Tre­mo­res da de­la­ção

Correio da Bahia - - Economia -

Vo­lá­til co­mo a bol­sa em dia ner­vo­so, o iní­cio da as­si­na­tu­ra do acor­do de de­la­ção da Ode­bre­cht pas­sou a quar­ta-fei­ra to­da os­ci­lan­do. Ha­via mo­men­tos em que tu­do pa­re­cia pron­to, e em se­gui­da sur­gia um no­vo im­pas­se. On­tem de ma­nhã já se sa­bia que se­ria no­va­men­te adi­a­do. O que vi­rá de­pois vai de­fi­nir a so­bre­vi­vên­cia econô­mi­ca da mai­or em­prei­tei­ra do país.

Nes­se acor­do de de­la­ção, o mai­or de que se tem no­tí­cia, com 77 de­la­to­res, ela pa­ga­rá a mai­or mul­ta do mun­do cor­po­ra­ti­vo. Tu­do no ca­so Ode­bre­cht tem es­ca­la tão iné­di­ta que é di­fí­cil me­dir as con­sequên­ci­as, mas se na po­lí­ti­ca é cha­ma­da de “de­la­ção do fim do mun­do”, na eco­no­mia po­de ser a chan­ce de re­cu­pe­ra­ção da em­pre­sa, ain­da que não se­ja ago­ra, mas no fu­tu­ro. Após o fim da as­si­na­tu­ra, a em­pre­sa di­vul­ga­rá nos mai­o­res jor­nais um co­mu­ni­ca­do em que não po­de­rá di­zer que es­tá ce­le­bran­do o acor­do de de­la­ção, por­que ele não es­ta­rá ho­mo­lo­ga­do, mas vai re­co­nhe­cer er­ros, pe­dir des­cul­pas à so­ci­e­da­de e es­ta­be­le­cer com­pro­mis­sos fu­tu­ros. Um de­les se­rá o no­vo con­tra­to de conformidade, com o qual a em­pre­sa pre­ten­de im­pe­dir que se re­pi­ta o que qua­se a le­vou à des­trui­ção.

Ho­je, con­cre­ta­men­te, o es­to­que de pro­je­tos con­tra­ta­dos da Cons­tru­to­ra Ode­bre­cht caiu 33%, de US$ 34 bi­lhões pa­ra US$ 22 bi­lhões em dois anos. O pro­ble­ma é que qua­se não há pro­je­tos en­tran­do. A Mo­ody’s tem um in­di­ca­dor que me­de o flu­xo de con­tra­ta­ções so­bre as obras em exe­cu­ção. E pe­la pri­mei­ra vez há me­nos con­tra­ta­ções do que obras sen­do exe­cu­ta­das, in­di­can­do que o flu­xo de cai­xa de­ve con­ti­nu­ar cain­do.

O que adi­ou o as­si­na­tu­ra no acor­do de de­la­ção foi o im­pas­se so­bre quan­to da mul­ta vai pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, on­de a cons­tru­to­ra tam­bém co­me­teu cri­mes. Ape­sar dis­so, re­cen­te­men­te, ela ga­nhou um pe­que­no con­tra­to no país. É ape­nas um pro­je­to de am­pli­a­ção e me­lho­ria no sis­te­ma de ba­ga­gens do Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal de Mi­a­mi, de US$ 180 mi­lhões, mas foi em agos­to, um ano de­pois da pri­são de Mar­ce­lo Ode­bre­cht, quan­do o mun­do já ha­via de­sa­ba­do so­bre a em­pre­sa.

— Mes­mo com a cri­se, a Ode­bre­cht con­ti­nua sen­do a mai­or em­pre­sa de en­ge­nha­ria e cons­tru­ção da Amé­ri­ca La­ti­na. Den­tro des­ses US$ 22 bi­lhões que a em­pre­sa tem de pro­je­tos con­tra­ta­dos, 23% es­tão no Bra­sil, cer­ca de US$ 5 bi­lhões, o res­to, em ou­tros paí­ses — dis­se a ana­lis­ta sê­ni­or da Mo­ody’s Cris­ti­a­ne Sper­cel. A clas­si­fi­ca­do­ra de ris­co dá à Ode­bre­cht a no­ta Caa1, um dos pi­o­res ní­veis, e a em­pre­sa po­de ser de no­vo re­bai­xa­da se os ava­li­a­do­res con­si­de­ra­rem que há no­vos ris­cos de­cor­ren­tes do pro­ces­so ju­di­ci­al. Se a em­pre­sa dei­xar de pu­bli­car os re­la­tó­ri­os au­di­ta­dos anu­ais, po­de ha­ver uma ace­le­ra­ção da dí­vi­da, aler­ta um re­la­tó­rio da Mo­ody’s. Ou se­ja, a dí­vi­da pas­sa a ser co­bra­da em pra­zos mais cur­tos.

A Ode­bre­cht vai con­ti­nu­ar di­mi­nuin­do e mui­tas ame­a­ças ain­da pai­ram so­bre a com­pa­nhia, mas ela po­de, a par­tir des­se acor­do, co­me­çar a re­es­tru­tu­rar su­as ati­vi­da­des. Com a de­la­ção pre­mi­a­da e, prin­ci­pal­men­te, o acor­do de le­ni­ên­cia, a em­pre­sa tem es­pe­ran­ças de que o se­tor de Óleo e Gás pos­sa vol­tar a dis­pu­tar pro­je­tos na Pe­tro­bras, por­que re­cen­te­men­te a An­dra­de Gu­ti­er­rez te­ve si­nal ver­de. As em­pre­sas do gru­po que es­tão di­re­ta­men­te en­vol­vi­das na La­va-Ja­to são a Cons­tru­to­ra Ode­bre­cht e a En­ge­nha­ria In­dus­tri­al.

Os ana­lis­tas de mer­ca­do ava­li­am que com o acor­do ela ba­te no fun­do do po­ço e tem uma chan­ce de se re­cu­pe­rar, o que não ha­via an­tes quan­do a estratégia de de­fe­sa da com­pa­nhia era ape­nas ne­gar e con­fron­tar a Jus­ti­ça. Ava­li­am ain­da que ela tem con­di­ções de pa­gar a mul­ta. Mas con­si­de­ram que o ris­co de no­vas ações ju­di­ci­ais no Bra­sil e em ou­tros paí­ses per­ma­ne­ce al­to. Os pro­ble­mas da em­pre­sa nos EUA im­pe­dem o aces­so ao mer­ca­do de cré­di­to, e no Bra­sil ela não fez qual­quer con­tra­to em qua­se dois anos. Co­mo se­rá a sua vol­ta ao mer­ca­do de obras pú­bli­cas? Por en­quan­to, a dú­vi­da nem se co­lo­ca por­que a re­ces­são econô­mi­ca e a cri­se fis­cal pa­ra­li­sa­ram obras no Bra­sil.

O tre­mor mai­or na eco­no­mia ocor­reu no mo­men­to da pri­são do pre­si­den­te e her­dei­ro da em­pre­sa. O tre­mor mai­or na po­lí­ti­ca vai acon­te­cer a par­tir da di­vul­ga­ção do que con­ta­ram os 77 exe­cu­ti­vos so­bre os cri­mes que co­me­te­ram em con­luio com po­lí­ti­cos e agen­tes pú­bli­cos. Mes­mo as­sim, a eco­no­mia vi­ve­rá os pró­xi­mos me­ses em so­bres­sal­tos com as re­ve­la­ções.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.