Lu­la e Del­cí­dio se­rão in­ter­ro­ga­dos so­bre obs­tru­ção de in­ves­ti­ga­ção

Correio da Bahia - - Brasil -

BRA­SÍ­LIA O se­na­dor cas­sa­do Del­cí­dio Ama­ral e o ex-pre­si­den­te Luiz Inácio Lu­la da Sil­va se­rão in­ter­ro­ga­dos, res­pec­ti­va­men­te, nos dias 15 e 17 de fe­ve­rei­ro, na ação pe­nal da 10ª Va­ra da Jus­ti­ça Federal, em Bra­sí­lia, na qual eles são acu­sa­dos de ten­ta­rem obs­truir a La­va Ja­to, es­pe­ci­fi­ca­men­te, em re­la­ção ao ex-di­re­tor da área in­ter­na­ci­o­nal da Pe­tro­bras Nestor Cer­ve­ró. Lu­la, Del­cí­dio, Diogo Fer­rei­ra Ro­dri­gues – as­ses­sor de Del­cí­dio –, o ad­vo­ga­do Ed­son Ri­bei­ro, o ban­quei­ro An­dré Es­te­ves, o pe­cu­a­ris­ta Jo­sé Car­los Bum­lai e o fi­lho de­le, Mau­rí­cio Bum­lai, são acu­sa­dos dos cri­mes de em­ba­ra­ço à in­ves­ti­ga­ção de or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, que pre­vê pe­na de 3 a 8 anos de pri­são; ex­plo­ra­ção de pres­tí­gio, cu­ja pe­na pre­vis­ta é de 1 a 5 anos; e pa­tro­cí­nio in­fi­el (quan­do um ad­vo­ga­do não de­fen­de apro­pri­a­da­men­te os in­te­res­ses de um cli­en­te – os ou­tros réus fo­ram con­si­de­ra­dos co­au­to­res de Éd­son Ri­bei­ro nes­te cri­me), que pre­vê pe­na de 6 me­ses a 3 anos.

On­tem, em au­di­ên­cia de tes­te­mu­nhas de acu­sa­ção e de­fe­sa den­tro do pro­ces­so, Ber­nar­do Cer­ve­ró pres­tou de­poi­men­to e rei­te­rou as ale­ga­ções de que so­freu pres­são por par­te de Del­cí­dio e do ad­vo­ga­do Éd­son Ri­bei­ro pa­ra que o pai de­le, Nés­tor Cer­ve­ró, não fi­zes­se um acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da e, as­sim, pre­ser­vas­se os réus des­ta ação. O de­pu­ta­do federal Pau­lo Teixeira (PT-SP) ain­da se­rá ou­vi­do an­tes dos acu­sa­dos, no dia 15 de de­zem­bro, na con­di­ção de tes­te­mu­nha, ar­ro­la­da pe­la de­fe­sa do ex-pre­si­den­te Lu­la.

Em um de­poi­men­to por Sky­pe, on­tem, Ber­nar­do Cer­ve­ró rei­te­rou, con­for­me ha­via di­to à PGR, que Ed­son Ri­bei­ro lhe en­tre­gou R$ 50 mil em no­me de Del­cí­dio, sob o pre­tex­to de aju­da à fa­mí­lia de Nestor Cer­ve­ró, quan­do o ex-di­re­tor da Pe­tro­bras já es­ta­va pre­so. Ber­nar­do dis­se ter de­vol­vi­do no dia se­guin­te o di­nhei­ro a Ed­son, “pa­ra as des­pe­sas de­le”. Na aná­li­se de Ber­nar­do, es­se di­nhei­ro era pa­ra com­prar o si­lên­cio do pai, pa­ra que não com­pro­me­tes­se in­ves­ti­ga­dos da La­va Ja­to. Ele que­ria que o pai fi­zes­se um acor­do de de­la­ção, mas afir­ma, em cer­to mo­men­to, ter per­ce­bi­do que o ad­vo­ga­do Ed­son Ri­bei­ro não es­ta­va aju­dan­do.

Ber­nar­do não ci­ta Lu­la. A in­clu­são de Lu­la no pro­ces­so pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co se deu de­pois que o se­na­dor cas­sa­do Del­cí­dio Ama­ral afir­mou, em sua pró­pria de­la­ção, que Lu­la o te­ria in­cum­bi­do de “vi­a­bi­li­zar a com­pra do si­lên­cio de Nestor” pa­ra pro­te­ger o pe­cu­a­ris­ta Jo­sé Car­los Bum­lai. Ber­nar­do afir­mou não sa­ber de qu­em era o di­nhei­ro, um dos pon­tos que tan­to de­fe­sa quan­to acu­sa­ção bus­ca­vam es­cla­re­cer. A de­nún­cia tra­ba­lha com a ver­são, com ba­se na de­la­ção de Del­cí­dio, de que os re­cur­sos eram de Jo­sé Car­los Bum­lai, ami­go de Lu­la. E as­si­na­la que a que­bra de si­gi­lo de Mau­ri­cio Bum­lai mos­tra dois sa­ques de R$ 25 mil dias an­tes. Foi com ba­se nu­ma gra­va­ção fei­ta por Ber­nar­do que Del­cí­dio foi pre­so há um ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.