In­va­são de ba­rão

Correio da Bahia - - Brasil Mundo - Da Re­da­ção mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

“Ace­le­ra! Ace­le­ra! Me­te o pé!”. Era o de­ses­pe­ro de uma equi­pe de re­por­ta­gem em fu­ga. Na se­ma­na pas­sa­da, o car­ro do COR­REIO, um Fi­at Pa­lio 1.0, foi per­se­gui­do por uma ca­mi­nho­ne­te Ford Ran­ger branca qu­an­do dei­xa­va a lo­ca­li­da­de de Arem­be­pe, em Ca­ma­ça­ri. A de­nún­cia era de que “in­va­so­res pe­ri­go­sos” es­ta­ri­am lo­te­an­do ter­re­nos no Li­to­ral Nor­te. Após apu­ra­ção e fla­gran­tes fo­to­grá­fi­cos, não só se con­fir­mou a de­nún­cia das in­va­sões co­mo tam­bém a pe­ri­cu­lo­si­da­de dos fo­ras­tei­ros. O car­ro da re­por­ta­gem foi “es­col­ta­do” de for­ma ame­a­ça­do­ra na BA-099 até as pro­xi­mi­da­des do pe­dá­gio.

Tu­do por­que, em ple­na Área de Pre­ser­va­ção Am­bi­en­tal (APA) do Rio Ca­pi­va­ra, no li­mi­te en­tre Arem­be­pe e Bar­ra do Ja­cuí­pe, o COR­REIO re­gis­trou um ce­ná­rio de­vas­ta­dor. Des­de o fi­nal do pri­mei­ro se­mes­tre, boa parte de uma área de 5 mi­lhões de m² (equi­va­len­te a 500 cam­pos de fu­te­bol) foi in­va­di­da. Fon­tes li­ga­das à pre­fei­tu­ra de Ca­ma­ça­ri apon­tam que 2 mil pes­so­as ocu­pam as ter­ras – a mai­o­ria de­las fa­ria parte de uma as­so­ci­a­ção fal­sa, for­ja­da pe­los lí­de­res das in­va­sões e cri­a­da pa­ra atrair in­te­res­sa­dos nas ter­ras.

Além dos lo­tes im­pro­vi­sa­dos com cer­cas de ara­me far­pa­do, fi­tas e es­ta­cas, o que se vê é o des­ma­ta­men­to, em mui­tos ca­sos atra­vés de quei­ma­das, de uma imen­sa área pro­te­gi­da por leis am­bi­en­tais. Da bei­ra da pis­ta, em fren­te à Es­tra­da da Ce­trel, pró­xi­mo ao emis­sá­rio sub­ma­ri­no, é pos­sí­vel en­xer­gar ao lon­ge os car­rões no meio do na­da, den­tro dos ter­re­nos.

Bas­ta se apro­xi­mar um pou­co pa­ra ver que vá­ri­as pes­so­as tra­ba­lham nas áre­as. Em al­guns dos lo­tes, cha­ma a aten­ção as pla­cas im­pro­vi­sa­das fin­ca­das no chão com os no­mes que se­ri­am dos pro­pri­e­tá­ri­os, mas na ver­da­de são in­va­so­res. “Ed­son. Não en­trar”, avi­sa uma de­las. “Bar­ros”, in­di­ca ou­tra. “Eli­as”, avi­sa uma ao la­do. A APA tem, ao to­do, 18 mi­lhões de m².

AME­A­ÇAS DE MOR­TE

Mui­tos in­va­so­res se reú­nem com seus car­ros em um pon­to na bei­ra da pis­ta, on­de iso­por com be­bi­das e chur­ras­qui­nhos ga­ran­te o lan­che. Quem ten­ta di­fi­cul­tar a ação dos in­va­so­res aca­ba cor­ren­do ris­co.

“Fui ame­a­ça­do de mor­te três ve­zes. Cer­ca­ram nos­so car­ro com foi­ces e fa­cões. Mes­mo com as es­cri­tu­ras em mãos, eles não acei­tam apro­xi­ma­ção”, diz Má­rio Araú­jo, re­pre­sen­tan­te de um dos qua­tro pro­pri­e­tá­ri­os das ter­ras, um pe­da­ço que che­ga a qua­se um mi­lhão de m². “Pi­or que as in­va­sões não são de sem-ter­ra. São de gen­te sem ver­go­nha mes­mo. O que es­tá acon­te­cen­do ali é um cri­me sem pre­ce­den­tes”, de­fi­ne.

