Jú­ri de Eli­ze é mar­ca­do por me­do de tes­te­mu­nha e cho­ro da ré

Correio da Bahia - - Brasil -

ES­QUAR­TE­JOU O MA­RI­DO O pri­mei­ro dia do jú­ri de Eli­ze Mat­su­na­ga, acu­sa­da de ma­tar e es­quar­te­jar o ma­ri­do, foi mar­ca­do por cho­ro da ré, bate-bo­ca en­tre de­fe­sa e acu­sa­ção, além de um de­poi­men­to in­com­ple­to, após uma das três tes­te­mu­nhas ou­vi­das di­zer ter me­do de Eli­ze e pas­sar mal. Ela é jul­ga­da pe­lo ho­mi­cí­dio de Marcos Ki­ta­no Mat­su­na­ga, her­dei­ro da Yo­ki, em maio de 2012. Sen­ta­da à di­rei­ta dos seus ad­vo­ga­dos, a acu­sa­da cho­rou an­tes mes­mo da en­tra­da da pri­mei­ra tes­te­mu­nha. A ré che­gou ao Fó­rum Cri­mi­nal da Bar­ra Fun­da, na ma­nhã de on­tem, ves­tin­do um ter­ni­nho pre­to, ca­mi­sa azul e sa­pa­ti­lhas. O ca­be­lo loi­ro, mal amar­ra­do, caía so­bre o om­bro di­rei­to. Ner­vo­sa, be­beu água com açú­car an­tes de os ju­ra­dos ter­mi­na­rem a lei­tu­ra das pe­ças.

A ba­bá Amo­nir Her­cí­lia dos San­tos foi a pri­mei­ra tes­te­mu­nha. Ela tra­ba­lhou por cer­ca de dois me­ses no apar­ta­men­to dos Mat­su­na­ga e cui­da­va da fi­lha do ca­sal, nos fins de se­ma­na, de 15 em 15 dias. Se­gun­do as in­ves­ti­ga­ções, Amo­nir cui­dou da fi­lha dos Mat­su­na­ga no mo­men­to em que Eli­ze es­quar­te­ja­va o ma­ri­do em um quar­to de bai­xo. Aos ju­ra­dos, a ba­bá dis­se que, na­que­le dia, Eli­ze não de­mons­trou com­por­ta­men­to anor­mal.

A se­gun­da tes­te­mu­nha foi Mau­ri­ceia Jo­sé Gon­çal­ves dos San­tos, a ba­bá fi­xa da cri­an­ça e mãe de Amo­nir. Foi ela qu­em acom­pa­nhou Eli­ze na vi­a­gem ao Pa­ra­ná, que, se­gun­do a acu­sa­ção, te­ria si­do pla­ne­ja­da pe­la ré pa­ra fla­grar a trai­ção do ma­ri­do. Mau­ri­ceia con­fir­mou que, du­ran­te a vi­a­gem, Eli­ze tro­cou te­le­fo­ne­mas com o de­te­ti­ve par­ti­cu­lar Wil­li­an Co­e­lho de Oli­vei­ra, que fil­mou a in­fi­de­li­da­de de Marcos. Tam­bém foi a ba­bá que con­fir­mou que, na vol­ta, Eli­ze pa­rou em um ar­ma­zém pa­ra com­prar uma ser­ra elé­tri­ca. O de­poi­men­to foi pres­ta­do sem a pre­sen­ça de Eli­ze, a pe­di­do da tes­te­mu­nha. “Fi­quei com me­do, por­que ela de­ve achar ruim eu ter fa­la­do da ser­ra”. A ba­bá pas­sou mal e pre­ci­sou re­ce­ber aten­di­men­to mé­di­co. A úl­ti­ma tes­te­mu­nha ou­vi­da foi o de­te­ti­ve Oli­vei­ra. Ele fil­mou a trai­ção de Marcos, fla­gra­do em com­pa­nhia de uma mo­re­na em dois res­tau­ran­tes e em um flat. “Avi­sei tu­do a ela em tem­po re­al” dis­se. A ré vol­tou a cho­rar nes­se mo­men­to. O jul­ga­men­to se­rá re­to­ma­do ho­je, ain­da com tes­te­mu­nhas de acu­sa­ção.

Mui­to ner­vo­sa, Eli­ze be­beu água com açú­car du­ran­te o jul­ga­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.