So­mos to­dos Cha­pe; e Na­ci­o­nal tam­bém

Correio da Bahia - - Especial - Her­bem Gra­ma­cho

Ter um se­gun­do ti­me pa­ra tor­cer nun­ca foi al­go ra­ro no Bra­sil. O ru­bro-ne­gro unido pe­las co­res de Vi­tó­ria e Fla­men­go; o tri­co­lor sim­pá­ti­co tam­bém ao São Paulo; o ci­da­dão que dei­xa o in­te­ri­or, on­de cres­ceu tor­cen­do por um ti­me do Rio, e es­co­lhe um ti­me lo­cal quan­do che­ga à ca­pi­tal. Nos úl­ti­mos anos, a no­va ge­ra­ção foi além mar. Ine­bri­a­da pe­la Li­ga dos Cam­peões da Eu­ro­pa e pe­los dri­bles do vi­de­o­ga­me, pas­sou a des­fi­lar com ca­mi­sas de Bar­ce­lo­na, Re­al Ma­drid, Chel­sea e Man­ches­ter Uni­ted pe­las ru­as. Ago­ra, uma fa­ta­li­da­de deu um no­vo se­gun­do ti­me ao po­vo bra­si­lei­ro. E, se não for pe­dir de­mais, um ter­cei­ro tam­bém. A Cha­pe­co­en­se já era uma equi­pe sim­pá­ti­ca an­tes do aci­den­te. Ti­me pe­que­no, de uma ci­da­de do in­te­ri­or, sem mui­to di­nhei­ro, sem me­da­lhões, mas sem­pre an­dan­do na li­nha, cres­cen­do aos pou­cos, sem dar um pas­so além de on­de a per­na al­can­ça.

Com sim­pli­ci­da­de, faz o que pa­re­ce im­pos­sí­vel pa­ra os gran­des do fu­te­bol bai­a­no (já me­di­a­nos em ní­vel na­ci­o­nal), que é dis­pu­tar a Sé­rie A por três anos se­gui­dos sem so­frer com ame­a­ça de re­bai­xa­men­to. Sur­pre­en­deu ain­da mais quan­do clas­si­fi­cou pa­ra a de­ci­são da Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na. Se­ria a pri­mei­ra gran­de fi­nal da his­tó­ria do clu­be, que che­gou lá sem pou­par o ti­me no Bra­si­lei­rão – en­quan­to por aqui, os di­ri­gen­tes acham que não é pos­sí­vel jo­gar os dois tor­nei­os ao mes­mo tem­po com a mes­ma for­ça.

A sim­pa­tia da Cha­pe não vem por tra­di­ção nem por mo­da. Vi­nha pe­lo gos­to qua­se na­tu­ral que te­mos de tor­cer por Da­vi di­an­te de Go­li­as. Ago­ra, vem pe­la fra­ter­ni­da­de, es­te sen­ti­men­to tão no­bre que ema­na nos mo­men­tos de dor in­ten­sa e nos faz en­xer­gar o que o ser hu­ma­no tem de me­lhor.

É lin­do ver que, em um dia, 13 mil pes­so­as so­li­ci­ta­ram ade­são ao pla­no de sócios da Cha­pe­co­en­se na ten­ta­ti­va de aju­dar fi­nan­cei­ra­men­te o clu­be des­tro­ça­do. É lin­do ver a so­li­da­ri­e­da­de aflo­rar de to­dos os can­tos, co­mo fez a mai­o­ria dos ti­mes bra­si­lei­ros, co­mo fez o po­vo de Cha­pe­có. Por is­so, so­mos to­dos Cha­pe­co­en­se.

Mas é pre­ci­so ca­ber mais um no co­ra­ção, pois não te­mos só a Cha­pe pa­ra abra­çar. Des­de on­tem, sou Atlé­ti­co Na­ci­o­nal de Me­del­lín des­de pe­que­ni­ni­nho. Por­que a ho­me­na­gem que os co­lom­bi­a­nos fi­ze­ram a nós, bra­si­lei­ros, não se es­que­ce na vida. Se o pe­di­do de ces­são do tí­tu­lo pa­ra a Cha­pe­co­en­se já era de um al­truís­mo ines­pe­ra­do, a ce­rimô­nia no es­tá­dio Ata­na­sio Gi­rar­dot não ca­be nem em uma de­ze­na dos me­lho­res ad­je­ti­vos que a lín­gua por­tu­gue­sa dis­põe. Foi de uma gran­di­o­si­da­de in­crí­vel, de uma sen­si­bi­li­da­de ex­tre­ma pa­ra um even­to que não te­ve se­quer 48 ho­ras de pre­pa­ra­ção. E o Atlé­ti­co não ti­nha obri­ga­ção de fa­zer na­da dis­so.

A ho­me­na­gem par­tiu de quem se­ria ad­ver­sá­rio. Foi abra­ça­da pe­lo go­ver­no da An­ti­o­quia, pe­la pre­fei­tu­ra de Me­del­lín e, prin­ci­pal­men­te, pe­la tor­ci­da do Atlé­ti­co Na­ci­o­nal, pe­lo po­vo co­lom­bi­a­no. Um po­vo que nos abra­çou e aco­lheu co­mo se ti­ves­sem per­di­do seus ami­gos mais ín­ti­mos. O Atlé­ti­co Na­ci­o­nal foi de uma aten­ção es­pe­ci­al des­de as pri­mei­ras ho­ras após o aci­den­te, quan­do co­me­çou a pu­bli­car no­tí­ci­as em por­tu­guês e co­lo­cou uma li­nha te­lefô­ni­ca vol­ta­da pa­ra dar in­for­ma­ções aos fa­mi­li­a­res e ami­gos das ví­ti­mas. Na ter­ça-fei­ra, o trei­na­dor do ti­me, Rei­nal­do Ru­e­da, foi ao hos­pi­tal ver as ví­ti­mas da tragédia, em­bo­ra na­da pos­sa fa­zer por elas.

Co­mo bra­si­lei­ro, fi­co com a sen­sa­ção que, a par­tir de ago­ra, te­mos uma “dí­vi­da” com os co­lom­bi­a­nos. Uma dí­vi­da de ca­ri­nho, de aten­ção, de so­li­da­ri­e­da­de, dí­vi­da que di­nhei­ro ne­nhum pa­ga. Co­mo fã de fu­te­bol, mi­nha ma­nei­ra de qui­tar es­sa dí­vi­da é tor­cer por es­se ti­me tão fan­tás­ti­co.

E ain­da tem quem abra a bo­ca pra di­zer que fu­te­bol é só um jo­go. De­fi­ni­ti­va­men­te, não é.

Sou Atlé­ti­co Na­ci­o­nal de

Me­del­lín des­de pe­que­ni­ni­nho. Por­que a

ho­me­na­gem que os co­lom­bi­a­nos fi­ze­ram a nós, bra­si­lei­ros, não se

es­que­ce na vida

her­bem.gra­ma­cho@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.