Santa Bár­ba­ra dos mer­ca­dos

Correio da Bahia - - Mais - Nelson Ca­de­na

Du­ran­te mais de uma dé­ca­da, a bai­a­na de aca­ra­jé Eu­li­na Ma­ria dos Santos che­gou mais ce­do do que de cos­tu­me a seu pon­to de ven­da, no 4 dezembro, com o ob­je­ti­vo de pre­pa­rar o ce­ná­rio pa­ra o cum­pri­men­to de uma pro­mes­sa fei­ta a Santa Bár­ba­ra. A de­vo­ta de Ian­sã en­fei­ta­va, nes­se dia, o seu ta­bu­lei­ro com flo­res e fras­cos de per­fu­me e acen­dia fi­le­tes de in­cen­so. Ce­ná­rio pos­to, li­ga­va um pri­mi­ti­vo apa­re­lho de som que ir­ra­di­a­va ba­tu­ca­das dos ter­rei­ros e du­ran­te to­do o dia Eu­li­na dis­tri­buía sor­ri­sos e 2 mil aca­ra­jés e aba­rás em ob­sé­quio pa­ra cen­te­nas de pes­so­as que fa­zi­am fi­la en­tre as ru­as Eu­cli­des da Cu­nha e Rio de São Pe­dro, na Gra­ça.

Eu­li­na cum­pria as­sim a pro­mes­sa fei­ta, ain­da no fi­nal da dé­ca­da de 60, após ou­vir cer­ta noi­te uma voz que lhe re­co­men­da­va ter fé em Santa Bár­ba­ra e cum­prir uma obri­ga­ção que, se as­sim fei­to, o seu ir­mão, já de­sen­ga­na­do por cin­co mé­di­cos, po­de­ria se re­cu­pe­rar. A bai­a­na te­ve fé e o seu ir­mão foi sal­vo. Eu­li­na cum­pria to­dos os anos, ri­go­ro­sa­men­te, o pre­cei­to as­su­mi­do, ape­nas la­men­ta­va não acom­pa­nhar a pro­cis­são que, na­que­le tem­po, saía do mer­ca­do da Bai­xa dos Sa­pa­tei­ros e ia até a Igre­ja da Or­dem Ter­cei­ra do Car­mo, e nem co­mer o ca­ru­ru de 40 mil qui­a­bos, di­li­gen­te­men­te pre­pa­ra­do pe­las mãos das mães de santo do­na Car­mé­lia e do­na To­ni­nha.

Do­na Eu­li­na ti­nha ra­zão em ce­le­brar o even­to dis­tri­buin­do um ali­men­to à po­pu­la­ção, afi­nal a fes­ta em ho­me­na­gem à santa nas­ceu e se con­so­li­dou em tor­no dos mer­ca­dos que abas­te­ci­am a ci­da­de. Na­que­le tem­po, os de São João e o de Santa Bár­ba­ra, am­bos na Ci­da­de Bai­xa, cum­pri­am es­se pa­pel. O de Santa Bár­ba­ra nas­ceu no Mor­ga­do do mes­mo no­me, on­de exis­tiu uma ca­pe­la em ho­me­na­gem ao ora­go, par­ci­al­men­te des­truí­da no in­cên­dio do Ho­tel das Na­ções de 1876 e to­tal­men­te des­truí­da em ou­tro in­cên­dio ocor­ri­do no es­pa­ço. Foi nes­se lo­cal que sur­giu o mer­ca­do com o no­me da santa, de­sa­ti­va­do já no pri­mei­ro de­cê­nio do sé­cu­lo XX, di­an­te da ne­ces­si­da­de da ur­ba­ni­za­ção da área pa­ra dar sequên­cia às obras de am­pli­a­ção do Por­to.

Com a de­sa­ti­va­ção do Mer­ca­do de Santa Bár­ba­ra, trans­fe­riu-se o es­pa­ço ge­o­grá­fi­co da fes­ta pa­ra a Bai­xa dos Sa­pa­tei­ros e o Pe­lou­ri­nho. Um mer­ca­do cons­truí­do na J. J Se­a­bra no iní­cio do sé­cu­lo, e que até en­tão ti­nha co­mo pa­dro­ei­ra Nos­sa Se­nho­ra da Guia, pas­sou a ser a re­fe­rên­cia sim­bó­li­ca do even­to que, di­fe­ren­te das de­mais fes­tas po­pu­la­res de Sal­va­dor, não era or­ga­ni­za­da por ir­man­da­des ou co­mis­sões de mo­ra­do­res. O mer­ca­do da Bai­xa dos Sa­pa­tei­ros pas­sou a se cha­mar de Santa Bár­ba­ra e tu­do in­di­ca que foi ali que nas­ceu e se con­so­li­dou a prá­ti­ca do ca­ru­ru em ho­me­na­gem a Ian­sã. Mais tar­de dis­se­mi­na­da em ou­tros es­pa­ços da ci­da­de, co­mo no an­ti­go Mer­ca­do do Pei­xe, no Rio Ver­me­lho, ho­je Vi­la Ca­ra­mu­ru.

No sé­cu­lo XIX e até a dé­ca­da de 1930, a Fes­ta de Santa Bár­ba­ra, pe­la sua ca­rac­te­rís­ti­ca os­ten­si­va­men­te po­pu­lar, era a fes­ta in­vi­sí­vel da ci­da­de. Os jor­nais ape­nas re­gis­tra­vam o cul­to oficial ce­le­bra­do pe­la Igre­ja Ca­tó­li­ca na igre­ja do Cor­po Santo. Era um even­to que reu­nia ca­po­ei­ris­tas, ro­das de sam­ba, mui­ta be­bi­da e, em al­gum mo­men­to o ca­ru­ru, ho­je tra­di­ci­o­nal. E tu­do is­so pas­sa­va des­per­ce­bi­do, sal­vo al­gum in­ci­den­te vi­o­len­to, uma bri­ga tor­na­da pú­bli­ca nas no­tas po­li­ci­ais dos jor­nais. Di­fe­ren­te das de­mais fes­tas de Sal­va­dor, a de Santa Bár­ba­ra não ti­nha o for­ma­to de bar­ra­cas em vol­ta da igre­ja, fo­gos de plan­ta, quer­mes­ses, lei­lões, ro­ma­ria ma­rí­ti­ma, pau de se­bo, ca­va­li­nhos, con­cur­sos e nem a la­va­gem das es­ca­da­ri­as do tem­plo.

A tra­di­ção do ca­ru­ru, co­mi­da de santo, o Ama­lá, ri­tu­al vo­ti­vo de Xangô, Ian­sã, Obá e Ibê­ji, em qual­quer tem­po em que te­nha se ori­gi­na­do es­ta pra­ti­ca no con­tex­to do even­to, mar­cou em de­fi­ni­ti­vo um tra­ço des­sa fes­ta que se con­so­li­dou co­mo uma ce­le­bra­ção sin­cré­ti­ca, com for­tes ele­men­tos da cul­tu­ra afro. Eu­li­na ti­nha ra­zões de so­bra pa­ra agra­de­cer a Santa Bár­ba­ra, no pre­cei­to as­su­mi­do, pra­ti­can­do a dis­tri­bui­ção gra­tui­ta de mi­lha­res de aca­ra­jés. Não era ca­ru­ru, mas era tam­bém co­mi­da santa.

nca­de­na2006@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.