Gran­de­za à pro­va

Correio da Bahia - - Vida - Bru­no Qu­ei­roz, de Goi­â­nia bru­no.qu­ei­roz@re­de­bahia.com.br

Uma con­quis­ta que es­tá dis­tan­te da gran­de­za do Bahia, co­lo­ca­da à pro­va na­que­le que po­de ser con­si­de­ra­do o jo­go mais di­fí­cil pa­ra o tri­co­lor nes­ta Sé­rie B e que de fa­to se­ja o úl­ti­mo. Con­tra o já cam­peão Atlé­ti­co Goi­a­ni­en­se, às 16h30, no Es­tá­dio Olím­pi­co, em Goi­â­nia, o ti­me de Gu­to Fer­rei­ra quer se des­pe­dir do in­de­se­ja­do cam­pe­o­na­to pa­ra ser re­ce­bi­do de bra­ços aber­tos na Sé­rie A de 2017.

Ape­nas um pon­to se­pa­ra o Bahia da eli­te do fu­te­bol bra­si­lei­ro e es­sa ma­te­má­ti­ca sim­ples é que en­che os tor­ce­do­res de es­pe­ran­ça. Des­de on­tem, Goi­â­nia vem sen­do to­ma­da pe­lo azul, ver­me­lho e branco. Os tri­co­lo­res pra­ti­ca­men­te es­go­ta­ram os 1.140 in­gres­sos co­lo­ca­dos à dis­po­si­ção pa­ra os vi­si­tan­tes.

O cli­ma de de­ci­são, ob­vi­a­men­te, não é só fo­ra de cam­po. No dis­cur­so, os jo­ga­do­res se mos­tram to­tal­men­te fo­ca­dos na par­ti­da, com o ob­je­ti­vo de con­fir­mar o aces­so sem de­pen­der dos re­sul­ta­dos de Náu­ti­co e Vas­co. Pa­ra is­so, o Bahia pre­ci­sa pe­lo me­nos em­pa­tar. Se per­der, pre­ci­sa que o Náu­ti­co não ga­nhe do Oes­te, na Are­na Per­nam­bu­co, ou que o Vas­co não ven­ça o Ce­a­rá, no Ma­ra­ca­nã.

“Não pen­sa­mos no Náu­ti­co nem no Vas­co. De­pen­de­mos só da gen­te e va­mos lu­tar pe­lo nos­so ob­je­ti­vo. É fa­zer um bom jo­go e sair com os três pon­tos”, afir­ma Moi­sés. O res­pei­to pe­lo ad­ver­sá­rio, no en­tan­to, é enor­me. Afi­nal, tra­ta-se do ti­me que foi cam­peão da Sé­rie B com du­as ro­da­das de an­te­ce­dên­cia. Mas res­pei­tar é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te de te­mer. “In­de­pen­den­te do Atlé­ti­co ter si­do cam­peão da Sé­rie B, va­mos fa­zer de tu­do pa­ra con­quis­tar o aces­so. São 11 con­tra 11. Não te­mos me­do do Atlé­ti­co. Com cer­te­za, va­mos fa­zer de tu­do pa­ra sair com o ob­je­ti­vo fa­vo­rá­vel”, sa­cra­men­ta o la­te­ral-es­quer­do.

A con­vic­ção tam­bém se mos­tra pre­sen­te nas pa­la­vras de Ré­gis. Pa­ra ele, o aces­so não é uma pos­si­bi­li­da­de e sim uma cer­te­za. “Não te­nho dú­vi­da. A gen­te vai com tu­do pa­ra con­cre­ti­zar is­so ama­nhã (ho­je) no úl­ti­mo jo­go, ir em­bo­ra e ser re­ce­bi­do pe­la nos­sa tor­ci­da”, diz o meia, já pro­je­tan­do a fes­ta que cer­ta­men­te se­rá fei­ta no ae­ro­por­to de Sal­va­dor no de­sem­bar­que da de­le­ga­ção, ama­nhã, às 12h30, ca­so o ti­me con­si­ga o aces­so.

A pos­tu­ra da equi­pe, pe­lo me­nos nas pa­la­vras do téc­ni­co Gu­to Fer­rei­ra, se­rá ofen­si­va, em bus­ca do triun­fo. Se em mui­tos jo­gos fo­ra de ca­sa nes­ta Sé­rie B o Bahia se por­tou de ma­nei­ra mais pas­si­va, mar­can­do atrás da li­nha da bo­la, des­sa vez Gu­to ga­ran­te que se­rá di­fe­ren­te.

“Eu sem­pre di­go que tem que mi­rar a lua. Se vo­cê er­ra e acer­ta as es­tre­las, vo­cê atin­ge seu ob­je­ti­vo. En­tão, nós va­mos jo­gar pa­ra ven­cer. Qu­an­do se jo­ga pa­ra ven­cer, ca­so não ven­ça, di­fi­cil­men­te vo­cê vai ser der­ro­ta­do. Ago­ra, se jo­ga pa­ra em­pa­tar, ca­so não atin­ja seu ob­je­ti­vo, vo­cê vai ser der­ro­ta­do. Te­mos que jo­gar pa­ra ci­ma pa­ra que a mar­gem de er­ros nos dê o aces­so”.

Con­tra o cam­peão da Sé­rie B, Bahia pre­ci­sa mos­trar que me­re­ce a eli­te

ESCALAÇÃO

O ti­me de­ve ser o mes­mo que ven­ceu o Bra­gan­ti­no na ro­da­da pas­sa­da. Ape­sar do gol que ga­ran­tiu o triun­fo so­bre o ti­me pau­lis­ta por 3x2, Renato Ca­já con­ti­nu­a­rá no banco de re­ser­vas, com Ré­gis man­ti­do en­tre os ti­tu­la­res.

Ju­ni­nho es­te­ve pre­sen­te no cam­po no úl­ti­mo trei­no em Goi­â­nia, mas sem chu­tei­ras. O vo­lan­te fez um tra­ba­lho fí­si­co le­ve e com mui­to sa­cri­fí­cio fi­ca­rá no banco de re­ser­vas.

Fu­tu­ro do Bahia pas­sa por Goi­â­nia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.