Com­pli­an­ce: um ca­mi­nho sem vol­ta

Correio da Bahia - - Front Page -

A po­pu­la­ção bra­si­lei­ra tem ca­na­li­za­do a sua in­dig­na­ção com as re­cor­ren­tes prá­ti­cas de cor­rup­ção, oriun­das de anos de con­cei­tos de­gra­da­dos e da re­la­ção es­pú­ria en­tre as es­fe­ras pú­bli­ca e pri­va­da. Em re­cen­te es­tu­do di­vul­ga­do pe­la ONG Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal, com mais de mil en­tre­vis­tas re­a­li­za­das en­tre maio e junho de 2016, 83% dos par­ti­ci­pan­tes res­pon­de­ram que ci­da­dãos co­muns po­dem fa­zer a di­fe­ren­ça no com­ba­te à cor­rup­ção.

A evo­lu­ção do ar­ca­bou­ço le­gal, no­ta­da­men­te a Lei de Com­ba­te à Cor­rup­ção, em vi­gor des­de 2014, a ma­ci­ça apro­va­ção da Ope­ra­ção La­va Ja­to e os cres­cen­tes ín­di­ces de re­jei­ção aos po­lí­ti­cos, mui­tos de­les en­vol­vi­dos em prá­ti­cas ilí­ci­tas (qu­a­se me­ta­de dos par­ti­ci­pan­tes do es­tu­do per­ce­be que to­da a clas­se po­lí­ti­ca é cor­rup­ta), vêm ser­vin­do de aler­ta a mui­tas com­pa­nhi­as, que es­tão re­ven­do su­as prá­ti­cas em­pre­sa­ri­ais, in­cluin­do o apri­mo­ra­men­to da es­tru­tu­ra de go­ver­nan­ça, normas e con­tro­les in­ter­nos, mui­tas ve­zes re­sul­tan­do nu­ma ver­da­dei­ra trans­for­ma­ção cul­tu­ral den­tro da or­ga­ni­za­ção.

Ape­sar de tar­dio, es­se mo­vi­men­to acom­pa­nha al­gu­mas das prin­ci­pais ini­ci­a­ti­vas an­ti­cor­rup­ção no mun­do, por exem­plo, o ad­ven­to da lei es­ta­du­ni­den­se Fo­reign Cor­rupt Prac­ti­ces Act (FCPA), de 1977, os des­do­bra­men­tos da ope­ra­ção ita­li­a­na Ma­ni Pu­li­te (Mãos Lim­pas), da dé­ca­da de 1990, e a Con­ven­ção das Na­ções Uni­das Con­tra a Cor­rup­ção, de 2003.

A En­se­a­da In­dús­tria Na­val en­ten­deu es­se pro­ces­so de mu­dan­ça e apri­mo­rou seu Pro­gra­ma de Com­pli­an­ce (Con­for­mi­da­de), em ali­nha­men­to com as me­lho­res prá­ti­cas de mer­ca­do e las­tre­a­do na tría­de Pre­ve­nir, De­tec­tar e Remediar. Es­sa ro­bus­tez é es­sen­ci­al não só na con­quis­ta de no­vos con­tra­tos com cli­en­tes na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, co­mo tam­bém na pro­te­ção dos in­te­res­ses e da cre­di­bi­li­da­de da em­pre­sa.

Não obs­tan­te, tor­nou-se es­sen­ci­al im­plan­tar uma me­to­do­lo­gia de di­li­gên­cia pe­rió­di­ca dos agen­tes pú­bli­cos e ter­cei­ros com qu­em nos re­la­ci­o­na­mos, con­si­de­ran­do o grau de ris­co, perfil, his­tó­ri­co re­pu­ta­ci­o­nal, ce­ná­rio atu­al e for­ma de atu­a­ção no âm­bi­to do re­la­ci­o­na­men­to em­pre­sa­ri­al, pois de­ter­mi­na­das ações des­ses ter­cei­ros têm im­pac­to di­re­to nas em­pre­sas. Afi­nal, co­mo di­to em nos­sa Po­lí­ti­ca de Con­for­mi­da­de: pa­ra que exis­ta um am­bi­en­te ne­go­ci­al jus­to e com­pe­ti­ti­vo, é ne­ces­sá­rio que o se­tor pri­va­do pro­du­ti­vo e os ór­gãos go­ver­na­men­tais, po­lí­ti­cos e ad­mi­nis­tra­ti­vos atu­em, si­mul­tâ­nea e si­ner­gi­ca­men­te, em­ba­sa­dos pe­los mes­mos va­lo­res e com os mes­mos ob­je­ti­vos.

As em­pre­sas e seus exe­cu­ti­vos es­tão sob intensa vi­gi­lân­cia dos bra­si­lei­ros e qual­quer des­li­ze po­de cau­sar da­nos ir­re­pa­rá­veis nu­ma re­pu­ta­ção cons­truí­da ao lon­go de dé­ca­das. Por is­so, uma atu­a­ção éti­ca, ín­te­gra e trans­pa­ren­te, ain­da vis­ta co­mo uma van­ta­gem com­pe­ti­ti­va, tor­nar-se-á con­di­ção bá­si­ca no meio cor­po­ra­ti­vo. O avan­ço da so­ci­e­da­de pas­sa pe­la não to­le­rân­cia às prá­ti­cas an­tié­ti­cas. Com­pli­an­ce é um ca­mi­nho sem vol­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.