Pres­são pa­ra tér­mi­no de noi­va­do te­ria mo­ti­va­do o as­sas­si­na­to

Correio da Bahia - - Mais -

“Hou­ve uma dis­cus­são, e ele con­tou que co­me­çou a agre­di-la com so­cos. De­pois, re­ti­rou uma pe­dra que ti­nha le­va­do na mo­chi­la e pas­sou a agre­di-la com pe­dra­das. Ela caiu um lan­ce de es­ca­das, do 6º pa­ra o 5º an­dar. Em se­gui­da, ele tro­cou de ca­mi­sa en­quan­to des­cia as es­ca­das e saiu pe­la ga­ra­gem do pré­dio”, de­ta­lhou a de­le­ga­da Milena Cal­mon.

Ma­teus Vi­li­am, após ma­tar Da­ni­e­la, pe­gou um ôni­bus e tro­cou ou­tra vez de ca­mi­sa den­tro do co­le­ti­vo. Ele foi fla­gra­do pe­las câ­me­ras de se­gu­ran­ça do edi­fí­cio e re­co­nhe­ci­do por uma das ami­gas da ví­ti­ma, que con­tou pa­ra a po­lí­cia que a jor­na­lis­ta já ha­via mos­tra­do uma fo­to de Ma­teus pa­ra ela. Ou­tras pes­so­as pró­xi­mas de Da­ni­e­la fo­ram in­ti­ma­das e, du­ran­te os de­poi­men­tos, o sus­pei­to foi iden­ti­fi­ca­do.

PRI­SÃO

Após a iden­ti­fi­ca­ção por tes­te­mu­nhas, a po­lí­cia foi até a ca­sa de Ma­teus Vi­li­am, no bair­ro da Saú­de, mas ele não es­ta­va. Os in­ves­ti­ga­do­res en­con­tra­ram a mãe do ra­paz, que li­gou pa­ra o fi­lho. Ma­teus dis­se a ela que es­ta­va pró­xi­mo a um su­per­mer­ca­do, em Lau­ro de Frei­tas, na Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Sal­va­dor (RMS), on­de a po­lí­cia o pren­deu em fla­gran­te. A de­le­ga­da con­tou que ele não re­sis­tiu à pri­são e ini­ci­al­men­te ne­gou en­vol­vi­men­to no cri­me, até ver as ima­gens em que apa­re­ce sain­do do pré­dio.

Em depoimento, Ma­teus Vi­li­am con­tou pa­ra a de­le­ga­da que pe­gou a pe­dra no ca­mi­nho até o pré­dio on­de en­con­trou com a ví­ti­ma. Ele par­tiu um pe­da­ço de pa­ra­le­le­pí­pe­do e co­lo­cou na mo­chi­la que car­re­ga­va. A pe­dra ain­da não foi re­cu­pe­ra­da pe­la po­lí­cia, mas a de­le­ga­da afir­ma que o fa­to de­le ter le­va­do o ob­je­to apon­ta pa­ra pre­me­di­ta­ção e, por is­so, vai in­di­ciá-lo por fe­mi­ni­cí­dio.

Da­ni­e­la se for­mou em Jor­na­lis­mo em 2015, pe­la Uni­jor­ge, e tra­ba­lha­va co­mo aten­den­te em um call cen­ter, no Ca­ta­bas Em­pre­sa­ri­al. O en­ter­ro de­la ocor­re­rá na ma­nhã de ho­je, na Or­dem Ter­cei­ra do Car­mo, na Quin­ta dos Lá­za­ros, Bai­xa de Quin­tas.

Em no­ta, o Sin­di­ca­to dos Jor­na­lis­tas Pro­fis­si­o­nais no Es­ta­do da Bahia (Sin­jor­ba) la­men­tou a mor­te de Da­ni­e­la. “A mor­te da co­le­ga au­men­ta a re­vol­tan­te es­ta­tís­ti­ca de cri­mes pra­ti­ca­dos con­tra mu­lhe­res por ho­mens com os quais se re­la­ci­o­na­vam”, diz o tex­to. Ma­teus Vi­li­am Oli­vei­ra Ale­crim Dou­ra­do Araú­jo, 32 anos, acu­sa­do de ma­tar a jor­na­lis­ta Da­ni­e­la Bis­po dos San­tos, 38, on­tem, na Av. Tan­cre­do Ne­ves, con­tou pa­ra a po­lí­cia que co­me­teu o cri­me por­que es­ta­va sen­do pres­si­o­na­do por ela pa­ra ter­mi­nar o relacionamento que ti­nha com ou­tra mu­lher.

