Ô me li­be­ra ne­ga

Correio da Bahia - - Mais -

Lem­bran­do Me­deia de Eu­rí­pe­des, co­le­ga que vi­veu na Gré­cia ve­lha e ri­ca, pe­ço “pra mim bas­ta um dia”! Co­mo nas­ci no um­bi­go fes­tei­ro dos tró­pi­cos, nas mar­gens da Baía de Qui­ri­mu­rê dos Tu­pi­nam­bás, gos­ta­ria que o dia fos­se uma ter­ça-fei­ra do Car­na­val de 1973, na Cas­tro Al­ves. Era um dia de boa na Baía, era um dia to­do bo­la, com to­dos nós na gran­de zor­ra con­tra a di­ta­du­ra. Uns in­ge­ri­am áci­dos li­sér­gi­cos, ou­tros fa­zi­am se­xo com des­co­nhe­ci­dos, mi­lha­res dan­ça­vam o fre­vo da fes­ta que, mes­mo me­ta­fó­ri­co, era com­ba­ti­vo, al­guns se ves­ti­am de mu­lher, por­que ser mu­lher é má­gi­co, mas to­dos, fa­zen­do o que quer que fos­se, com­ba­ti­am a di­ta­du­ra com Car­na­vais es­pe­ta­cu­la­res. Nós so­mos o que fa­ze­mos. E se al­gu­ma for­ça co­le­ti­va há em nós, ho­je, é a con­fu­são co­le­ti­va. Al­guém ou al­gu­ma coi­sa nos re­pre­sen­ta no Bra­sil por mais de 24 ho­ras? Ou­ça­mos o que ou­vi­mos e can­ta­mos. Es­ta­mos sem ne­xo di­an­te de no­tí­ci­as que anun­ci­am um país que der­re­te en­tre os de­dos to­dos os di­as. Ao re­dor, es­sa na­tu­re­za des­lum­bran­te, po­de­ro­sa, ri­ca e úni­ca. Den­tro, es­sa cul­tu­ra po­bre, de­si­gual, alu­ci­na­da, tran­si­tan­do en­tre uma men­ta­li­da­de co­lo­ni­al que per­sis­te, for­te­men­te, e a ba­na­li­da­de da alu­ci­na­ção, to­da nos­sa, e da re­pe­ti­ção que Eu­cli­des da Cu­nha, um ca­ra de quem eu ama­ria ser co­le­ga, aler­tou “nos bra­si­lei­ros são co­pis­tas”.

Há 110 anos nas­ceu Han­nah Arendt, a mu­lher de quem eu se­rei lei­to­ra sem­pre, a pri­mei­ra fi­ló­so­fa da Ba­na­li­da­de, a do Mal. Nes­te Bra­sil on­de se acor­da pa­ra ser o que se quer, mui­tos se di­zem fi­ló­so­fos. São fi­ló­so­fos os que cri­am sis­te­mas pa­ra o pen­sa­men­to uni­ver­sal, co­mo a Ba­na­li­da­de do Mal cri­a­da por Han­nah. Ju­dia nas­ci­da na Ale­ma­nha, ela fu­giu do Na­zis­mo pa­ra a Fran­ça e da Fran­ça pa­ra os EUA qu­an­do os ale­mães in­va­di­ram Pa­ris. Lá, foi con­tra­ta­da pe­la revista The New Yor­ker pa­ra es­cre­ver so­bre o jul­ga­men­to de Ei­ch­mann, o di­re­tor ge­ral do ho­lo­caus­to que ex­ter­mi­nou seis mi­lhões de ju­deus de fo­me, maus-tra­tos e as­fi­xia com gás. A revista man­ti­da pe­lo ca­pi­tal ju­deu es­pe­ra­va que Han­nah de­fi­nis­se Ei­ch­mann co­mo um mons­tro na­zi, mas ela des­cre­veu Ei­ch­mann co­mo um idi­o­ta in­ca­paz de pen­sar, e que por au­sên­cia de pen­sa­men­to le­vou seis mi­lhões de hu­ma­nos à mor­te. E de­nun­ci­ou que sem a co­la­bo­ra­ção dos ju­deus o ho­lo­caus­to se­ria me­nor.

A per­gun­ta é a se­guin­te, Han­nah: co­mo en­fren­tar a ba­na­li­da­de do mal no Bra­sil as­sis­tin­do ao ví­deo Ô me Li­be­ra Ne­ga, do ca­ra que foi pre­so por assalto à mão ar­ma­da, tor­nou-se uma ce­le­bri­da­de com o me li­be­ra ne­ga den­tro da pri­são e, pos­si­vel­men­te, se­rá o com­po­si­tor do Car­na­val? Pois é, Han­nah, es­ta­mos nes­se ma­to de ca­chor­ros de mui­tas ca­be­ças, nes­sa sín­dro­me de iní­cio de sé­cu­lo sem pen­sa­men­to ou no­ção mí­ni­ma de vi­da co­le­ti­va. Apa­re­ça em so­nho e, por fa­vor, me res­pon­da em idi­o­mas la­ti­nos. En­quan­to is­so eu, por aqui, as­sis­tin­do Ri­car­do Cas­tro no Res­tau­ran­te Porô, no San­to An­to­nio, vi­si­tan­do di­a­ri­a­men­te o por­tal lu­mi­no­so de Ma­rí­lia Ga­bi Ga­bri­e­la na WEB, rin­do da so­bre­vi­vên­cia bi­o­grá­fi­ca de Ri­ta Lee e in­va­din­do o Ins­ti­tu­to Ge­o­grá­fi­co e His­tó­ri­co ter­ça-fei­ra, dia 29, pra con­ver­sar com aman­tes da Bahia so­bre O que É que a Bahia Ti­nha. E pre­ci­sa vol­tar a ter.

Nós so­mos o que fa­ze­mos. E se al­gu­ma for­ça co­le­ti­va

há em nós, ho­je, é a con­fu­são co­le­ti­va. Al­guém ou al­gu­ma coi­sa nos re­pre­sen­ta

no Bra­sil por mais de 24 ho­ras? Ou­ça­mos o que ou­vi­mos

e can­ta­mos. Es­ta­mos sem ne­xo di­an­te de no­tí­ci­as

que anun­ci­am um país que der­re­te en­tre os de­dos to­dos os

di­as. Ao re­dor, es­sa na­tu­re­za des­lum­bran­te,

po­de­ro­sa, ri­ca e úni­ca. Den­tro, es­sa cul­tu­ra po­bre,

de­si­gual, alu­ci­na­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.