Em­pre­ga­dos re­la­ta­ram te­mer obra e pre­ten­di­am de­nun­ciá-la

Correio da Bahia - - Mais -

A obra na far­má­cia on­de ocor­reu a tra­gé­dia, an­te­on­tem, ge­ra­va pre­o­cu­pa­ção nos fun­ci­o­ná­ri­os. Ami­ga da ope­ra­do­ra de cai­xa Li­di­a­ne Ma­ce­do, a em­pre­sá­ria Li­di­a­ne Sou­za con­tou que a fun­ci­o­ná­ria já ti­nha re­cla­ma­do. “Não foi uma re­for­ma pe­que­na. No do­min­go, ela con­tou que es­ta­va pen­san­do em de­nun­ci­ar por cau­sa da ma­nei­ra que es­ta­va sen­do fei­ta”. A ví­ti­ma com­par­ti­lha­va o te­mor com os co­le­gas. “O ma­ri­do de­la me con­tou que ela es­ta­va con­ver­san­do com ou­tra fun­ci­o­ná­ria e as du­as dis­se­ram: ‘es­sa obra não vai dar o que pres­te’”, lem­brou.

Ain­da de acor­do com a em­pre­sá­ria, a ami­ga al­mo­ça­va na hora da ex­plo­são. “Ela es­ta­va al­mo­çan­do, no an­dar de ci­ma, on­de es­ta­va acon­te­cen­do a obra”, dis­se.

Pedro Li­ma, fun­ci­o­ná­rio de uma lo­ja vi­zi­nha, dis­se que um bo­ti­jão de gás de co­zi­nha era uti­li­za­do na ma­nu­ten­ção. “No mo­men­to em que a gen­te foi ten­tar aju­dar, já ti­nham uns fun­ci­o­ná­ri­os do la­do de fo­ra e eles es­ta­vam co­men­tan­do que a ma­nu­ten­ção do ar-con­di­ci­o­na­do es­ta­va usan­do um ma­ça­ri­co aco­pla­do a um bo­ti­jão de gás, e não um gás apro­pri­a­do pa­ra is­so. Aí va­zou o gás e quan­do saiu o fo­go do ma­ça­ri­co, ex­plo­diu”, re­la­tou Pedro.

Pai de uma fun­ci­o­ná­ria que se fe­riu, o mes­tre de obras Jo­sé Vi­ei­ra in­for­mou que ha­via de­nun­ci­a­do a si­tu­a­ção. Ape­sar dis­so, a pre­fei­tu­ra dis­se não ha­ver re­gis­tro de de­nún­cia nem na Se­dur nem na De­fe­sa Civil so­bre a obra.

Pa­ren­tes bus­cam in­for­ma­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.