Os dois se co­nhe­ce­ram em uma em­pre­sa de call cen­ter, há qua­tro anos, e, mes­mo de­pois de dei­xa­rem de tra­ba­lhar jun­tos, man­ti­ve­ram o relacionamento amo­ro­so, que co­me­çou em 2014.

Ma­teus dis­se à po­lí­cia que es­tá ar­re­pen­di­do do cri­me e tam­bém ale­gou que es­ta­va sen­do ame­a­ça­do pe­la ví­ti­ma e que so­fria chan­ta­gem.

“Ela que­ria que eu ter­mi­nas­se o meu noi­va­do. Dis­se que iria pro­cu­rar mi­nha noi­va pa­ra con­tar tu­do. Eu não es­ta­va aguen­tan­do mais. Eu não ti­nha relacionamento com ela há três me­ses. Eu te­nho fa­mí­lia, te­nho fi­lho. Is­so (o as­sas­si­na­to) ja­mais era al­go que eu pen­sas­se pa­ra mi­nha vi­da ou de que eu fos­se me or­gu­lhar. Eu não sa­bia que te­ria co­ra­gem pa­ra fa­zer is­so com ela”, dis­se.

A fa­mí­lia e os ami­gos de Da­ni­e­la, an­tes do cor­po de­la ser en­con­tra­do, on­tem pe­la ma­nhã, nas es­ca­da­ri­as do edí­fi­cio on­de o cri­me ocor­reu, che­ga­ram a usar as re­des so­ci­ais pa­ra lo­ca­li­zá-la, pois a mo­ça saiu por vol­ta das 19h de an­te­on­tem da sa­la on­de tra­ba­lha­va e não vol­tou mais, dei­xan­do bol­sa, ce­lu­lar e ou­tros per­ten­ces.

Da­ni­e­la tra­ba­lha­va na em­pre­sa Call Tec­no­lo­gia, que pres­ta ser­vi­ços de call cen­ter pa­ra o Dis­que 180 da Se­cre­ta­ria de Po­lí­ti­cas pa­ra as Mu­lhe­res, do go­ver­no fe­de­ral. Ela es­ta­va es­ca­la­da pa­ra o plan­tão das 14h às 22h.

Qu­an­do seu cor­po foi lo­ca­li­za­do, o Ser­vi­ço de Atendimento Mó­vel de Ur­gên­cia (Sa­mu) che­gou a ser aci­o­na­do, mas a ví­ti­ma já es­ta­va mor­ta. Se­gun­do a po­lí­cia, com ba­se nos pri­mei­ros le­van­ta­men­tos da pe­rí­cia, o cri­me de­ve ter ocor­ri­do en­tre 18h e 19h de on­tem.

Ain­da se­gun­do a po­lí­cia, de­pois de ma­tar Da­ni­e­la com so­cos e pe­dra­das, Ma­teus foi pa­ra ca­sa co­mo se na­da ti­ves­se acon­te­ci­do. Apre­sen­ta­do pe­la po­lí­cia co­mo o au­tor con­fes­so da mor­te da jor­na­lis­ta Da­ni­e­la Bis­po dos San­tos, Ma­teus Vi­li­am Oli­vei­ra Ale­crim Dou­ra­do Araú­jo con­tou pa­ra os po­li­ci­ais que es­ta­va a ca­mi­nho de uma en­tre­vis­ta de em­pre­go qu­an­do foi pre­so em fla­gran­te, na tar­de de on­tem.

Ma­teus Vi­li­am es­ta­va em Lau­ro de Frei­tas, qu­an­do foi sur­pre­en­di­do pe­los po­li­ci­ais. O ra­paz re­si­de no bair­ro da Saú­de, em Sal­va­dor. Ele foi pre­so por vol­ta das 14h, me­nos de 20h de­pois do cri­me. Na de­le­ga­cia, con­tou que de­pois de ma­tar Da­ni­e­la foi pa­ra ca­sa e dor­miu. On­tem, le­van­tou ce­do pa­ra com­pa­re­cer a uma en­tre­vis­ta de em­pre­go.

Se­gun­do a po­lí­cia, Ma­teus e Da­ni­e­la se co­nhe­ce­ram em 2013, qu­an­do tra­ba­lha­vam em uma em­pre­sa de call cen­ter. Em 2014, ini­ci­a­ram o relacionamento, que con­ti­nu­ou de­pois que os dois dei­xa­ram de atu­ar na mes­ma fir­ma. Na épo­ca, ele foi de­mi­ti­do e ela pas­sou a tra­ba­lhar em ou­tra em­pre­sa do mes­mo ra­mo, on­de es­ta­va até ser mor­ta.

Ma­teus dis­se que não ‘sa­bia que te­ria co­ra­gem’ de co­me­ter o cri­me

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.