Si­tu­a­ção es­tá des­con­tro­la­da, diz pre­fei­tu­ra; MP cri­ti­ca

Correio da Bahia - - Brasil Mundo -

Ci­en­te da si­tu­a­ção, a pre­fei­tu­ra ad­mi­te não ter con­di­ções de, so­zi­nha, com­ba­ter e re­mo­ver as in­va­sões. A as­ses­so­ria da pre­fei­tu­ra afir­ma que 15 for­ças-ta­re­fas já fo­ram re­a­li­za­das pa­ra ex­pul­sar os in­va­so­res, mas eles dei­xam o lo­cal em um dia e vol­tam no se­guin­te. “Pre­ci­sa­mos que a Po­lí­cia Mi­li­tar e a Jus­ti­ça en­trem for­te co­nos­co nis­so. Fi­ze­mos um re­la­tó­rio com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. In­for­ma­mos pa­ra to­dos os ór­gãos es­ta­du­ais li­ga­dos ao meio am­bi­en­te, à Ca­sa Ci­vil, à Ca­sa Mi­li­tar, ao juiz da Fa­zen­da Pú­bli­ca de Ca­ma­ça­ri”, enu­me­ra o se­cre­tá­rio de De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no, Djal­ma Ma­cha­do.

Já o pro­mo­tor cri­ti­ca a “inér­cia” da pre­fei­tu­ra e dos do­nos das ter­ras. “A pre­fei­tu­ra es­tá jo­gan­do a to­a­lha? O que eu en­xer­go aí é uma inér­cia da pre­fei­tu­ra e dos pro­pri­e­tá­ri­os. Re­co­men­dei à pre­fei­tu­ra que fa­ça a de­so­cu­pa­ção. O in­te­res­se de um gru­po não po­de es­tar aci­ma da lei. Se­não é anar­quia”, afir­ma Lu­ci­a­no Pit­ta, que ameaça aci­o­nar os pro­pri­e­tá­ri­os e o po­der pú­bli­co.

“O cu­ri­o­so é que não se tra­ta de gen­te ne­ces­si­ta­da. São in­va­sões clan­des­ti­nas or­ques­tra­das, que têm o ob­je­ti­vo cla­ro do pro­vei­to econô­mi­co. Uma área de mui­ta va­lo­ri­za­ção”, ana­li­sa o pro­mo­tor. “Se eles es­tão par­tin­do pa­ra o en­fren­ta­men­to, eles têm que ser en­fren­ta­dos”, su­ge­re.

Além de tu­do, a área in­va­di­da é par­ti­cu­lar. A mai­or parte dos 5 mi­lhões de m² per­ten­ce a qua­tro gru­pos de em­pre­sá­ri­os dis­pos­tos a in­ves­tir na região. O MP dis­se que ain­da ten­ta lo­ca­li­zar os pro­pri­e­tá­ri­os das ter­ras pa­ra que ex­pli­quem por que não pro­te­gem os ter­re­nos. O úni­co do­no que o MP lo­ca­li­zou foi a Liz Cons­tru­ções. “No­ti­fi­quei e eles não com­pa­re­ce­ram”, co­men­tou.

Ne­nhum in­va­sor foi ou­vi­do. Até por­que o COR­REIO foi de­sa­con­se­lha­do por mo­ra­do­res e até por au­to­ri­da­des a en­trar nas ter­ras e in­ter­pe­lá-los. Ao que pa­re­ce, os con­se­lhos es­ta­vam cer­tos. Tan­to que, na úni­ca vez que o fo­tó­gra­fo do COR­REIO saiu do car­ro pa­ra fa­zer um fla­gran­te, a ca­mi­nho­ne­te branca pas­sou a per­se­guir o car­ro do jor­nal. O que res­tou foi ace­le­rar e dei­xar o lo­cal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.