Vi­o­la­ções das prer­ro­ga­ti­vas dos ad­vo­ga­dos

Correio da Bahia - - Front Page -

A Cons­ti­tui­ção dis­põe ser o ad­vo­ga­do in­dis­pen­sá­vel à Jus­ti­ça. Ocor­re que o histórico de lu­tas da ad­vo­ca­cia ca­mi­nha om­bre­a­do pe­las vi­o­la­ções às prer­ro­ga­ti­vas pro­fis­si­o­nais.

Há mui­to se pro­põe a cri­mi­na­li­za­ção de con­du­tas vi­o­la­do­ras às prer­ro­ga­ti­vas dos ad­vo­ga­dos. Des­de 2004, o te­ma foi in­cluí­do na pau­ta da OAB, com a Car­ta de Cu­ri­ti­ba, por­tan­to, não é no­vo. E, por mais que mui­tos so­ber­bos se ar­vo­rem a se­rem au­to­res-pais da me­di­da, tra­ta-se de an­ti­ga rei­vin­di­ca­ção de to­da a clas­se.

Es­se mo­vi­men­to ga­nhou fô­le­go em 2005, épo­ca em que se no­ti­ci­a­vam in­va­sões a es­cri­tó­ri­os de ad­vo­ca­cia, em ma­ni­fes­ta ofen­sa à in­vi­o­la­bi­li­da­de da­que­le re­cin­to pro­fis­si­o­nal.

Es­se con­tex­to de vi­o­la­ções tor­na-se a re­pe­tir. A clas­se é ata­ca­da das mais di­ver­sas for­mas, com o si­lên­cio elo­quen­te e ob­se­qui­o­so de mui­tos (por ve­zes, com co­ro). E, co­mo ne­ces­sá­ria re­a­ção, a cri­mi­na­li­za­ção da vi­o­la­ção de prer­ro­ga­ti­vas re­to­ma a dis­cus­são. As­sim, a te­má­ti­ca foi in­se­ri­da no con­jun­to de pro­pos­tas de al­te­ra­ção da lei de abu­so de au­to­ri­da­de, es­tan­do tam­bém pre­sen­te no PLS 141/2015, apro­va­do pe­lo Se­na­do Fe­de­ral. Não que o Di­rei­to Pe­nal se­ja a so­lu­ção pa­ra to­dos os ma­les, mas a gra­vi­da­de dos abu­sos, ali­a­da à im­por­tân­cia do bem ju­rí­di­co, le­gi­ti­ma tal pre­ten­são.

Há, con­tu­do, fa­lhas no pro­je­to de lei. A mais re­pre­sen­ta­ti­va re­fe­re-se à le­gi­ti­ma­ção pa­ra o ofe­re­ci­men­to da ação pe­nal. Ora, não é pos­sí­vel ou­tor­gar o po­der de fis­ca­li­za­ção pa­ra quem, por rei­te­ra­das ve­zes, quan­to à vi­o­la­ção de prer­ro­ga­ti­vas, po­de­ria, em te­se, as­su­mir a con­di­ção de fis­ca­li­za­do.Ou­tras pro­pos­tas se­ri­am mais ade­qua­das, tan­to pre­ver a ação pe­nal co­mo de ini­ci­a­ti­va pri­va­da, quan­to con­fe­rir le­gi­ti­mi­da­de à pró­pria OAB, ain­da que is­so de­man­das­se uma emen­da à Cons­ti­tui­ção. Tal er­ro não é cor­ri­gi­do pe­los pa­rá­gra­fos 4º e 5º do pro­je­to, que se li­mi­tam a per­mi­tir a in­ter­ven­ção co­mo as­sis­ten­te de acu­sa­ção e o pe­di­do de aber­tu­ra de in­ves­ti­ga­ção, nem pe­la pos­si­bi­li­da­de de se ma­ni­fes­tar de­pois de o Mi­nis­té­rio Pu­bli­co pro­mo­ver o ar­qui­va­men­to, pa­ra os fins do art. 28 do CPP.

Ade­mais, o pro­je­to pre­vê pe­na mí­ni­ma de um ano, a per­mi­tir a sus­pen­são con­di­ci­o­nal do pro­ces­so; cria uma cau­sa de jus­ti­fi­ca­ção pa­ra a pri­são do ad­vo­ga­do; re­ve­la fra­que­za em re­la­ção aos efei­tos aces­só­ri­os pa­ra os au­to­res des­tes fa­tos.

A pro­pos­ta de­mons­tra a ne­ces­sá­ria pre­o­cu­pa­ção com a pre­ser­va­ção das prer­ro­ga­ti­vas do ad­vo­ga­do e, em úl­ti­ma ins­tân­cia, com o pró­prio di­rei­to de de­fe­sa. Mas não se po­de per­der a úni­ca chan­ce de cri­ar um ti­po pe­nal efe­ti­vo, e não uma pseu­do­pro­te­ção (ca­rac­te­rís­ti­ca da fun­ção sim­bó­li­ca do di­rei­to pe­nal). Ou se me­lho­ra o pro­je­to ou se­rá uma au­tên­ti­ca vi­tó­ria de pir­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.