Pra ba­ter e fi­car

Correio da Bahia - - Esporte -

Não dá mais pra ter su­ces­so na era dos pon­tos cor­ri­dos sem se or­ga­ni­zar. Pal­mei­ras e Fla­men­go são a pro­va dis­so. Tra­ta­ram o sa­ne­a­men­to das fi­nan­ças co­mo pri­o­ri­da­de e mo­der­ni­za­ram su­as ges­tões. So­fre­ram mui­to em cam­po, é ver­da­de, che­ga­ram até a fler­tar com o re­bai­xa­men­to, mas o re­sul­ta­do es­tá aí. Não são cam­peão e vir­tu­al vice do atu­al Bra­si­lei­rão por aca­so.

Com Mar­ce­lo Sant’Ana, fora de cam­po, o Bahia se­gue a mes­ma fi­lo­so­fia. A atu­al di­re­ção tem fei­to um tra­ba­lho ad­mi­nis­tra­ti­vo no­tá­vel. A dí­vi­da do clu­be foi di­mi­nuí­da e há mui­to tem­po não se vê fa­lar em sa­lá­rio atra­sa­do no Fa­zen­dão, por exem­plo.

O de­sem­pe­nho den­tro das qua­tro li­nhas é que tem dei­xa­do o tor­ce­dor res­sa­bi­a­do, ape­sar do aces­so. O ti­me su­biu, é ver­da­de, mas so­freu de­mais, bem além do es­pe­ra­do. Es­sa di­fi­cul­da­de apon­ta o que precisa mu­dar: a ges­tão do fu­te­bol.

O tri­co­lor er­rou nas es­co­lhas de Do­ri­va e de mui­tos jo­ga­do­res. Pre­ci­sou mu­dar o téc­ni­co e pra­ti­ca­men­te con­tra­tar um ti­me in­tei­ro no meio da Série B. Con­se­guiu su­bir mui­to por cau­sa do pés­si­mo ní­vel téc­ni­co do cam­pe­o­na­to. Tão fra­co que o Bahia pô­de se dar ao lu­xo de per­der na úl­ti­ma ro­da­da e ven­cer ape­nas três par­ti­das co­mo vi­si­tan­te.

A Série A não vai per­do­ar os mes­mos er­ros. Na eli­te, o Bahia não se­rá um dos mais ri­cos. O or­ça­men­to me­nor que a mai­o­ria não vai per­mi­tir ele­var dras­ti­ca­men­te o pa­ta­mar do elen­co du­ran­te o cam­pe­o­na­to, co­mo acon­te­ceu nes­ta se­gun­do­na. O Bahia tem que mu­dar a ma­nei­ra de ge­rir o fu­te­bol, pa­ra, ano que vem, não ba­ter e vol­tar.

Fora de cam­po, a di­re­ção do Bahia tem

fei­to um tra­ba­lho no­tá­vel. A di­fi­cul­da­de em su­bir apon­ta o que precisa mu­dar: a ges­tão

do fu­te­bol

2017

Mui­tos tor­ce­do­res me per­gun­ta­ram qu­em man­te­ria pa­ra 2017. En­tre os ti­tu­la­res, por mim, só fi­ca­ri­am Edu­ar­do, Jack­son, Tiago, Moi­sés, Ju­ni­nho e Luiz An­to­nio. A gra­ti­dão não po­de fa­zer o Bahia re­fém da in­ca­pa­ci­da­de. E Gu­to Fer­rei­ra? O tra­ba­lho dei­xou a de­se­jar pe­la in­con­sis­tên­cia fora de ca­sa. Mas os re­sul­ta­dos e, prin­ci­pal­men­te, a pos­tu­ra do ti­me na Fon­te No­va, cre­den­ci­am a per­ma­nên­cia.

MÉ­RI­TO

O gran­de des­ta­que do Bahia nes­ta Série B foi a cam­pa­nha em ca­sa. Não só pe­la in­crí­vel sequên­cia de no­ve vi­tó­ri­as. Mas, prin­ci­pal­men­te, pe­la for­ma de jo­gar. Mar­can­do al­to, en­cur­tan­do o cam­po pa­ra o ad­ver­sá­rio, usan­do a pres­são da tor­ci­da a seu fa­vor, o tri­co­lor se impôs na Fon­te. Man­ter es­sa pe­ga­da vai ser es­sen­ci­al pa­ra fa­zer um Bra­si­lei­rão se­gu­ro.

SEM DES­CUL­PA

Os maus car­to­las cos­tu­mam usar um cer­to de­ter­mi­nis­mo econô­mi­co e ge­o­grá­fi­co pa­ra jus­ti­fi­car as pí­fi­as cam­pa­nhas dos bai­a­nos em Bra­si­lei­ros. Di­zem que não dá pa­ra com­pe­tir com os ti­mes do Sul por­que eles têm mui­to mais di­nhei­ro e que, por is­so, te­mos que nos con­for­mar com a par­te de bai­xo da ta­be­la. É um dis­cur­so me­dío­cre e con­for­mis­ta, que só ser­ve pa­ra mas­ca­rar a in­com­pe­tên­cia des­ses di­ri­gen­tes. O pi­or é que tem tor­ce­dor que co­me es­sa pi­lha e ain­da re­pro­duz a fa­la.

A Cha­pe­co­en­se es­tá aí pa­ra des­men­tir es­ses car­to­las ruins. Com me­nos gra­na e tra­di­ção que Bahia e Vi­tó­ria, o clu­be ca­ta­ri­nen­se vai pro quar­to ano se­gui­do de pri­mei­ra di­vi­são, sem so­fri­men­to. Em to­das es­sas edi­ções, che­gou à re­ta fi­nal sem ame­a­ça de re­bai­xa­men­to. Ago­ra, po­de ir além – che­ga na úl­ti­ma ro­da­da com chan­ces de ir pa­ra a Li­ber­ta­do­res. Se a va­ga não vi­er pe­lo Bra­si­lei­ro, po­de vir pe­la Sul-Ame­ri­ca­na, da qual a Cha­pe é fi­na­lis­ta. Se eles po­dem, por que nós não po­de­mos?

EM TEM­PO

Na era de pon­tos cor­ri­dos, o Bahia só con­se­guiu fi­car qua­tro anos se­gui­dos na eli­te uma vez – de 2010 a 2014. Um re­cor­de en­tre os nor­des­ti­nos. O Vi­tó­ria nun­ca pas­sou mais de du­as tem­po­ra­das con­se­cu­ti­vas, no atu­al mo­do de dis­pu­ta do Bra­si­lei­rão. O má­xi­mo de um ti­me bai­a­no em com­pe­ti­ções internacionais foi a quar­ta de fi­nal da Li­ber­ta­do­res de 1989, quan­do o Bahia foi eli­mi­na­do pe­lo In­ter.

da­ri­no.sena@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.