Sem bo­la e sem a Cha­pe­co­en­se

Correio da Bahia - - Especial - Moy­sés Su­zart e agên­ci­as moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

Co­nhe­ça his­tó­ria de Ri­chard, jo­vem tor­ce­dor que vi­rou sím­bo­lo da tra­gé­dia

Mãe do jo­ga­dor Ana­ni­as, ex-Bahia, mor­to no aci­den­te com o avião da Cha­pe­co­en­se, do­na Ro­sá­lia de­sa­ba­fou. “Acho um ab­sur­do co­mo se pô­de per­der tan­tas vi­das com um er­ro des­se. Foi di­nhei­ro que fal­tou pa­ra es­se ca­ra bo­tar com­bus­tí­vel nes­se avião? Foi por is­so que se fo­ram tan­tas vi­das? Uma vi­da hu­ma­na não tem pre­ço. Uma dor que es­tou sen­tin­do no co­ra­ção, não tem di­nhei­ro que pa­gue”, dis­se ela ao glo­bo­es­por­te.com

A es­po­sa do la­te­ral Gi­me­nez, uma das ví­ti­mas fa­tais da que­da do avião que le­va­va a de­le­ga­ção da Cha­pe­co­en­se pa­ra a Colôm­bia, fez um de­sa­ba­fo nas emo­ci­o­na­do nas re­des so­ci­ais. Em seu per­fil, ela se de­cla­rou pa­ra o ma­ri­do e re­ve­lou que ain­da não te­ve co­ra­gem de con­tar so­bre a tra­gé­dia pa­ra a fi­lha de ape­nas três anos. Na­tu­ral de Ri­bei­rão Pre­to-SP, Patrícia sem­pre es­te­ve ao la­do de Gi­me­nez e pas­sou por di­fi­cul­da­des com o jo­ga­dor quan­do ele es­ta­va sem re­ce­ber sa­lá­rio do Co­mer­ci­al-SP e che­gou a pas­sar fo­me. “Es­tou sem vi­da, não con­si­go res­pi­rar sem sen­tir dor, dói pa­ra fa­lar, dói pa­ra pen­sar, fe­cho os olhos e sin­to você co­mi­go, sin­to sua res­pi­ra­ção. Mi­nha vi­da de­fi­ni­ti­va­men­te aca­bou”, pos­tou ela. Aos 7 anos, o jo­vem tor­ce­dor da Cha­pe­co­en­se, Ri­chard Fer­rei­ra, não sa­be a di­men­são da sua ima­gem que cor­reu o mun­do. Sen­ta­do, tris­te na ar­qui­ban­ca­da da Are­na Con­dá, a ima­gem do ga­ro­to foi uma for­ma poé­ti­ca de di­vul­gar a dor pe­lo de­sas­tre aé­reo que vi­ti­mou a de­le­ga­ção da Cha­pe­co­en­se, ter­ça, na Colô­mia, on­de 71 pes­so­as mor­re­ram.

Com a pu­re­za de uma cri­an­ça, o re­al mo­ti­vo pe­la tris­te­za de Ri­chard foi pe­lo fa­to da mãe não dei­xá-lo car­re­gar a bo­la que o acom­pa­nha­va em to­dos os jo­gos da Cha­pe­co­en­se. Pa­ra ele, a Cha­pe­co­en­se não po­de­ria en­trar em cam­po se a mís­ti­ca bo­la não es­ti­ves­se ao seu la­do na ar­qui­ban­ca­da. E não en­trou.

“Foi mui­to na­tu­ral, ele ex­pres­sou o mais pu­ro sen­ti­men­to de tris­te­za por não ter a bo­la, por não es­tar jo­gan­do co­mo ele sem­pre fa­zia quan­do o meu ir­mão le­va­va ele. Ele meio que me cul­pou por­que eu não dei a bo­la. Na ca­be­ça de­le: ‘Mi­nha mãe não dei­xou jo­gar bo­la, por is­so os jo­ga­do­res não vão en­trar em cam­po’. Ele até per­gun­tou: ‘Que ho­ras vai co­me­çar o jo­go?’. Pa­ra ele, a bo­la é um sím­bo­lo. E tam­bém foi um mo­men­to de si­lên­cio e de re­fle­xão so­bre a vi­da”, dis­se a mãe do ga­ro­to, Ma­ris­te­la dos Santos, ao por­tal UOL.

