La­drões ren­dem fun­ci­o­ná­ri­os de lo­ja, mas são fla­gra­dos pe­la PM

Correio da Bahia - - Bahia - TAILANE MU­NIZ

CAJAZEIRAS Do­ze fun­ci­o­ná­ri­os das Lo­jas Ame­ri­ca­nas, na Es­tra­da da Pa­ci­ên­cia, em Cajazeiras 8, fo­ram ren­di­dos on­tem, du­ran­te uma ten­ta­ti­va de as­sal­to, en­quan­to abri­am o es­ta­be­le­ci­men­to. Qua­tro ho­mens ar­ma­dos che­ga­ram por vol­ta das 8h. Se­gun­do tes­te­mu­nhas, dois sus­pei­tos fi­ca­ram na fren­te do es­ta­be­le­ci­men­to en­quan­to os ou­tros dois en­tra­ram, ren­de­ram os fun­ci­o­ná­ri­os e le­va­ram to­dos pa­ra o fun­do da lo­ja. A po­lí­cia foi aci­o­na­da e uma equi­pe da 13ª Com­pa­nhia In­de­pen­den­te de Po­lí­cia Militar (CIPM/Cajazeiras) con­se­guiu fla­grar a ação do gru­po. Três aca­ba­ram pre­sos. Os po­li­ci­ais ren­de­ram os dois ban­di­dos na fren­te da lo­ja. Um dos la­drões que en­tra­ram se en­tre­gou e o quar­to sus­pei­to con­se­guiu fu­gir. “Gra­ças a Deus a po­lí­cia che­gou a tem­po de evi­tar uma coi­sa pi­or”, dis­se um fun­ci­o­ná­rio, que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car. Se­gun­do a PM, an­tes de anun­ci­ar o as­sal­to, os sus­pei­tos ti­nham ren­di­do um cli­en­te do la­do de fo­ra da lo­ja e obri­ga­do a ví­ti­ma a re­a­li­zar com­pras. Não se sa­be por on­de o quar­to sus­pei­to con­se­guiu fu­gir. Amado Jor­ge Santos Cruz, 22, Ge­or­ge Al­ber­to de San­ta­na Nas­ci­men­to, 24, e Tiago Santos de Araújo, 26, fo­ram pre­sos em fla­gran­te e le­va­dos pa­ra a 13ª De­le­ga­cia (Cajazeiras), on­de fo­ram au­tu­a­dos pe­la ti­tu­lar, Al­ve­ren­da Oli­vei­ra. Até a noi­te de on­tem, o quar­to sus­pei­to não ha­via si­do iden­ti­fi­ca­do ou pre­so. Ele es­ta­va ar­ma­do. Os re­pre­sen­tan­tes da lo­ja não qui­se­ram co­men­tar o ocor­ri­do. O es­ta­be­le­ci­men­to foi re­a­ber­to por vol­ta das 10h30 e fun­ci­o­nou nor­mal­men­te. Na­da foi rou­ba­do. Cli­en­te da lo­ja, a do­na de ca­sa Cre­mil­da Lu­ci­a­no de Je­sus, 50 anos, re­cla­mou da in­se­gu­ran­ça no lo­cal. “Na­da es­ca­pa ago­ra. A pes­soa não tem nem o di­rei­to de fa­zer as com­pras em paz, coi­ta­dos dos fun­ci­o­ná­ri­os”, dis­se. “Co­mo é que es­ses ho­mens con­se­gui­ram en­trar aqui? A gen­te não tem se­gu­ran­ça em ne­nhum lu­gar mes­mo”, co­men­tou a as­sis­ten­te de en­fer­ma­ria Dé­bo­ra Nas­ci­men­to, 24.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.