Ci­en­tis­tas da Uf­ba des­ven­dam ca­sos in­co­muns de leish­ma­ni­o­se

Correio da Bahia - - Bahia -

PES­QUI­SA Cer­ca de um milhão de ca­sos anu­ais de leish­ma­ni­o­se não se en­cai­xam na de­fi­ni­ção da do­en­ça: os pa­ci­en­tes têm sin­to­mas in­co­muns e os me­di­ca­men­tos pa­drões não fun­ci­o­nam. O mis­té­rio aca­ba de ser des­ven­da­do por um gru­po de ci­en­tis­tas da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia (Uf­ba). Se­gun­do eles, o res­pon­sá­vel pe­los ca­sos atí­pi­cos é um pa­ra­si­ta com va­ri­a­ções ge­né­ti­cas dis­tin­tas das li­nha­gens que são co­nhe­ci­das. Até ago­ra, os ci­en­tis­tas acha­vam que a ano­ma­lia ve­ri­fi­ca­da em mui­tos pa­ci­en­tes era pro­vo­ca­da por al­gu­ma con­di­ção es­pe­ci­al de seus pró­pri­os or­ga­nis­mos, co­mo uma gra­vi­dez ou do­en­ças crô­ni­cas. Mas a no­va pes­qui­sa, pu­bli­ca­da on­tem na re­vis­ta Plos Ne­glec­ted Tro­pi­cal Di­se­a­ses, re­ve­la que a cau­sa es­ta­va mes­mo nos ge­nes da Leish­ma­nia, o pa­ra­si­ta que cau­sa a do­en­ça. O es­tu­do foi li­de­ra­do por Luiz Hen­ri­que Gui­ma­rães e Al­bert Sch­ri­e­fer, am­bos da Uf­ba, en­tre 2005 e 2012. A iden­ti­fi­ca­ção pre­ci­sa dos ca­sos atí­pi­cos é im­por­tan­te, se­gun­do os ci­en­tis­tas, “por­que o or­ga­nis­mo do pa­ci­en­te que con­traiu o pa­ra­si­ta com as va­ri­a­ções ge­né­ti­cas não res­pon­de às dro­gas uti­li­za­das nor­mal­men­te con­tra a leish­ma­ni­o­se, mas res­pon­de a ou­tros tra­ta­men­tos dis­po­ní­veis”. A equi­pe co­or­de­na­da por Gui­ma­rães e Sch­ri­e­fer acom­pa­nhou 51 pa­ci­en­tes com ca­sos atí­pi­cos de leish­ma­ni­o­se (CAL) e ou­tros 51 com leish­ma­ni­o­se cu­tâ­nea (LC) co­mum. Além de da­dos clí­ni­cos, os ci­en­tis­tas co­le­ta­ram amos­tras de san­gue e de pe­le pa­ra es­tu­dar a ge­né­ti­ca do pa­ra­si­ta que in­fec­ta­va ca­da pa­ci­en­te e a res­pos­ta do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co des­ses pa­ci­en­tes. Os pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram que, em com­pa­ra­ção aos pa­ci­en­tes com LC, os que es­ta­vam in­fec­ta­dos com CAL ti­nham um nú­me­ro bem mai­or de le­sões. Em ge­ral, a do­en­ça dos pa­ci­en­tes com CAL é mais du­ra­dou­ra e tem mais pro­ba­bi­li­da­de de re­sis­tir ao an­timô­nio, a subs­tân­cia pa­drão uti­li­za­da no Bra­sil pa­ra o tra­ta­men­to da do­en­ça. En­quan­to 98% dos pa­ci­en­tes com LC fo­ram cu­ra­dos de­pois de uma ou du­as aplicações da dro­ga, ape­nas 35% dos pa­ci­en­tes com CAL se li­vra­ram da do­en­ça de­pois de du­as aplicações. Os pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram ain­da que a CAL en­con­tra­da no Nor­des­te do Bra­sil é cau­sa­da por uma li­nha­gem ge­ne­ti­ca­men­te dis­tin­ta da Leish­ma­nia bra­zi­li­en­sis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.