Os fa­tos e a ame­a­ça

Correio da Bahia - - Economia -

As as­si­na­tu­ras do acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da e do acor­do de le­ni­ên­cia da Ode­bre­cht aca­ba­ram acon­te­cen­do quan­do es­tá em cur­so a mais for­te re­a­ção dos po­lí­ti­cos aos pro­ces­sos de in­ves­ti­ga­ção da cor­rup­ção no país. Não é me­ra coin­ci­dên­cia. Vá­ri­os de­les es­tão se sen­tin­do ame­a­ça­dos exa­ta­men­te pe­las re­ve­la­ções que os 77 exe­cu­ti­vos po­de­rão fa­zer so­bre os fi­nan­ci­a­men­tos elei­to­rais.

Quem tem al­gu­ma dú­vi­da so­bre a im­por­tân­cia da La­va-Ja­to pa­ra o país de­ve con­ver­sar com di­re­to­res da Pe­tro­bras. Foi o que fiz on­tem, em pro­gra­ma na Glo­bonews. O di­re­tor fi­nan­cei­ro, Ivan Mon­tei­ro, dis­se que a La­va-Ja­to foi fun­da­men­tal pa­ra a com­pa­nhia por­que ela tem ins­tru­men­tos que a em­pre­sa não dis­põe.

— A Pe­tro­bras não tem os ins­tru­men­tos de in­ves­ti­ga­ção que a Jus­ti­ça e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pos­su­em, por is­so ja­mais che­ga­ria aon­de a ope­ra­ção che­gou. É im­por­tan­te que to­dos os va­lo­res sub­traí­dos se­jam de­vol­vi­dos à com­pa­nhia — diz Mon­tei­ro.

A Pe­tro­bras é as­sis­ten­te de acu­sa­ção, e por is­so es­tá ao la­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co in­ter­ro­gan­do os in­ves­ti­ga­dos e réus. Es­sa de­ci­são to­ma­da no ano pas­sa­do foi fun­da­men­tal, se­gun­do o di­re­tor fi­nan­cei­ro, pa­ra a re­pu­ta­ção da Pe­tro­bras jun­to aos ór­gãos de con­tro­le, o mer­ca­do, a pró­pria La­va-Ja­to.

— Is­so de­mons­tra a nos­sa ati­tu­de. A Pe­tro­bras é ví­ti­ma de um ca­so ab­sur­do em que fo­ram sub­traí­dos va­lo­res in­de­vi­da­men­te da com­pa­nhia. É di­fí­cil sa­ber quan­to foi sub­traí­do. Com es­ses ins­tru­men­tos que a La­va-Ja­to pos­sui, a gen­te iden­ti­fi­ca e po­de, jun­to com os pro­cu­ra­do­res, co­brar des­sas pes­so­as a de­vo­lu­ção do que foi des­vi­a­do. Até ago­ra, re­ce­be­mos R$ 660 mi­lhões. Es­tar lá, ao la­do do MP, de­mons­tra a ati­tu­de da Pe­tro­bras de co­la­bo­rar com as au­to­ri­da­des. E mes­mo se to­dos os va­lo­res em di­nhei­ro vol­ta­rem, há ain­da o pre­juí­zo de ima­gem que a com­pa­nhia te­ve — dis­se o di­re­tor fi­nan­cei­ro.

O di­re­tor de es­tra­té­gia, Nelson Sil­va, acha que a La­va-Ja­to aju­dou a Pe­tro­bras tam­bém em mu­dan­ças in­ter­nas de ges­tão.

— Hou­ve, a par­tir da La­va-Ja­to, o for­ta­le­ci­men­to dos sis­te­mas de con­tro­le. Acon­te­ceu uma me­lho­ra bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­va na go­ver­nan­ça. Cri­a­mos um ca­nal in­de­pen­den­te de de­nún­cia. Foi es­ta­be­le­ci­do um sis­te­ma de decisões com­par­ti­lha­das de in­ves­ti­men­to em que ca­da eta­pa do pro­ces­so pas­sa por um co­mi­tê e ne­nhum in­ves­ti­men­to de­pen­de de uma pes­soa só. As gran­des decisões vão aos con­se­lhos. A La­va-Ja­to es­tá aju­dan­do a re­cu­pe­rar va­lo­res pa­ra a mai­or em­pre­sa do país, pro­pi­ci­ou mo­der­ni­za­ção de ges­tão, uso de no­vos mé­to­dos de con­tro­le, e es­tá per­mi­tin­do a re­cu­pe­ra­ção da re­pu­ta­ção da com­pa­nhia. Se fi­zes­se só is­so, já te­ria fei­to mui­to pe­lo país. A Ode­bre­cht vai pagar a mai­or in­de­ni­za­ção já pa­ga por uma em­pre­sa, e co­me­ça, a par­tir de ago­ra, a vi­ver um ou­tro mo­men­to, o pós-La­va-Ja­to. “É uma pá­gi­na vi­ra­da”, dis­se um in­te­gran­te da em­pre­sa. As van­ta­gens pa­ra o país des­sas mu­dan­ças es­tru­tu­rais na Ode­bre­cht, e dos no­vos com­pro­mis­sos que a cons­tru­to­ra as­su­me a par­tir de ho­je, são imen­sas. Mes­mo com to­dos es­ses be­ne­fí­ci­os, a La­va-Ja­to en­fren­ta o mais du­ro ata­que dos po­lí­ti­cos. Nin­guém ad­mi­te es­tar ata­can­do a ope­ra­ção, mas é ela que es­tá sob ris­co quan­do se ame­a­ça pro­cu­ra­do­res.

Não era de se es­pe­rar que o pa­co­te das dez me­di­das an­ti­cor­rup­ção fos­se apro­va­do na ín­te­gra. Evi­den­te­men­te, ha­ve­ria mu­dan­ças, su­pres­sões e in­clu­sões. O Con­gres­so foi elei­to com es­se po­der. O problema é que, das dez, oi­to fo­ram re­jei­ta­das, e o que foi in­cluí­do é exa­ta­men­te o opos­to da in­ten­ção do pro­je­to. O mi­nis­tro Gil­mar Men­des dis­se que a “Câ­ma­ra man­dou bem”. In­fe­liz­men­te, a Câ­ma­ra man­dou às fa­vas os es­crú­pu­los ao vo­tar me­di­das tão cla­ra­men­te opos­tas ao que se que­ria quan­do o pro­je­to foi en­vi­a­do. En­tre o que foi der­ru­ba­do, es­tá, por exem­plo, a me­di­da que tor­na cri­me o en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to de agen­te pú­bli­co. En­tão o que que­rem os de­pu­ta­dos? Que não se­ja cri­me? Os de­pu­ta­dos apro­va­ram no pro­je­to me­di­das que in­ti­mi­dam juí­zes e pro­cu­ra­do­res. Cla­ra­men­te. Em um dos ab­sur­dos es­tá o de pu­nir com pri­são juiz ou pro­cu­ra­dor que “ex­pres­sar por qual­quer meio de co­mu­ni­ca­ção juí­zo de­pre­ci­a­ti­vo so­bre des­pa­chos, vo­tos ou sen­ten­ças ju­di­ci­ais”. O país te­rá que es­co­lher en­tre as con­quis­tas do com­ba­te à cor­rup­ção ou es­ta lei com que de­pu­ta­dos ten­tam in­ti­mi­dar seus in­ves­ti­ga­do­res e jul­ga­do­res.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.