Sem a mú­si­ca não exis­ti­ria vi­da!

Correio da Bahia - - Front Page -

A mú­si­ca é a for­ma mais pu­ra e har­mo­ni­o­sa que Deus en­con­trou nos sons e si­lên­cio da na­tu­re­za pa­ra cri­ar a mais be­la ar­te do uni­ver­so! A mú­si­ca é ca­paz de trans­for­mar o tem­po, o ra­ci­o­cí­nio, a ló­gi­ca, a vi­da!...

Pro­va­vel­men­te, a his­tó­ria da mú­si­ca con­fun­de-se com a pró­pria his­tó­ria da in­te­li­gên­cia evo­lu­ti­va, da cul­tu­ra do ser hu­ma­no. Um sá­bio dis­se que den­tro to­das as “ar­tes”, a mú­si­ca é con­si­de­ra­da a ar­te da re­pre­sen­ta­ção, por ser su­bli­me, por­que ela é a ar­te do es­pe­tá­cu­lo, do so­be­ra­no!

A mú­si­ca é cul­tu­ra, edu­ca­cão, emo­ção, é hu­ma­na, faz par­te da vi­da. Não exis­te lu­gar no mun­do, ci­vi­li­za­ção, co­mu­ni­da­de que não pos­sua algum tipo de ma­ni­fes­tão mu­si­cal. Pe­ne­tre nos ca­fun­dós do Ama­zo­nas, De­ser­to do Sa­a­ra, no in­fi­ni­to do uni­ver­so e en­con­tra­rá algum tipo de som. O ser hu­ma­no não so­bre­vi­ve sem o som mu­si­cal!

Co­mo se­ria a fes­ta sem mú­si­ca, o ci­ne­ma sem o fun­do mu­si­cal? Co­mo se­ria a vi­da sem Ro­ber­to e sua tur­ma nas jo­vens tar­des de do­min­go? João não te­ria Tom por­que a Bos­sa No­va não exis­ti­ria! Ca­e­ta­no, Gal não se­ri­am tro­pi­ca­lis­tas, co­mo tam­bém não te­ría­mos o Sam­ba do Ze­ca, o Axé de Ive­te, de Brown, o Ser­ta­ne­jo de Ze­zé, o Pa­go­de do Har­mo­nia. Co­mo se­ria a vi­da sem as re­cor­da­ções do Rock de El­vis, dos Be­a­tles e do Reg­gae de Mar­ley? As com­po­si­ções ines­que­cí­veis de Be­etho­ven, Ba­ch, Cho­pin, Mo­zart, cer­ta­men­te que sem a mú­si­ca não exis­ti­ria a vi­da e se, por aca­so, ela in­sis­tis­se, se­ria um er­ro, por­que até as ár­vo­res, plan­tas, flo­res mor­re­ri­am!, e o mun­do se­ria ári­do, só areia, pe­dras, ro­chas e po­ei­ras!

A mú­si­ca por pi­or que pos­sa pa­re­cer ao ou­vi­do de al­guém, na ver­da­de, ela pro­duz to­dos os sen­ti­men­tos de re­fle­xão, de afe­to por al­gu­ma coi­sa, so­bre­tu­do, amor por al­guém. A sa­be­do­ria lem­bra que as ma­tas se­ri­am mui­to si­len­ci­o­sas se só can­tas­sem os pás­sa­ros de can­tos mais bo­ni­tos, por is­so, é fá­cil com­pre­en­der que to­dos os ti­pos de mú­si­ca têm o seu va­lor!

Des­de pe­que­no, dur­mo, acor­do, an­do, em ca­sa, no car­ro, bar, fes­ta, on­de quer que eu es­te­ja, a mú­si­ca me acom­pa­nha. Ela é ab­so­lu­ta aos ou­vi­dos! A mú­si­ca ali­via a mi­nha al­ma, faz-me re­lem­brar, sor­rir, cho­rar, dan­çar, até can­tar. Aflo­ram sen­ti­men­tos que es­ti­mu­lam a mi­nha ener­gia e con­fun­dem meu co­ra­ção. Mo­ti­va-me à fes­ta e ele­va o meu ra­ci­o­cí­nio. A mú­si­ca pe­ne­tra no âma­go da mi­nha al­ma, de­vo­ran­do-me, nu­ma lin­gua­gem que, às ve­zes, a ra­zão não com­pre­en­de!...

O po­e­ta diz que na mú­si­ca o pró­prio si­lên­cio tem rit­mo, que a cor é a mú­si­ca dos olhos, e quan­do o artista usa a pin­tu­ra pa­ra trans­for­mar o es­pa­ço em tem­po, a mú­si­ca trans­for­ma o tem­po em es­pa­ço, por is­so ela é o ali­men­to do amor, e o amor é a ra­zão da vi­da. Sha­kes­pe­a­re, no mo­men­to de es­plên­di­da sa­be­do­ria, dis­se que o ho­mem que não pos­sui a mú­si­ca em si mes­mo, que não se emo­ci­o­na com a su­a­ve har­mo­nia dos sons, es­tá ma­du­ro pa­ra a trai­ção, o rou­bo, a per­fí­dia. Sua in­te­li­gên­cia é mor­na co­mo a noi­te, su­as as­pi­ra­ções só­bri­as co­mo o ere­bo, por is­so des­con­fia de tal ho­mem! E An­ton Tchekhov dis­se que “a mú­si­ca e o vi­nho sem­pre fo­ram pa­ra ele um mag­ní­fi­co sa­ca-ro­lha”. Eu, co­mo aman­te dos dois, afir­mo que não exis­te jun­ção me­lhor pa­ra ali­vi­ar ou ar­ra­sar má­go­as de amor do que vi­nho e mú­si­ca.

Não pos­so ima­gi­nar a vi­da sem mú­si­ca!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.