Hé­loa, uma boa sur­pre­sa mu­si­cal ma­de in Ara­ca­ju

Correio da Bahia - - Vida - Ha­ga­me­non Bri­to ha­ga­me­non.bri­to@re­de­bahia.com.br

No vas­to oce­a­no das vo­zes fe­mi­ni­nas da MPB con­tem­po­râ­nea, tem que ha­ver um lu­gar con­for­tá­vel pa­ra a can­to­ra ser­gi­pa­na Hé­loa, 27 anos, que es­treia com o ál­bum Eu (Cam­pu­ci Ro­ots/YB Mu­sic), três anos após o EP Sol­ta. E não ape­nas pe­la voz, su­a­ve e na­tu­ral­men­te sen­su­al, mas pe­lo con­jun­to da obra.

Pro­du­zi­do com com­pe­ten­tên­cia por Daniel Gro­o­ve (au­tor de três can­ções do re­per­tó­rio) e João Vasconcelos, o ál­bum apre­sen­ta uma ar­tis­ta com uma qua­li­da­de pou­co co­mum en­tre es­tre­an­tes: Hé­loa não se pa­re­ce com nin­guém já es­ta­be­le­ci­do na mú­si­ca brasileira.

Fi­lha do mú­si­co Jor­ge Duc­ci e da an­tro­pó­lo­ga Martha Sa­les, Hé­loa ini­ci­ou-se nas ar­tes es­tu­dan­do te­a­tro e can­to lí­ri­co aos 14 anos. Ao mes­mo tem­po em que ou­via a MPB de Al­ceu Va­len­ça, Zé Ra­ma­lho e Gal Cos­ta, ela mer­gu­lha­va di­re­to na fon­te da tra­di­ção por con­ta de sua avó, que ado­ra­va ou­vir Dal­va de Oli­vei­ra, Eli­zeth Car­do­so e May­sa.

Com ex­pe­ri­ên­cia co­mo atriz te­a­tral, Hé­loa for­mou-se em Ar­tes Vi­su­ais an­tes de de­di­car-se to­tal­men­te à mú­si­ca, quan­do já ou­via vo­zes fe­mi­ni­nas da no­va ge­ra­ção - en­tre elas, Céu, Ma­ri­a­na Ay­dar, An­dréia Dias e Tu­li­pa Ruiz.

“É en­gra­ça­do ago­ra eu apa­re­cer em ma­té­ri­as ao la­do des­sas can­to­ras, por­que es­sa ge­ra­ção me in­flu­en­ci­ou mui­to”, afir­ma Hé­loa, que re­si­de em São Pau­lo des­de agos­to do ano pas­sa­do.

AUTOBIOGRÁFICO

Ape­sar de as­si­nar ape­nas uma fai­xa do dis­co, A Avenida (em par­ce­ria com o bai­a­no Edu­ar­do Es­ca­riz), Hé­loa trans­for­ma Eu num tra­ba­lho autobiográfico, com can­ções que tra­du­zem a che­ga­da de uma vi­a­jan­te nor­des­ti­na a uma gran­de me­tró­po­le.

As fai­xas 4 e 5 ex­pli­ci­tam is­so: Ca­ra­va­na (1975), de Ge­ral­do Aze­ve­do e Al­ceu Va­len­ça, que fa­la em “cor­ra, não pa­re, não pen­se de­mais/ Re­pa­re es­sas ve­las no cais/ Que a vi­da é ci­ga­na/ É ca­ra­va­na”; e a já ci­ta­da A Avenida: “A avenida e es­ses car­ros que tran­si­tam en­tre si­nais/ A mi­nha vi­da é um co­ra­ção em bus­ca de um cais”.

“Se pu­des­se, eu não saía de Ara­ca­ju, e é por is­so que eu es­tou sem­pre re­tor­nan­do pa­ra lá, por­que mi­nha ca­sa é mi­nha re­fe­rên­cia e cons­tru­ção his­tó­ria, mas en­ten­do que São Pau­lo é im­por­tan­te pa­ra meu cres­ci­men­to. É uma ci­da­de que tem gen­te de to­do lu­gar e on­de po­de­mos cri­ar mais con­ta­tos, fa­lar so­bre pro­je­tos, pro­du­ção fo­no­grá­fi­ca. O dis­co tra­duz is­so, es­sa che­ga­da, no­vos con­ta­tos, adap­ta­ção”, con­ta.

De gui­tar­ras ro­quei­ras ao ro­man­tis­mo po­pu­lar, a can­to­ra tam­bém fas­ci­na na óti­ma re­lei­tu­ra de Crua, de Ot­to, mú­si­co que ela ou­via na ado­les­cên­cia e de qu­em tor­nou-se ami­ga. “Ele sem­pre foi uma ins­pi­ra­ção pa­ra mim”, diz a bo­ni­ta ar­tis­ta que abre o dis­co pe­din­do pro­te­ção pa­ra a sua jor­na­da. Axé, Hé­loa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.