Go­ver­no al­te­ra re­for­ma tra­ba­lhis­ta por MP

Correio da Bahia - - Economia -

MAR­TE­LO BA­TI­DO Em edi­ção ex­tra do Diá­rio Ofi­ci­al da União, on­tem, o go­ver­no fe­de­ral pu­bli­cou a Me­di­da Pro­vi­só­ria (MP) 808, que de­ter­mi­na ajus­tes na re­for­ma tra­ba­lhis­ta em vi­gor des­de o úl­ti­mo sá­ba­do, 11. Um dos pon­tos mais po­lê­mi­cos das re­gras ori­gi­nal­men­te apro­va­das no Se­na­do Fe­de­ral, o exer­cí­cio de tra­ba­lho in­sa­lu­bre por grá­vi­das e lac­tan­tes foi ajus­ta­do pe­la MP 808. O no­vo tex­to de­ter­mi­na que ges­tan­tes se­jam au­to­ma­ti­ca­men­te afas­ta­das, “en­quan­to du­rar a ges­ta­ção”, de ati­vi­da­des ou lo­cais in­sa­lu­bres. “A em­pre­ga­da ges­tan­te (exer­ce­rá su­as ati­vi­da­des em lo­cal sa­lu­bre, ex­cluí­do, nes­te ca­so, o pa­ga­men­to de adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de”, diz a re­da­ção atu­a­li­za­da do Art. 394-A da CLT. Já pro­fis­si­o­nais lac­tan­tes se­rão afas­ta­das de ati­vi­da­de ou lo­cal de tra­ba­lho in­sa­lu­bre qu­an­do apre­sen­ta­rem “ates­ta­do de saú­de emi­ti­do por mé­di­co de sua con­fi­an­ça, do sis­te­ma pri­va­do ou pú­bli­co de saú­de, que re­co­men­de o afas­ta­men­to du­ran­te a lac­ta­ção”, de acor­do com a MP.

Há uma ex­ce­ção se­gun­do a qual grá­vi­das po­dem ser man­ti­das em tra­ba­lhos in­sa­lu­bres. O tex­to es­ta­be­le­ce que a pro­fis­si­o­nal ges­tan­te po­de­rá exer­cer es­se ti­po de ati­vi­da­de se, “vo­lun­ta­ri­a­men­te, apre­sen­tar ates­ta­do de saú­de, emi­ti­do por mé­di­co de sua con­fi­an­ça, do sis­te­ma pri­va­do ou pú­bli­co de saú­de, que au­to­ri­ze a sua per­ma­nên­cia”. O lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Ro­me­ro Ju­cá (PMDB-RR), de­fen­deu as mu­dan­ças por meio de MP. Pa­ra ele, o en­vio de um pro­je­to de lei, co­mo de­fen­dia o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), ge­ra­ria “uma in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca mui­to gran­de”. “De­fen­do que se­ja o mais rá­pi­do pos­sí­vel, pois foi fei­to um en­ten­di­men­to com to­do mun­do. Pa­ra dar se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca, a re­gra pre­ci­sa va­ler já”, afir­mou.

Ele lem­brou que a pro­pos­ta foi apro­va­da sem mo­di­fi­ca­ções no Se­na­do de­vi­do ao com­pro­mis­so do go­ver­no de edi­tar pos­te­ri­or­men­te uma MP com as al­te­ra­ções. Ele ne­gou, en­tre­tan­to, que ha­ja um con­fli­to com Maia, ape­nas “po­si­ções di­ver­gen­tes”.

Maia dis­se que não gos­tou da de­ci­são, mas vai co­lo­car a me­di­da pro­vi­só­ria em apre­ci­a­ção: “Ób­vio que vou pau­tar o acor­do que o pre­si­den­te fez com o Se­na­do Fe­de­ral, mas não acho jus­to. En­ca­mi­nhá-la en­fra­que­ce a lei que foi san­ci­o­na­da”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.