Por um mo­ti­vo ou ou­tro, a foto fei­ta pe­lo re­pór­ter fo­to­grá­fi­co Nelson Al­mei­da ga­nhou o mun­do jun­ta­men­te com a tris­te­za da cri­an­ça. A mãe ale­ga ter per­ce­bi­do o mo­men­to em que o pro­fis­si­o­nal re­gis­trou o mo­men­to iso­la­do do ga­ro­to, mas não ima­gi­na­va a di­men­são de­pois.

“Vi o ra­paz ba­ten­do a foto de­le, nor­mal. Quan­do eu li­go meu ce­lu­lar, um co­le­ga de tra­ba­lho ti­nha avi­sa­do que man­da­ram a foto do re­pór­ter. Daí que eu fui ver. No co­me­ço da noi­te, vi to­do mun­do com­par­ti­lhan­do e man­dan­do até de ou­tros paí­ses. Foi uma coi­sa po­si­ti­va, te­ve tan­ta ho­me­na­gem, tan­ta tor­ci­da, tan­tos co­men­tá­ri­os que dão for­ça pa­ra a gen­te. Ain­da mais pa­ra nós que somos hu­mil­des, po­bres”, com­ple­ta a mãe.

‘POR QUE A CHA­PE MOR­REU?’ Na vi­gí­lia da tor­ci­da na Are­na Con­dá, Ri­chard mos­trou que não ti­nha a di­men­são da per­da. Quan­do per­gun­ta­do o mo­ti­vo de es­tar ali, ape­nas res­pon­deu: “Por que a Cha­pe mor­reu!?”. Ama­nhã se­rá re­a­li­za­do um ve­ló­rio co­le­ti­vo. Após a mor­te de 19 jo­ga­do­res e de par­te da co­mis­são téc­ni­ca e fun­ci­o­ná­ri­os no aci­den­te aé­reo da úl­ti­ma ter­ça-fei­ra, a Cha­pe­co­en­se lan­çou on­tem uma no­va mo­da­li­da­de de só­cio con­tri­buin­te.

Os pla­nos são di­ri­gi­dos às pes­so­as que de­se­jam aju­dar o clube a se re­cu­pe­rar da per­da doa ta­len­tos que fo­ram de­ci­si­vos pa­ra a as­cen­são re­cen­te da Cha­pe no fu­te­bol brasileiro e sul-ame­ri­ca­no. O clube ca­ta­ri­nen­se não es­con­de a ne­ces­si­da­de de apoio pa­ra se re­er­guer após a tra­gé­dia. “Em res­pei­to à me­mó­ria de nos­sos guer­rei­ros, nós va­mos con­ti­nu­ar. Va­mos jun­tos escrever mais um ca­pí­tu­lo des­sa his­tó­ria. Fa­ça par­te da nos­sa fa­mí­lia, as­so­cie-se e jo­gue jun­to com a Cha­pe”, diz a men­sa­gem pu­bli­ca­da no si­te oficial do al­vi­ver­de.

A mo­da­li­da­de de só­cio-con­tri­buin­te pos­sui qua­tro pos­si­bi­li­da­des de pa­ga­men­to. Os in­te­res­sa­dos po­dem aju­dar com R$ 20, R$ 30, R$ 50 men­sais ou op­tar por um pla­no que per­mi­te qual­quer valor de men­sa­li­da­de. O só­cio-con­tri­buin­te re­ce­be­rá uma car­tei­ri­nha do ti­me e te­rá di­rei­to a des­con­tos nos in­gres­sos dos jo­gos. A mo­da­li­da­de an­ti­ga de só­cio-tor­ce­dor, com va­lo­res mais ele­va­dos de men­sa­li­da­des, se­rá man­ti­da. Os in­te­res­sa­dos na no­va cam­pa­nha po­dem se ma­tri­cu­lar no si­te www.cha­pe­co­en­se.com.

Ri­chard es­ta­va tris­te por­que a mãe o se­pa­rou de sua bo­la mís­ti­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.