Tam­bém pro­pri­e­tá­ria de uma ter­ra de um mi­lhão de me­tros qua­dra­dos, her­da­da do seu bi­savô, a fun­ci­o­ná­ria pú­bli­ca Eli­e­ne Cu­nha es­tá in­con­for­ma­da. “São pes­so­as com po­der aqui­si­ti­vo que que­rem fa­zer su­as ca­sas de praia na mar­ra, no ter­re­no dos ou­tros. Pa­ra re­a­li­zar um so­nho eu não pos­so aca­bar com o so­nho dos ou­tros”, afir­ma ela, que é na­ti­va da região.

FIS­CA­LI­ZA­ÇÃO

A pre­fei­tu­ra de Ca­ma­ça­ri es­tá ci­en­te do pro­ble­ma, mas tem di­fi­cul­da­de pa­ra com­ba­tê-lo. “Ali são in­va­sões de ‘co­la­ri­nho branco’. É gen­te en­di­nhei­ra­da que pa­ga ou­tras pes­so­as pa­ra fa­zer quei­ma­das e lo­te­ar a área. Vo­cê vê que só tem os car­rões, né? O Li­to­ral Nor­te es­tá em pâ­ni­co”, afir­ma o se­cre­tá­rio de De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no de Ca­ma­ça­ri, Djal­ma Ma­cha­do. “Tem mui­tas in­va­sões com es­se mes­mo per­fil. Ten­ta­mos mo­ni­to­rar, mas é com­pli­ca­do. A si­tu­a­ção es­tá in­sus­ten­tá­vel”.

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Es­ta­do (MP) en­xer­ga três cri­mes sen­do co­me­ti­dos: for­ma­ção de qua­dri­lha, cri­me am­bi­en­tal com des­ma­ta­men­to e lo­te­a­men­to de área de pre­ser­va­ção. Ain­da con­for­me o MP, há pe­lo me­nos 40 in­va­sões em Ca­ma­ça­ri, a mai­o­ria de­las em ter­re­nos va­lo­ri­za­dos, em áre­as que são al­vo de for­te es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria. “Ali é mais uma das in­va­sões que Ca­ma­ça­ri e o Li­to­ral Nor­te so­frem. Ca­ma­ça­ri ho­je tem cerca de 40 in­va­sões em an­da­men­to. São mui­tas áre­as va­lo­ri­za­das so­fren­do com a es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria. Não só a es­pe­cu­la­ção de em­pre­sá­ri­os e cons­tru­to­ras, mas tam­bém a es­pe­cu­la­ção clan­des­ti­na”, con­fir­ma Lu­ci­a­no Pit­ta, pro­mo­tor do Meio Am­bi­en­te e Ur­ba­nis­mo.

IN­VA­SÃO COM PISCINA

Den­tro de Arem­be­pe, pró­xi­mo à Al­deia Hip­pie, es­tá uma des­sas in­va­sões, po­rém, num es­tá­gio mais avan­ça­do. Na lo­ca­li­da­de de San­gra­dou­ro, de­ze­nas de ca­sas em cons­tru­ção mos­tram que os ter­re­nos es­tão to­ma­dos. Mui­tos con­ti­nu­am a ser de­mar­ca­dos e ou­tros já têm imó­veis cons­truí­dos, in­clu­si­ve ca­sas de praia com pis­ci­nas. Tu­do em Área de Pro­te­ção Per­ma­nen­te (APP). “Is­so é um cri­me am­bi­en­tal sem pre­ce­den­tes”, diz um am­bi­en­ta­lis­ta da região, com me­do.

Is­so por­que, tan­to no San­gra­dou­ro quan­to às mar­gens da BA-093, as pes­so­as são unâ­ni­mes em di­zer que os in­va­so­res são pe­ri­go­sos e apon­tam a par­ti­ci­pa­ção de po­li­ci­ais. “Tem po­lí­cia ali. Se va­lem dis­so pa­ra in­ti­mi­dar. Se eu fos­se vo­cê, nem che­ga­va per­to”, aler­tou um mo­ra­dor. “Co­men­tam que têm po­li­ci­ais. O fa­to é que tem gen­te gran­de no meio”, diz Má­rio Araú­jo, um dos pro­pri­e­tá­ri­os.

Área de 5 mi­lhões de m² é in­va­di­da em Arem­be­pe; do­nos apon­tam ame­a­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.