Um pré­dio em Sal­va­dor

Correio da Bahia - - Economia -

A que­da do ex-mi­nis­tro Ged­del reduziu um pou­co o cli­ma de ten­são que ha­via che­ga­do ao au­ge na quin­ta-fei­ra, mas o epi­só­dio mos­trou uma sucessão de er­ros e des­vi­os. Na ho­ra de se de­fen­der, o go­ver­no se com­pli­cou e exi­biu uma ina­cei­tá­vel mis­tu­ra en­tre pri­va­do e pú­bli­co. O país em cri­se, e o Pla­nal­to mo­bi­li­za­do por um pré­dio em Sal­va­dor.

Há uma di­nâ­mi­ca nas cri­ses co­mo a do ex-mi­nis­tro Ged­del. Qu­an­do o go­ver­no de­mo­ra a de­mi­tir um mi­nis­tro en­vol­vi­do em um es­cân­da­lo, o as­sun­to en­tra no Pa­lá­cio do Pla­nal­to e se trans­for­ma em tur­bu­lên­cia no pró­prio go­ver­no. Nes­te ca­so, foi mais gra­ve pe­la re­ve­la­ção do ex-mi­nis­tro Ca­le­ro de que o pre­si­den­te Te­mer en­trou no as­sun­to pa­ra pres­si­o­ná-lo a li­be­rar o imó­vel em­bar­ga­do pe­lo Ins­ti­tu­to do Pa­trimô­nio His­tó­ri­co. As­sim, nem mes­mo a de­mis­são de Ged­del Vi­ei­ra Li­ma re­sol­ve com­ple­ta­men­te o pro­ble­ma.

Se­gun­do o por­ta-voz do pre­si­den­te, Ale­xan­dre Pa­ro­la, Te­mer se en­vol­veu por­que que­ria “so­lu­ci­o­nar im­pas­se na sua equi­pe e evi­tar con­fli­tos en­tre seus mi­nis­tros”. Pre­si­den­tes fa­zem is­so, cla­ro, mas qu­an­do a di­vi­são é so­bre uma ques­tão de Es­ta­do. O que le­vou Te­mer a jo­gar a sorte do seu go­ver­no na de­fe­sa do in­te­res­se par­ti­cu­lar de um dos seus mi­nis­tros é um mistério, mas re­ve­la-se nes­te ca­so um qua­dro as­som­bro­so: o pre­si­den­te, o mi­nis­tro-che­fe da Ca­sa Ci­vil, um as­ses­sor da Pre­si­dên­cia se mo­bi­li­za­ram na de­fe­sa de um in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio do en­tão mi­nis­tro da Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, qu­an­do de­ve­ri­am es­tar to­dos tra­ba­lhan­do pa­ra ad­mi­nis­trar a mai­or cri­se da his­tó­ria do Bra­sil.

Es­ta se­ma­na apro­fun­dou-se a cri­se po­lí­ti­ca. Ela tem vá­ri­as di­men­sões, e uma é o di­vór­cio en­tre a so­ci­e­da­de e os seus re­pre­sen­tan­tes no Con­gres­so. Na Câ­ma­ra, es­tá sen­do ur­di­da, com a li­de­ran­ça do pró­prio pre­si­den­te da Ca­sa, a apro­va­ção de uma me­di­da de pro­te­ção dos po­lí­ti­cos acu­sa­dos de Cai­xa 2 elei­to­ral. O que pi­o­ra o ca­so é o sim­bo­lis­mo de es­se per­dão es­tar sen­do pen­du­ra­do no pro­je­to de ini­ci­a­ti­va po­pu­lar pa­ra com­ba­ter a cor­rup­ção, que car­re­ga o pe­so de 2,5 mi­lhões de as­si­na­tu­ras. O Con­gres­so tem o há­bi­to de apro­vei­tar a tra­mi­ta­ção de pro­je­tos e pen­du­rar idei­as que não con­se­gue apro­var de ou­tra for­ma. Nes­te ca­so foi pi­or. O pro­je­to era pa­ra pro­te­ger o país da cor­rup­ção e foi apre­sen­ta­do ao Le­gis­la­ti­vo após mo­bi­li­za­ção po­pu­lar e que­rem trans­for­má-lo em veí­cu­lo de pro­te­ção dos po­lí­ti­cos. A so­ci­e­da­de pe­de al­go, e os po­lí­ti­cos tra­mam en­tre­gar o seu con­trá­rio.

No Se­na­do, o se­na­dor Ro­me­ro Ju­cá usou sua es­per­te­za pa­ra en­ga­nar até seus pa­res. O ple­ná­rio der­ru­bou o ar­ti­go da no­va lei de re­pa­tri­a­ção que per­mi­tia a uti­li­za­ção do me­ca­nis­mo por pa­ren­tes de po­lí­ti­cos, mas sem o ar­ti­go o tex­to aca­bou não fa­zen­do re­fe­rên­cia ao as­sun­to. No si­lên­cio da lei fi­cou en­tão au­to­ri­za­do o que os se­na­do­res ten­ta­ram proi­bir. Foi uma ma­no­bra em que se re­vo­gou o vo­to dos par­la­men­ta­res. O que es­pan­ta são os mé­to­dos e não o mo­vi­men­to dos po­lí­ti­cos pa­ra a au­to­de­fe­sa. Já se sa­bia que is­so acon­te­ce­ria. Os pró­pri­os pro­cu­ra­do­res que su­ge­ri­ram as me­di­das de com­ba­te à cor­rup­ção e que, após as co­le­tas de as­si­na­tu­ras, che­ga­ram ao Con­gres­so com o pro­je­to de ini­ci­a­ti­va po­pu­lar ha­vi­am avi­sa­do que em cer­to mo­men­to os po­lí­ti­cos ten­ta­ri­am se pro­te­ger. O pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol con­tou vá­ri­as ve­zes que na Ope­ra­ção Mãos Lim­pas, na Itá­lia, os par­la­men­ta­res apro­va­ram uma lei que proi­bia a pri­são pre­ven­ti­va em ca­sos de cor­rup­ção. Fi­cou co­nhe­ci­da pe­la al­cu­nha de “lei sal­va la­drões”. A in­sis­tên­cia do pre­si­den­te no Se­na­do, Re­nan Ca­lhei­ros, de vo­tar o que ele cha­ma de pro­je­to con­tra o abu­so de au­to­ri­da­de é mais um pas­so des­se mo­vi­men­to de pro­te­ção dos po­lí­ti­cos. É cla­ro que os poderes de­vem ter li­mi­tes e ne­nhum abu­so de au­to­ri­da­de po­de ser per­mi­ti­do, mas o pro­je­to quer ini­bir a ação do Ju­di­ciá­rio e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Não de­ve­ria ser pro­pos­to ago­ra, mui­to me­nos pe­lo se­na­dor Re­nan, al­vo de 12 in­ves­ti­ga­ções no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral.

Os po­lí­ti­cos es­tão ocu­pa­dos em se sal­var, e o go­ver­no fi­cou uma se­ma­na pa­ra­li­sa­do por uma cri­se cri­a­da por ele mes­mo em tor­no de um em­pre­en­di­men­to imo­bi­liá­rio. Na vi­da re­al, a eco­no­mia que ti­nha en­sai­a­do uma me­lho­ra vol­tou a pi­o­rar.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.