A im­pren­sa la­va­da a ja­to

Correio da Bahia - - Mais - Nel­son Ca­de­na

On­de nós er­ra­mos? Es­ta é a per­gun­ta que os pro­fis­si­o­nais da im­pren­sa de­ve­ri­am se fa­zer to­dos os di­as, se­não pa­ra mi­ti­gar as cul­pas, num ato de sin­ce­ro ar­re­pen­di­men­to, pe­lo me­nos pa­ra cons­truir um ponto de re­fle­xão em tor­no do pa­pel omis­so da mí­dia na in­ves­ti­ga­ção dos gra­ves acon­te­ci­men­tos ocor­ri­dos no país nos úl­ti­mos anos, ora re­ve­la­dos pe­la cha­ma­da Re­pú­bli­ca de Cu­ri­ti­ba. Se a im­pren­sa é “os olhos e ou­vi­dos da na­ção”, co­mo Ruy Bar­bo­sa um dia a de­fi­niu com pro­pri­e­da­de, nes­se epi­só­dio co­nhe­ci­do co­mo a La­va Ja­to a im­pren­sa na­da viu e na­da ou­viu e se viu e ou­viu con­sen­tiu. A mí­dia foi con­ve­ni­en­te­men­te sur­da e ce­ga.

An­tes de en­trar no as­sun­to, per­mi­tam-me in­tro­du­zir aqui um ou­tro ponto de re­fle­xão. Cu­ri­ti­ba foi du­ran­te dé­ca­das o mer­ca­do tes­te das gran­des em­pre­sas. Ne­nhum fa­bri­can­te de pro­du­tos de con­su­mo se aven­tu­ra­va a um lan­ça­men­to sem an­tes pas­sar pe­lo tes­te da pra­ça re­fe­ri­da. A par­tir de es­tu­dos de ten­dên­ci­as re­a­li­za­dos ava­li­ou-se que a ca­pi­tal do Pa­ra­ná era a ci­da­de do país que me­lhor re­pre­sen­ta­va o per­fil do bra­si­lei­ro pa­drão, e re­pre­sen­ta­va mes­mo. O que da­va cer­to em Cu­ri­ti­ba da­va cer­to no res­to do país, e se da­va er­ra­do, o lan­ça­men­to do pro­du­to era abor­ta­do.

Lem­bro dis­so quan­do vejo que o pa­drão de jus­ti­ça cri­a­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Pa­ra­ná e pe­lo juiz Sér­gio Mo­ro, sem me­do de de­nun­ci­ar e in­di­ci­ar os po­de­ro­sos e que deu cer­to em Cu­ri­ti­ba, já tem cor­res­pon­den­tes no Rio de Ja­nei­ro (as­sis­ti­mos se­ma­na pas­sa­da a pri­são de dois ex-go­ver­na­do­res) e tam­bém em Bra­sí­lia e São Paulo, por en­quan­to. Lo­go mais te­re­mos em ou­tras pra­ças e, en­quan­to is­so, nos res­ta ape­nas tor­cer pa­ra que o pro­du­to “com­ba­te à cor­rup­ção” de fa­to pros­pe­re.

Mas, co­mo ia di­zen­do, a im­pren­sa viu e foi omis­sa. Ci­to um exem­plo. A mí­dia no­ti­ci­ou ao lon­go dos pre­pa­ra­ti­vos da Co­pa do Mun­do e das Olim­pía­das do Rio de Ja­nei­ro o su­per­fa­tu­ra­men­to das qua­dras e obras de in­fra­es­tru­tu­ra e ain­da das are­nas em to­do o país; no­ti­ci­ou tam­bém a na­tu­re­za es­pú­ria de al­guns con­tra­tos ce­le­bra­dos en­tre o BNDES e as em­prei­tei­ras; fa­re­jou o es­cân­da­lo do es­tá­dio do Co­rinthi­as; per­ce­beu o es­que­ma que o ben­di­to mar­ke­ting ofi­ci­al de­no­mi­nou co­mo le­ga­do. E aca­bou no de­le­ga­do. A im­pren­sa viu e ou­viu e se omi­tiu. Na­da mais fez do que no­ti­ci­ar, sem mai­or des­ta­que, e não cum­priu o seu pa­pel in­ves­ti­ga­ti­vo. Tor­nou-se cúm­pli­ce nes­se pro­ces­so.

Fo­ra os even­tos es­por­ti­vos, com in­ves­ti­ga­ções ain­da na eta­pa ini­ci­al, ou­tros acon­te­ci­men­tos que a La­va Ja­to nos re­ve­la ho­je com mais evi­dên­ci­as, já eram do co­nhe­ci­men­to da mí­dia, fo­ram abor­da­dos em no­tas plan­ta­das nos jor­nais, ou por algum ar­ti­cu­lis­ta me­lhor in­for­ma­do. Às ve­zes des­men­ti­dos, as ve­zes não, e nem era ne­ces­sá­rio pa­ra não re­per­cu­tir co­mo re­co­men­dam as as­ses­so­ri­as de co­mu­ni­ca­ção, nes­sas ho­ras. A im­pren­sa abriu mão de in­ves­ti­gar, de de­cu­par a pau­ta que nem pau­ta che­gou a ser. Op­tou por dei­xar no cam­po das in­ten­ções pa­ra não se in­dis­por com as au­to­ri­da­des, ou ver ame­a­ça­da, ou di­mi­nuí­da a co­ta da ver­ba de publicidade ofi­ci­al, des­ti­na­da ao veí­cu­lo.

Vá­ri­as ra­zões in­con­fes­sá­veis po­dem ser aqui ar­ro­la­das pa­ra a omis­são da mí­dia em re­la­ção à La­va Ja­to e ou­tros even­tos co­ne­xos, mas en­tre as con­fes­sá­veis des­ta­co a in­ca­pa­ci­da­de da im­pren­sa bra­si­lei­ra de apro­fun­dar os fa­tos, vol­ta­da pa­ra o ime­di­a­tis­mo da no­tí­cia, nu­ma es­qui­zo­frê­ni­ca re­la­ção com as re­des so­ci­ais. Não se tra­ta de res­sus­ci­tar o New Jour­na­lism com a sua exa­ge­ra­da do­se de li­te­ra­tu­ra na nar­ra­ti­va, mas de ir além da no­ta sol­ta, ou da me­ra es­pe­cu­la­ção. Não bas­ta di­zer que há in­dí­ci­os de su­per­fa­tu­ra­men­to, ou sus­pei­tas de ir­re­gu­la­ri­da­des e aguar­dar os re­le­a­ses ofi­ci­ais. O pa­pel da im­pren­sa é in­ves­ti­gar e in­for­mar o lei­tor: quem su­per­fa­tu­rou, o quê, on­de, quan­do e por quê?

A im­pren­sa viu e ou­viu e se omi­tiu. Na­da mais fez do que no­ti­ci­ar, sem mai­or des­ta­que, e não cum­priu o

seu pa­pel in­ves­ti­ga­ti­vo. Tor­nou-se cúm­pli­ce nes­se

pro­ces­so

nca­de­na2006@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.