Fun­ci­o­ná­ria é a 10ª ví­ti­ma de ex­plo­são

Correio da Bahia - - Mais - Ale­xan­dro Mo­ta, Cla­ris­sa Pa­che­co, Tai­la­ne Mu­niz e Ma­ria Lan­dei­ro mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

No­ve dos dez mor­tos já fo­ram iden­ti­fi­ca­dos pe­la Po­lí­cia Técnica

“Eu per­di tu­do que eu ti­nha”, de­cre­tou a jo­vem Thai­ná Giu­di­ce ao la­men­tar a mor­te da mãe, Vil­ma Con­cei­ção San­tos, 40 anos, dé­ci­ma ví­ti­ma fa­tal da ex­plo­são na far­má­cia Pa­gue Me­nos, no Cen­tro de Ca­ma­ça­ri, na quar­ta-fei­ra. O in­ci­den­te dei­xou ou­tros 14 feridos, a mai­or parte de­les ain­da in­ter­na­da em hos­pi­tais de Sal­va­dor e Ca­ma­ça­ri.

On­tem, além de Vil­ma, que mor­reu no Hos­pi­tal Ge­ral do Es­ta­do (HGE), no fi­nal da ma­nhã, ou­tras oi­to ví­ti­mas do in­cên­dio fo­ram iden­ti­fi­ca­das pe­lo De­par­ta­men­to de Po­lí­cia Técnica (DPT). São elas: Ce­li­ne Pires Sou­za Car­los, cri­an­ça de 9 anos que se­rá en­ter­ra­da ama­nhã em Uba­tã, no Sul do es­ta­do, Ro­si­a­ne dos San­tos, Do­nil­da de Je­sus, Lu­ci­a­ne Al­ves dos San­tos e Ma­ria do Car­mo San­tos de Me­ne­zes.

COMOÇÃO

As ou­tras ví­ti­mas são três fun­ci­o­ná­ri­as da far­má­cia, que fo­ram en­ter­ra­das on­tem, no ce­mi­té­rio Jar­dim da Eter­ni­da­de, em Ca­ma­ça­ri: Cris­ti­a­na do Nas­ci­men­to de Sou­za, 39, Ta­ti­a­ne Ri­bei­ro Men­des, 34, e Li­di­a­ne Ma­ce­do Silva, 33.

Ta­ti­a­ne e Cris­ti­a­na fo­ram se­pul­ta­das pe­la ma­nhã sob for­te comoção e aplau­sos dos pre­sen­tes. O ma­ri­do de Ta­ti­a­ne, o tor­nei­ro me­câ­ni­co Ete­val­do Al­ves Araú­jo, 30, es­ta­va in­con­so­lá­vel. “É a se­gun­da tra­gé­dia que me atin­ge em pou­co tempo, pre­fi­ro me man­ter em si­lên­cio”. Ca­sa­dos há 12 anos, eles per­de­ram uma fi­lha de 3 anos há cin­co anos atrás, ví­ti­ma de der­ra­me pleu­ral. On­tem, a bal­co­nis­ta, que tra­ba­lha­va na far­má­cia há no­ve anos, foi en­ter­ra­da na mes­ma co­va an­tes usa­da pa­ra se­pul­tar o cor­po da fi­lha. De acor­do com Ete­val­do, há no­ve di­as, ele e Ta­ti­a­ne es­ti­ve­ram no ce­mi­té­rio pa­ra re­ti­rar os res­tos mor­tais da co­va e trans­fe­rir a fi­lha pa­ra a cam­pa.

Cris­ti­a­na foi se­pul­ta­da ho­ras de­pois. Ela tra­ba­lha­va na far­má­cia há se­te me­ses e foi a úl­ti­ma ví­ti­ma a ser re­ti­ra­da do lo­cal pe­los bom­bei­ros. “Ela era uma pes­soa di­fe­ren­te no mun­do”, afir­mou a co­le­ga de tra­ba­lho, a au­xi­li­ar de lo­ja Ja­ci­a­ra Go­mes, 25 anos, que dei­xou a far­má­cia mo­men­tos an­tes da ex­plo­são: “Me des­pe­di de­la e ela sor­riu”, lem­brou.

À tar­de, foi a vez de pa­ren­tes e ami­gos se des­pe­di­rem de Li­di­a­ne, al­guns usan­do ca­mi­sas com a fo­to de­la e com a fra­se “sau­da­des eter­nas”.

Ao COR­REIO, o ma­ri­do de Vil­ma, que fa­le­ceu on­tem no HGE, in­for­mou que o ar-con­di­ci­o­na­do da lo­ja ha­via apre­sen­ta­do de­fei­to di­as an­tes da tra­gé­dia. “Dois di­as an­tes, o ar- con­di­ci­o­na­do ha­via es­tou­ra­do”, afir­mou Jo­sé de Je­sus Barreto, 43.

An­te­on­tem, a Po­lí­cia Ci­vil anun­ci­ou que abriu inqué­ri­to pa­ra apu­rar as cau­sas da ex­plo­são no lo­cal, on­de es­ta­ria ocor­ren­do uma obra de re­for­ma que de­man­da­ria o iso­la­men­to da área.

En­ter­ro da fun­ci­o­ná­ria Cris­ti­a­na Nas­ci­men­to Sou­za, 39 anos: o ma­ri­do de­la (de ca­mi­sa branca) pas­sou mal

Uma das no­ve ví­ti­mas: Ta­ti­a­ne

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.