Pes­ca­do­res en­con­tra­ram san­ta

Correio da Bahia - - Mais -

Era outubro de 1717, três pes­ca­do­res – João Alves, Fe­li­pe Pe­dro­so e Domingos Gar­cia – fi­ca­ram en­car­re­ga­dos de con­se­guir pei­xe pa­ra a fes­ta que a Vi­la de San­to Antô­nio de Gu­a­ran­tin­gue­tá iria ofe­re­cer ao go­ver­nan­te da ca­pi­ta­nia he­re­di­tá­ria de São Paulo e Mi­nas de Ou­ro, que es­ta­va de pas­sa­gem pe­la re­gião. O pro­ble­ma é que não era épo­ca de pei­xe na re­gião.

Após vá­ri­as ten­ta­ti­vas pu­xan­do a re­de no Rio Pa­raí­ba do Sul, um pe­da­ço do cor­po de uma ima­gem de Nos­sa Se­nho­ra Con­cei­ção apa­re­ceu pa­ra os pes­ca­do­res. Cu­ri­o­sos, eles lan­ça­ram a re­de mais uma vez e pes­ca­ram a ca­be­ça da ima­gem, que se en­cai­xou per­fei­ta­men­te ao cor­po.

Eles co­lo­ca­ram a ima­gem da san­ta no bar­co. E, de­pois dis­so, os pei­xes co­me­ça­ram a apa­re­cer, em quantidade abun­dan­te, tão gran­de que qua­se fez o bar­co vi­rar, se­gun­do os re­la­tos his­tó­ri­cos da tra­di­ção ca­tó­li­ca.

A ima­gem foi en­tão le­va­da pa­ra a casa de Sil­va­na da Ro­cha Alves, es­po­sa de Domingos, mãe de João e ir­mã de Fe­li­pe, que jun­tou as du­as par­tes com ce­ra e fez um al­tar pa­ra a san­ta. E foi ali que te­ve iní­cio a de­vo­ção à san­ta: todos os sá­ba­dos os mo­ra­do­res iam até o lo­cal pa­ra re­zar. Em 1732, foi cons­truí­do o pri­mei­ro ora­tó­rio em ho­me­na­gem à san­ta. A ca­te­dral ba­sí­li­ca foi con­cluí­da em 1955.

Mi­lha­res de de­vo­tos de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da com­pa­re­cem ao San­tuá­rio no dia da Pa­dro­ei­ra do Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.