Dois cor­pos iden­ti­fi­ca­dos; cri­an­ça en­tre ví­ti­mas

Correio da Bahia - - Mais -

A iden­ti­da­de de ape­nas dois dos no­ve mor­tos já foi con­fir­ma­da, até a noi­te de on­tem. Uma de­las é Cris­ti­a­na do Nas­ci­men­to de Sou­za, 39 anos, úl­ti­ma a ser re­ti­ra­da dos es­com­bros, às 5h de on­tem. No pes­co­ço, o cra­chá da far­má­cia Pa­gue Me­nos. Além dis­so, seu ros­to não foi quei­ma­do, o que pos­si­bi­li­tou a iden­ti­fi­ca­ção da fa­mí­lia. “Até as 21h de on­tem (an­te­on­tem) a gen­te es­ta­va cor­ren­do pe­los hos­pi­tais pro­cu­ran­do por ela”, con­ta o en­ca­na­dor Car­los Al­ber­to de Sou­za, 34, ir­mão da ví­ti­ma. Cris­ti­a­na se­rá en­ter­ra­da ho­je, às 11h, no Ce­mi­té­rio Jar­dim da Eter­ni­da­de, em Ca­ma­ça­ri. Se­gun­do o IML, a se­gun­da ví­ti­ma é Ta­ti­a­ne Ri­bei­ro Men­des, 34, mas não há in­for­ma­ções so­bre o lo­cal e ho­rá­rio do en­ter­ro.

Ou­tra ví­ti­ma que de­ve ser iden­ti­fi­ca­da ra­pi­da­men­te é a me­ni­na de 9 anos. “Ela não tem RG, en­tão não há co­mo fa­zer iden­ti­fi­ca­ção por di­gi­tal. Mas pro­va­vel­men­te a fa­mí­lia vai con­se­guir re­co­nhe­cer e o cor­po é li­be­ra­do”, ex­pli­cou o di­re­tor do IML, Má­rio Câ­ma­ra. A me­ni­na não te­ve mui­tas quei­ma­du­ras, pro­va­vel­men­te por­que uma mu­lher ten­tou pro­te­gê-la. “Elas es­ta­vam agar­ra­das. A mu­lher em uma po­si­ção de pro­te­ção da cri­an­ça”, diz o ma­jor La­nus­se Araú­jo, co­man­dan­te do 10º GBM.

Se­gun­do o di­re­tor do IML, os ou­tros se­te cor­pos es­tão bas­tan­te car­bo­ni­za­dos. “In­fe­liz­men­te, eles não têm con­di­ções de se­rem re­co­nhe­ci­dos pe­las fa­mí­li­as. Vão ter que aguar­dar a iden­ti­fi­ca­ção pa­ra a gen­te sa­ber quem é quem e en­tre­gar aos seus pa­ren­tes”, in­for­mou Câ­ma­ra. Os pa­ren­tes que pos­suí­rem fi­cha odon­to­ló­gi­ca de uma pos­sí­vel ví­ti­ma, po­dem le­var ao IML. “Nes­se ca­so, a iden­ti­fi­ca­ção por ar­ca­da den­tá­ria é rá­pi­da, en­tre­ga­mos no mes­mo dia”, ga­ran­tiu Câ­ma­ra. Sem is­so, a iden­ti­fi­ca­ção dos se­te te­rá que ser fei­ta por ne­cro­pa­pi­los­co­pia (atra­vés de di­gi­tais) ou pe­lo DNA, o que po­de le­var se­ma­nas, no pri­mei­ro ca­so, ou me­ses, no se­gun­do.

“Ne­cro­pa­pi­los­co­pia é um pro­ces­so es­pe­ci­a­li­za­do de re­cu­pe­rar im­pres­sões di­gi­tais de cor­pos já mui­to de­gra­da­dos. É pre­ci­so lim­par, rei­dra­tar e re­com­por a pe­le da re­gião, é de­mo­ra­do”, ex­pli­cou ele, ci­tan­do ain­da que a iden­ti­fi­ca­ção por DNA cos­tu­ma de­mo­rar ain­da mais, es­pe­ci­al­men­te nos cor­pos car­bo­ni­za­dos. Se­gun­do Câ­ma­ra, dos se­te cor­pos mui­to car­bo­ni­za­dos, ape­nas um apa­ren­ta ser ho­mem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.