fun­ci­o­ná­ria da far­má­cia que fi­cou fe­ri­da. “Es­sa foi uma tra­gé­dia anun­ci­a­da. A minha fi­lha me dis­se que a obra es­ta­va ocor­ren­do des­sa for­ma e eu dis­se pa­ra ela que, co­mo es­ta­vam tra­ba­lhan­do com sol­da, aqui­lo era um bar­ril de pól­vo­ra, por con­ta do material de PVC. Pe­di que ela tra­ba­lhas­se nos cai­xas da fren­te e, se ti­ves­se qual­quer coi­sa, ela cor­res­se”, con­tou.

Ele dis­se ain­da que há um mês foi con­sul­ta­do pa­ra fa­zer a re­for­ma, que acon­te­cia on­tem em um me­za­ni­no da far­má­cia. A obra é de ma­nu­ten­ção e, se­gun­do ele, en­vol­via a es­tru­tu­ra do pré­dio. Ele avi­sou aos res­pon­sá­veis que só iria fa­zer a obra se o lo­cal fos­se fe­cha­do. “Era pe­ri­go­so”, ex­pli­cou. Ou­tra pes­soa foi, en­tão, con­tra­ta­da, e a obra co­me­çou, com os fun­ci­o­ná­ri­os e cli­en­tes no an­dar de bai­xo, nor­mal­men­te.

In­co­mo­da­do com o an­da­men­to da re­for­ma, Jo­sé con­tou ao COR­REIO que foi, na se­gun­da-fei­ra, na De­fe­sa Ci­vil de Ca­ma­ça­ri, pa­ra de­nun­ci­ar a si­tu­a­ção. A re­por­ta­gem ten­tou en­trar em con­ta­to com a as­ses­so­ria da Pre­fei­tu­ra de Ca­ma­ça­ri, sem su­ces­so, pa­ra con­fir­mar o re­ce­bi­men­to da de­nún­cia.

O motorista Se­bas­tião Pe­rei­ra Ra­mos, 65 anos, con­tou que foi ao lo­cal on­tem, por vol­ta das 10h30, e per­ce­beu al­go er­ra­do. Se­gun­do ele, ha­via cer­ca de 30 pes­so­as na fi­la. “A ge­ren­te da far­má­cia es­ta­va pu­xan­do as pes­so­as pa­ra se afas­ta­rem da re­gião do fun­do, por­que es­ta­vam cain­do pin­gos de fo­go da sol­da no chão. Che­guei a si­na­li­zar que aqui­lo era pe­ri­go­so. Por que a far­má­cia não es­ta­va fe­cha­da?”, ques­ti­o­nou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.