Em meio à dor, nas­ce um amor ver­do­lar­ga

Correio da Bahia - - Especial -

É pre­ci­so cri­ar uma no­va pa­la­vra no di­ci­o­ná­rio pa­ra ad­je­ti­var o que o Atlé­ti­co Na­ci­o­nal e o po­vo de Me­del­lín re­a­li­za­ram na noi­te da úl­ti­ma quar­ta-fei­ra no es­tá­dio Ata­na­sio Gi­rar­dot, na ci­da­de co­lom­bi­a­na.

Em me­nos de 48 ho­ras do aci­den­te, o clube ver­do­lar­ga (co­mo é co­nhe­ci­do) or­ga­ni­zou uma ce­rimô­nia de ho­me­na­gem aos mor­tos na tra­gé­dia da Cha­pe­co­en­se da­que­le por­te, que co­mo­veu ca­da pes­soa que te­ve um mi­nu­to pa­ra as­sis­tir.

Eu du­vi­do mui­to que al­go pu­des­se ser re­a­li­za­do no Bra­sil se a si­tu­a­ção fos­se in­ver­sa. Sem le­var em con­ta até a von­ta­de de um clube brasileiro fa­zer um tri­bu­to se­me­lhan­te, uma cor­ren­te de WhatsApp re­su­me bem o que, pro­va­vel­men­te, iria aocn­te­cer. Bu­ro­cra­cia com lau­dos, fal­ta de per­mis­são pa­ra en­trar com ve­las no es­tá­dio, di­fe­ren­ças po­lí­ti­cas...

Em Me­del­lín, a von­ta­de de ho­me­na­ge­ar as ví­ti­mas do aci­den­te pre­va­le­ceu so­bre qual­quer ou­tro problema. Eram mi­lha­res de pes­so­as den­tro e fo­ra no Ata­na­sio, ves­ti­das de bran­co, com ve­las. Can­tan­do o no­me da Cha­pe­co­en­se e dei­xan­do cla­ro que, ago­ra, a união en­tre a ci­da­de e o Bra­sil era in­dis­so­ciá­vel. Tal­vez por se sen­ti­rem um tan­to res­pon­sá­veis pe­lo que acon­te­ceu, o que não é ver­da­de.

A Colôm­bia, da mes­ma for­ma que o Bra­sil, en­fren­ta pro­ble­mas com bri­gas de tor­ce­do­res e com a vi­o­lên­cia no fu­te­bol. O Atlé­ti­co en­con­trou na tra­gé­dia tam­bém uma for­ma de di­zer aos mar­gi­nais tra­ves­ti­dos de tor­ce­do­res que o amor de ca­da tor­ci­da por ca­da clube é igual, só mu­da a ca­mi­sa.

As­sim co­mo os brasileiros, os co­lom­bi­a­nos tor­ce­ram pa­ra que não hou­ves­sem mor­tes. So­cor­ris­tas, po­li­ci­ais, pro­fis­si­o­nais de saú­de se es­for­ça­ram ao má­xi­mo, de­bai­xo de chu­va e su­bin­do e des­cen­do na la­ma do Cer­ro Gor­do pa­ra sal­var vi­das. Se emo­ci­o­na­ram co­mo nós com a tra­gé­dia. E, com to­da a hu­ma­ni­da­de do mun­do, ti­ve­ram em­pa­tia com nos­sa dor. Tam­bém a sen­ti­ram. Trans­for­ma­ram es­sa dor em amor ao pró­xi­mo, num abra­ço, num sen­ti­men­to de so­li­da­ri­e­da­de.

Im­pos­sí­vel não pas­sar a tor­cer pe­lo su­ces­so do Atlé­ti­co Na­ci­o­nal de­pois de ta­ma­nha de­mons­tra­ção de hu­ma­ni­da­de dos co­lom­bi­a­nos. Que a gen­ti­le­za e o amor ver­do­lar­ga se es­pa­lhem pe­lo fu­te­bol. Pre­ci­sa­mos dis­so.

Im­pos­sí­vel não pas­sar a tor­cer pe­lo su­ces­so do Atlé­ti­co Na­ci­o­nal de­pois de ta­ma­nha de­mons­tra­ção de hu­ma­ni­da­de dos

co­lom­bi­a­nos

TIA VE­LHA

En­quan­to o Atlé­ti­co Na­ci­o­nal dá um es­pe­tá­cu­lo de so­li­da­ri­e­da­de, em­pa­tia e com­pai­xão, o In­ter­na­ci­o­nal pa­re­ce a ‘tia ve­lha’ que vai ao en­ter­ro de um pa­ren­te só in­te­res­sa­da na he­ran­ça. Pri­mei­ro, foi o vi­ce-pre­si­den­te Fer­nan­do Car­va­lho com­pa­ran­do a tra­gé­dia da Cha­pe com o re­bai­xa­men­to da equi­pe gaú­cha, com a já “cé­le­bre” fra­se: “Te­mos nos­sa pró­pria tra­gé­dia”. De­pois, o pre­si­den­te Vi­tó­rio Píf­fe­ro, ou pí­fio, já diz que o co­lo­ra­do não quer jo­gar, pois es­tá aba­la­do. Eu da­qui de Sal­va­dor, a 2.303 km de Por­to Ale­gre, já sin­to o chei­ro de vi­ra­da de me­sa.

FIM DE SE­MA­NA

O es­por­te se­gue acon­te­cen­do no fim de se­ma­na. Ama­nhã e do­min­go têm as fi­nais do Cam­pe­o­na­to Bai­a­no de Fut­sal Feminino. Se­rá um tri­an­gu­lar en­vol­ven­do as equi­pes Ed­gard Santos/Bo­rus­sia, Ca­ma­ça­ri/Gru­col e Je­quié Es­por­te Clube, no Co­lé­gio Ed­gard Santos, no Gar­cia. Ama­nhã, às 9h e às 17h, tem jo­go. Do­min­go, às 10h, tam­bém.

No fi­nal de se­ma­na tam­bém acon­te­ce a 4ª eta­pa da Co­pa Bra­sil de BMX 2016, na pis­ta Ter­tu­li­a­no Tor­res, em Pa­ta­ma­res. São seis ca­te­go­ri­as, sen­do du­as pro­fis­si­o­nais, com re­sul­ta­dos con­tan­do pa­ra o ran­kings na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal C1. As pro­vas co­me­çam a par­tir das 14h de ama­nhã e das 8h de do­min­go.

ivan.mar­ques@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.