É pos­sí­vel con­tro­lar es­se im­pul­so? Co­mo? Por que ofer­tas co­mo as da Black Fri­day atra­em tan­to os con­su­mi­do­res às lo­jas?

Correio da Bahia - - Mais -

Exis­tem os tra­ta­men­tos te­ra­pêu­ti­cos, acom­pa­nha­dos e gui­a­dos por pro­fis­si­o­nais da Psi­co­lo­gia, mas tam­bém me­di­ca­men­to­sos, pois es­se dé­fi­cit é um pro­ces­so quí­mi­co e só a me­di­ca­ção po­de­rá re­gu­lá-lo. Há prin­ci­pal­men­te du­as ca­rac­te­rís­ti­cas nes­se even­to que des­per­tam a aten­ção do con­su­mi­dor: o tem­po li­mi­ta­do, es­cas­so pa­ra se fa­zer as com­pras, e o con­tá­gio cau­sa­do pe­lo apelo mi­diá­ti­co que a Black Fri­day tem. É co­mo se o con­su­mi­dor ti­ves­se a sen­sa­ção de que es­tá per­den­do al­go se não con­se­guir com­prar pe­lo me­nos um pro­du­to com pre­ço mais bai­xo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.