Con­su­mi­do­res de­vem fi­car aten­tos a di­rei­tos após a Black Fri­day

Correio da Bahia - - Economia -

VA­RE­JO A Black Fri­day aque­ceu o co­mér­cio e o va­re­jo on­li­ne, e mo­vi­men­tou R$ 2,06 bi­lhões no Brasil en­tre a úl­ti­ma quin­ta-fei­ra e a sex­ta, con­for­me le­van­ta­men­to da Ebit, uma das or­ga­ni­za­do­ras da pro­mo­ção. Pa­ra qu­em apro­vei­tou o pe­río­do pa­ra com­prar, é im­por­tan­te man­ter o cui­da­do e con­ti­nu­ar aten­to ao es­ta­do e ao pra­zo de en­tre­ga do pro­du­to, as­sim co­mo pos­sí­veis gol­pes. “Nes­te mo­men­to, o prin­ci­pal cui­da­do, prin­ci­pal­men­te pa­ra as com­pras fei­tas pe­la in­ter­net, é o acom­pa­nha­men­to da evo­lu­ção do pe­di­do. Acon­se­lho que a pes­soa fique aten­ta ca­so sur­jam co­bran­ças in­de­vi­das no car­tão, por exem­plo”, diz Fi­li­pe Vi­ei­ra, co­or­de­na­dor téc­ni­co do Pro­con-BA. Du­ran­te a ação, as­sim co­mo no fi­nal de se­ma­na que su­ce­deu a da­ta, o Pro­con-BA in­ten­si­fi­cou as ações fis­ca­li­za­tó­ri­as em si­tes e lo­jas fí­si­cas. Em re­la­ção a 2015, hou­ve um cres­ci­men­to de 44% de au­tu­a­ções nos si­tes. Já nas lo­jas fí­si­cas, o ór­gão vi­si­tou 125 es­ta­be­le­ci­men­tos, sen­do 21 lo­jas fí­si­cas au­tu­a­das. Os for­ne­ce­do­res au­tu­a­dos vão res­pon­der a um pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo e têm o pra­zo de dez dias pa­ra apre­sen­tar de­fe­sa for­mal. Ou­tro cui­da­do in­di­ca­do aos con­su­mi­do­res é che­car se o pro­du­to com­pra­do es­tá de acor­do com o que foi anun­ci­a­do e se não pos­sui defeitos. “Ao re­ce­bê-lo, tes­te o fun­ci­o­na­men­to de ime­di­a­to por­que, mes­mo o pro­du­to es­tan­do em pro­mo­ção, vi­go­ra o pra­zo de ar­re­pen­di­men­to do Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor. Tan­to as com­pras em es­ta­be­le­ci­men­tos fí­si­cos, co­mo as fei­tas via in­ter­net ou te­le­fo­ne po­dem con­fe­rir ao con­su­mi­dor um pra­zo pa­ra exer­cer di­rei­to de ar­re­pen­di­men­to”, afir­ma Vi­ei­ra. Os con­sum­di­o­res que se sen­ti­rem le­sa­dos de­vem en­trar em con­ta­to com o Pro­con, ten­do em mãos um do­cu­men­to pes­so­al, a no­ta fis­cal da com­pra (ou có­pia do con­tra­to) e um do­cu­men­to re­fe­ren­te ao problema. De acor­do com ba­lan­ço do si­te Re­cla­me Aqui, os cin­co prin­ci­pais mo­ti­vos de quei­xa nes­sa Black Fi­day fo­ram, em pri­mei­ro lu­gar, pro­pa­gan­da en­ga­no­sa (22%), se­gui­do de di­ver­gên­cia de va­lo­res (15%), pro­ble­mas na fi­na­li­za­ção da com­pra (12%), pro­du­to in­dis­po­ní­vel (7,6%) e pro­mo­ção (6,6%). A fa­mo­sa ma­qui­a­gem de pre­ço, que já fi­gu­rou en­tre as pri­mei­ras po­si­ções, fi­cou em 6º lu­gar (5,4%). Ain­da se­gun­do a Ebit, o nú­me­ro de pe­di­dos cres­ceu 5%, pa­ra 2,23 mi­lhões, enquanto o tí­que­te mé­dio foi de R$ 653,13% mai­or do que no ano pas­sa­do.

Re­cla­ma­ção Pa­ra pro­du­tos du­rá­veis (que não se des­gas­tam em cur­to pra­zo), o con­su­mi­dor tem até 30 dias pa­ra re­cla­mar. Já pa­ra os pro­du­tos não du­rá­veis, o pra­zo é de 90 dias.

Atra­so Ca­so a en­tre­ga ul­tra­pas­se o pe­río­do acor­da­do, o com­pra­dor po­de exi­gir o can­ce­la­men­to, a de­vo­lu­ção do va­lor ou a re­a­li­za­ção da en­tre­ga por ter­cei­ros cus­te­a­da pe­lo for­ne­ce­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.